Veja dicas para evitar que a escolha do transporte escolar dê "prego" - Noticias


Veja dicas para evitar que a escolha do transporte escolar dê “prego”

O que fazer na hora de contratar um transporte escolar para seu filho? A dúvida deixa pais de cabelo em pé, principalmente às vésperas do retorno das aulas. Algumas instituições de ensino chegam a oferecer o serviço, outras indicam uma empresa ou até mesmo profissionais autônimos. No fim das contas, qual a melhor opção?

Por Tribuna do Ceará em Especial

18 de janeiro de 2012 às 20:29

Há 8 anos

O que fazer na hora de contratar um transporte escolar para seu filho? A dúvida deixa pais de cabelo em pé, principalmente às vésperas do retorno das aulas. Algumas instituições de ensino chegam a oferecer o serviço, outras indicam uma empresa ou até mesmo profissionais autônimos. No fim das contas, qual a melhor opção?

Segundo o Procon de Fortaleza, antes de pensar em que empresa vai prestar o serviço de transporte do seu filho, verifique os detalhes que melhor atendam às suas necessidades e as de seus filhos.

Leia mais:
Volta às aulas: É hora de deixar a preguiça de lado

Evite dores no bolso na hora de comprar o material escolar

O secretário do órgão de proteção ao consumidor na Capital, João Ricardo Vieira, afirma que caso a escola ofereça o serviço de condução, ela se torna inteiramente responsável por eventuais danos durante o percurso. “Esse entendimento nós temos a partir do Artigo 7º, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor (CDC) que dispõe sobre o princípio de solidariedade”, esclarece.

Olho no contrato

O Procon também orienta que os contratantes leiam atentamente todas as cláusulas firmadas no contrato. Também é necessário solicitar informações sobre o histórico do motorista e observar o estado de conservação do veículo.

Outros pontos importantes: conferir o número de vagas para passageiros, se o serviço é cobrado durante o período de férias, se é prestado fora dos meses letivos (caso o aluno fique em recuperação), se há o acompanhamento de adultos, horários de partida e chegada do transporte, formas de pagamento e reajustes e valores de rescisão antecipada.

E se der prego?

Detalhes como a forma de condução caso o transporte escolar pare por problemas técnicos também devem ser acertados. Também podem ser cobrados descontos caso o aluno tenha prejuízos como perda de exames, por exemplo.

Redação Jangadeiro Online

Publicidade

Dê sua opinião

Veja dicas para evitar que a escolha do transporte escolar dê “prego”

O que fazer na hora de contratar um transporte escolar para seu filho? A dúvida deixa pais de cabelo em pé, principalmente às vésperas do retorno das aulas. Algumas instituições de ensino chegam a oferecer o serviço, outras indicam uma empresa ou até mesmo profissionais autônimos. No fim das contas, qual a melhor opção?

Por Tribuna do Ceará em Especial

18 de janeiro de 2012 às 20:29

Há 8 anos

O que fazer na hora de contratar um transporte escolar para seu filho? A dúvida deixa pais de cabelo em pé, principalmente às vésperas do retorno das aulas. Algumas instituições de ensino chegam a oferecer o serviço, outras indicam uma empresa ou até mesmo profissionais autônimos. No fim das contas, qual a melhor opção?

Segundo o Procon de Fortaleza, antes de pensar em que empresa vai prestar o serviço de transporte do seu filho, verifique os detalhes que melhor atendam às suas necessidades e as de seus filhos.

Leia mais:
Volta às aulas: É hora de deixar a preguiça de lado

Evite dores no bolso na hora de comprar o material escolar

O secretário do órgão de proteção ao consumidor na Capital, João Ricardo Vieira, afirma que caso a escola ofereça o serviço de condução, ela se torna inteiramente responsável por eventuais danos durante o percurso. “Esse entendimento nós temos a partir do Artigo 7º, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor (CDC) que dispõe sobre o princípio de solidariedade”, esclarece.

Olho no contrato

O Procon também orienta que os contratantes leiam atentamente todas as cláusulas firmadas no contrato. Também é necessário solicitar informações sobre o histórico do motorista e observar o estado de conservação do veículo.

Outros pontos importantes: conferir o número de vagas para passageiros, se o serviço é cobrado durante o período de férias, se é prestado fora dos meses letivos (caso o aluno fique em recuperação), se há o acompanhamento de adultos, horários de partida e chegada do transporte, formas de pagamento e reajustes e valores de rescisão antecipada.

E se der prego?

Detalhes como a forma de condução caso o transporte escolar pare por problemas técnicos também devem ser acertados. Também podem ser cobrados descontos caso o aluno tenha prejuízos como perda de exames, por exemplo.

Redação Jangadeiro Online