Clientes encontram inseto na porção de camarão de um restaurante de Fortaleza


Clientes encontram inseto na porção de camarão de um restaurante de Fortaleza

De acordo com o cliente, que pediu para não ser identificado, o inseto foi encontrado em meio ao camarão fritado

Por Tribuna do Ceará em Fortaleza

10 de dezembro de 2012 às 14:54

Há 7 anos

Um técnico de informática encontrou um inseto, semelhante a uma barata, em uma porção de camarão servida no Bar e Restaurante Assis, o Rei da Picanha II, em Fortaleza. O fato aconteceu na madrugada deste domingo (9).

De acordo com o cliente, que pediu para não ser identificado, o inseto foi encontrado em meio ao camarão fritado. Ele disse que a namorada e a irmã já tinham ingerido parte da comida quando identificaram o inseto. “Elas pediram para eu identificar o que era. Peguei um palito de dente e revirei. Daí que vi que era uma barata”, disse o cliente.

Inseto encontrado no camarão

Clientes afirmaram que encontraram o inseto após ter comido o camarão (FOTO: Divulgação/Facebook)

Garçom retirou o pedido

Quando identificou o inseto na comida, o grupo chamou o garçom, que rapidamente tirou o prato. “Ele chegou puxando logo o prato e perguntando se queríamos outro. Eu exigi a presença do gerente, mas quando ele chegou, disse que poderia ter caído no momento da fritura”, disse o técnico.

Ainda de acordo com o cliente, o grupo não quis mais comer no local e o outro prato pedido também foi devolvido. “Recusamos comer até a maminha, pois ficamos com nojo”.

Gerente afirma que ocasião é impossível

O técnico de informática disse que vai acionar o Restaurante Assis da Picanha II. A equipe do Jangadeiro Online entrou em contato com a empresa. “Não faz sentido a denúncia. Pode ser coisa da concorrência. A empresa é dedetizada a cada 15 dias”, disse o gerente administrativo Oacir de Oliveira.

De acordo ainda com Oacir, caso tenha passado algo indevido, pode tratar-se de um animal chamado cascudo do mar, que geralmente é pescado junto ao camarão. “Apesar da suspeita, é impossível ter passado, pois os funcionários limpam e pesam o camarão”, conclui.

Publicidade

Dê sua opinião

Clientes encontram inseto na porção de camarão de um restaurante de Fortaleza

De acordo com o cliente, que pediu para não ser identificado, o inseto foi encontrado em meio ao camarão fritado

Por Tribuna do Ceará em Fortaleza

10 de dezembro de 2012 às 14:54

Há 7 anos

Um técnico de informática encontrou um inseto, semelhante a uma barata, em uma porção de camarão servida no Bar e Restaurante Assis, o Rei da Picanha II, em Fortaleza. O fato aconteceu na madrugada deste domingo (9).

De acordo com o cliente, que pediu para não ser identificado, o inseto foi encontrado em meio ao camarão fritado. Ele disse que a namorada e a irmã já tinham ingerido parte da comida quando identificaram o inseto. “Elas pediram para eu identificar o que era. Peguei um palito de dente e revirei. Daí que vi que era uma barata”, disse o cliente.

Inseto encontrado no camarão

Clientes afirmaram que encontraram o inseto após ter comido o camarão (FOTO: Divulgação/Facebook)

Garçom retirou o pedido

Quando identificou o inseto na comida, o grupo chamou o garçom, que rapidamente tirou o prato. “Ele chegou puxando logo o prato e perguntando se queríamos outro. Eu exigi a presença do gerente, mas quando ele chegou, disse que poderia ter caído no momento da fritura”, disse o técnico.

Ainda de acordo com o cliente, o grupo não quis mais comer no local e o outro prato pedido também foi devolvido. “Recusamos comer até a maminha, pois ficamos com nojo”.

Gerente afirma que ocasião é impossível

O técnico de informática disse que vai acionar o Restaurante Assis da Picanha II. A equipe do Jangadeiro Online entrou em contato com a empresa. “Não faz sentido a denúncia. Pode ser coisa da concorrência. A empresa é dedetizada a cada 15 dias”, disse o gerente administrativo Oacir de Oliveira.

De acordo ainda com Oacir, caso tenha passado algo indevido, pode tratar-se de um animal chamado cascudo do mar, que geralmente é pescado junto ao camarão. “Apesar da suspeita, é impossível ter passado, pois os funcionários limpam e pesam o camarão”, conclui.