Copa: Fortaleza e Recife são as únicas cidades sem risco de apagão


Copa: Fortaleza e Recife são as únicas cidades sem risco de apagão

Segundo o gerente de planejamento e engenharia da Coelce, Roberto Gentil, o órgão é responsável por cinco obras na Arena Castelão juntamente com a Aneel

Por Jackson Cruz em Fortaleza

23 de janeiro de 2013 às 09:00

Há 6 anos

Fortaleza é uma das cidades-sede que não tem atraso nas obras de energia elétrica para a Copa do Mundo de 2014. Das 12 capitais que receberão as partidas, além da capital do Ceará, apenas Recife está com as obras totalmente em dia, segundo o relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo o gerente de planejamento e engenharia da Coelce, Roberto Gentil, a órgão é responsável por cinco obras na Arena Castelão juntamente com a Aneel. Ele explicou que essas são obras específicas para a Copa, não englobando outras fora da arena.

rede de energia elétrica

Fortaleza e Recife estão com os trabalhos em dia (FOTO: Divulgação)

Gentil explicou que uma das exigências da Fifa era que o estádio fosse atendido por duas subestações diferentes de energia. Dessa forma, faz obras estão sendo realizadas nas subestações Mondumbi e Dias Macêdo. Até agora, duas já estão concluídas, que são referentes à subestação do Mondubim. “Na inauguração as obras já estavam prontas”, explicou.

Obras em andamento

Mas ainda faltam três obras, sendo duas referentes à subestação do Dias Macêdo. As obras consistem na implantação de um transformador a mais, além de puxar um alimentador que ligue a subestação à Arena Castelão, com fluxo de energia exclusivo.

Além disso, a quinta obra será a criação de uma chave de transferência, interligando os dois alimentadores que saem de ambas estações. “Ela é utilizada para alternar de alimentador, caso tenho algum problema com um ela troca o abastecimento pelo o outro”, ressaltou. Segundo Gentil, a troca de alimentador é realizada em pouquíssimo tempo, sem prejudicar o abastecimento.

O prazo para a finalização das obras é abril de 2013. O gerente ainda disse que o objetivo de ter as conclusões previstas para a Copa de 2014 foi antecipado para atender a demanda da Copa das Confederações ainda neste ano.

Problema?

Em uma notícia divulgado pela Folha de São Paulo, nesta terça-feira (22), afirmava-se que em todas as demais cidades-sede – Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, Manaus, Cuiabá, Natal e Curitiba – poderiam sofrer com falta de energia durante a Copa, por causa dos atrasos nas obras.

A Aneel respondeu por meio de nota que os atrasos das obras de distribuição não oferecem risco ao abastecimento de energia para a Copa de 2014. “A Nota Técnica n° 0188/2012-SFE/ANEEL, publicada em 10 de dezembro, avalia a posição do 3º trimestre de 2012 e aponta “ainda ser possível que as concessionárias de distribuição compensem os atrasos com a urgente aceleração do ritmo de implantação das redes e subestações de distribuição elencadas na Nota Técnica nº 056/2011-SRD/ANEEL”. A Agência esclarece, também, que obras de distribuição são de baixa complexidade e permitem sua implantação em prazos muito curtos”, constatou.

Publicidade

Dê sua opinião

Copa: Fortaleza e Recife são as únicas cidades sem risco de apagão

Segundo o gerente de planejamento e engenharia da Coelce, Roberto Gentil, o órgão é responsável por cinco obras na Arena Castelão juntamente com a Aneel

Por Jackson Cruz em Fortaleza

23 de janeiro de 2013 às 09:00

Há 6 anos

Fortaleza é uma das cidades-sede que não tem atraso nas obras de energia elétrica para a Copa do Mundo de 2014. Das 12 capitais que receberão as partidas, além da capital do Ceará, apenas Recife está com as obras totalmente em dia, segundo o relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo o gerente de planejamento e engenharia da Coelce, Roberto Gentil, a órgão é responsável por cinco obras na Arena Castelão juntamente com a Aneel. Ele explicou que essas são obras específicas para a Copa, não englobando outras fora da arena.

rede de energia elétrica

Fortaleza e Recife estão com os trabalhos em dia (FOTO: Divulgação)

Gentil explicou que uma das exigências da Fifa era que o estádio fosse atendido por duas subestações diferentes de energia. Dessa forma, faz obras estão sendo realizadas nas subestações Mondumbi e Dias Macêdo. Até agora, duas já estão concluídas, que são referentes à subestação do Mondubim. “Na inauguração as obras já estavam prontas”, explicou.

Obras em andamento

Mas ainda faltam três obras, sendo duas referentes à subestação do Dias Macêdo. As obras consistem na implantação de um transformador a mais, além de puxar um alimentador que ligue a subestação à Arena Castelão, com fluxo de energia exclusivo.

Além disso, a quinta obra será a criação de uma chave de transferência, interligando os dois alimentadores que saem de ambas estações. “Ela é utilizada para alternar de alimentador, caso tenho algum problema com um ela troca o abastecimento pelo o outro”, ressaltou. Segundo Gentil, a troca de alimentador é realizada em pouquíssimo tempo, sem prejudicar o abastecimento.

O prazo para a finalização das obras é abril de 2013. O gerente ainda disse que o objetivo de ter as conclusões previstas para a Copa de 2014 foi antecipado para atender a demanda da Copa das Confederações ainda neste ano.

Problema?

Em uma notícia divulgado pela Folha de São Paulo, nesta terça-feira (22), afirmava-se que em todas as demais cidades-sede – Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, Manaus, Cuiabá, Natal e Curitiba – poderiam sofrer com falta de energia durante a Copa, por causa dos atrasos nas obras.

A Aneel respondeu por meio de nota que os atrasos das obras de distribuição não oferecem risco ao abastecimento de energia para a Copa de 2014. “A Nota Técnica n° 0188/2012-SFE/ANEEL, publicada em 10 de dezembro, avalia a posição do 3º trimestre de 2012 e aponta “ainda ser possível que as concessionárias de distribuição compensem os atrasos com a urgente aceleração do ritmo de implantação das redes e subestações de distribuição elencadas na Nota Técnica nº 056/2011-SRD/ANEEL”. A Agência esclarece, também, que obras de distribuição são de baixa complexidade e permitem sua implantação em prazos muito curtos”, constatou.