Coworking: pessoas de diversas áreas atuando em ambiente compartilhado


Coworking: pessoas de diversas áreas atuando em ambiente compartilhado

No coworking você convive com pessoas desconhecidas, compartilhando serviços como o de secretária, sala de reuniões, recepcionista e office boy

Por Roberta Tavares em Fortaleza

18 de março de 2014 às 18:39

Há 5 anos

Um espaço físico completo, com tecnologias e uma proposta corporativa diferenciada. O coworking de verdade é um local onde as pessoas não apenas compartilham o mesmo escritório, mas também se sentem à vontade para tomar um café ou trocar ideias sobre os próprios projetos, sem contar o baixo custo do aluguel se comparado a escritórios convencionais.

A fonoaudióloga Sofia Bedê utiliza os serviços de um coworking em Fortaleza. A motivação surgiu a partir de experiências anteriores em escritórios tradicionais. Ter sempre a obrigação de chegar na hora certa e conversar com pessoas da mesma área era “complicado”, como ela própria define. “Eu fazia a mesma coisa todo dia, não tinha como crescer mais”, afirma.

No coworking, o escritório pode ser compartilhado com profissionais de diversas áreas (FOTO: Móbile Coworking)

No coworking, o escritório pode ser compartilhado com profissionais de diversas áreas (FOTO: Móbile Coworking)

Segundo a jovem, na modalidade existe troca de informação, de ideias, e consequente renovação. Até porque ao seu lado podem estar jornalistas, publicitários, arquitetos ou engenheiros. Um clima de cooperação torna o trabalho bem mais leve. “A diversidade de ideia dá vontade de trabalhar. Lá a gente vê que as pessoas querem ser felizes no trabalho, querem ter prazer em trabalhar, e acabam deixando de tratá-lo como ‘algo chato”, diz.

O coworking é um modelo de trabalho onde você convive com pessoas ‘desconhecidas’, mas compartilhando serviços como o de secretária, sala de reuniões, recepcionista e office boy, de modo que os serviços se adaptam às necessidades dos clientes. Ele beneficia principalmente os novos empreendedores, pois oferece toda a estrutura necessária para montar uma empresa a preços acessíveis.

“Eu estou sempre me renovando, porque o bom é estar perto de gente tão interessante quanto você. Esse é o futuro, em vez de você ser o máximo sozinho, você será muito bom junto com várias pessoas que também são”, completa.

> LEIA MAIS

A fonoaudióloga utiliza os serviços do Móbile Coworking, localizada no Bairro Papicu. Segundo o sócio-diretor Gabriel Sousa, os escritórios compartilhados são muito simples. Em geral, a arquitetura dos ambientes é pensada para oferecer estrutura de trabalho e, de quebra, facilitar a colaboração entre os profissionais. O público-alvo são novos empreendedores que decidem trocar o home office por ambientes mais profissionais.

COWORKING PELO MUNDO
1/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
2/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
3/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
4/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
5/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
6/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
7/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
8/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

“O ambiente tem mesões compartilhados, sala de reuniões, internet e café. Ao mesmo tempo que parece ser informal, a pessoa que está ao seu lado respeita o seu trabalho. Todo mundo está lá para trabalhar e não para brincar, ao mesmo tempo que não tem aquela formalidade”, conta Sousa.

Trata-se de um ambiente integrado, sem paredes ou divisórias, com diversas estações de trabalho, no qual podem atuar uma gama de profissionais. O local é propício para parcerias e geração de negócios, tanto para formados quanto para universitários, já que, apesar do baixo custo operacional, contam com tudo que um escritório necessita.

Preços

Além de compartilhar ideias, o amobiente serve de descontração (FOTO: MOBILE COWORKING/REPRODUÇÃO)

Além de compartilhar ideias, o ambiente serve de descontração (FOTO: Móbile Coworking/Reprodução)

O valor é pago apenas pelo tempo que utilizar o coworking, sem necessidade de caução (garantia) ou fiador. É basicamente só chegar, apresentar o seu projeto de trabalho e começar a executá-lo.

Na Móbile Coworking, por exemplo, os preços variam de R$ 40 (10 horas mensais) a R$ 650 (200 horas mensais). Em alguns planos estão inclusos internet, endereço no cartão de visita, sala de reunião, água, café e recebimento de correspondências. Nos finais de semana e feriados é cobrada taxa de R$ 25 por dia.

“É bem flexível, e no espaço cabem 22 pessoas. Se fizermos uma pesquisa rápida de imóveis comerciais no Bairro Aldeota encontramos aluguéis de R$ 500 a R$ 5 mil. Vale bem mais a pena o coworking, tanto pelo preço como pelo ambiente de ideias e de empreendedorismo”.

Glauber Abreu inaugurou a ForCoworking em setembro de 2013 com o sócio Alexandre Rocha Júnior. Ele conta que a ideia do empreendimento surgiu após conversar com um primo que também do ramo. “Esse promete ser o futuro da prestação de serviço”. O negócio ainda não possui clientes, pois está em fase de divulgação e o empresário encontra-se animado. “Esse promete ser o futuro da prestação de serviço, pela redução dos custos e facilidade de acesso”. O empresário Herman concorda e aconselha o espaço. “Acredito que no futuro os prédios e edifícios comerciais vão se adaptar a essa realidade”, conclui.

Pontos positivos do coworking:

  • Profissionais de diversas formações estão presentes num mesmo ambiente, colaborando com a troca de ideias;
  • É indicado para quem está em busca de ampliar o networking;
  • Custos mais baixos em relação ao modelo home office.

Origem

A ideia de coworking foi utilizada pela primeira vez nos Estados Unidos quando o engenheiro de software Brad Neuberg criou o primeiro espaço. Hoje, a união de um grupo de pessoas que compartilham valores em um mesmo escritório tornou-se tendência mundial.

No eixo Rio-São Paulo já é bastante utilizado e, em Fortaleza, o coworking conquista o mercado. Na capital cearense estima-se que existam cinco empresas do ramo.

Publicidade

Dê sua opinião

Coworking: pessoas de diversas áreas atuando em ambiente compartilhado

No coworking você convive com pessoas desconhecidas, compartilhando serviços como o de secretária, sala de reuniões, recepcionista e office boy

Por Roberta Tavares em Fortaleza

18 de março de 2014 às 18:39

Há 5 anos

Um espaço físico completo, com tecnologias e uma proposta corporativa diferenciada. O coworking de verdade é um local onde as pessoas não apenas compartilham o mesmo escritório, mas também se sentem à vontade para tomar um café ou trocar ideias sobre os próprios projetos, sem contar o baixo custo do aluguel se comparado a escritórios convencionais.

A fonoaudióloga Sofia Bedê utiliza os serviços de um coworking em Fortaleza. A motivação surgiu a partir de experiências anteriores em escritórios tradicionais. Ter sempre a obrigação de chegar na hora certa e conversar com pessoas da mesma área era “complicado”, como ela própria define. “Eu fazia a mesma coisa todo dia, não tinha como crescer mais”, afirma.

No coworking, o escritório pode ser compartilhado com profissionais de diversas áreas (FOTO: Móbile Coworking)

No coworking, o escritório pode ser compartilhado com profissionais de diversas áreas (FOTO: Móbile Coworking)

Segundo a jovem, na modalidade existe troca de informação, de ideias, e consequente renovação. Até porque ao seu lado podem estar jornalistas, publicitários, arquitetos ou engenheiros. Um clima de cooperação torna o trabalho bem mais leve. “A diversidade de ideia dá vontade de trabalhar. Lá a gente vê que as pessoas querem ser felizes no trabalho, querem ter prazer em trabalhar, e acabam deixando de tratá-lo como ‘algo chato”, diz.

O coworking é um modelo de trabalho onde você convive com pessoas ‘desconhecidas’, mas compartilhando serviços como o de secretária, sala de reuniões, recepcionista e office boy, de modo que os serviços se adaptam às necessidades dos clientes. Ele beneficia principalmente os novos empreendedores, pois oferece toda a estrutura necessária para montar uma empresa a preços acessíveis.

“Eu estou sempre me renovando, porque o bom é estar perto de gente tão interessante quanto você. Esse é o futuro, em vez de você ser o máximo sozinho, você será muito bom junto com várias pessoas que também são”, completa.

> LEIA MAIS

A fonoaudióloga utiliza os serviços do Móbile Coworking, localizada no Bairro Papicu. Segundo o sócio-diretor Gabriel Sousa, os escritórios compartilhados são muito simples. Em geral, a arquitetura dos ambientes é pensada para oferecer estrutura de trabalho e, de quebra, facilitar a colaboração entre os profissionais. O público-alvo são novos empreendedores que decidem trocar o home office por ambientes mais profissionais.

COWORKING PELO MUNDO
1/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
2/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
3/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
4/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
5/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
6/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
7/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

COWORKING PELO MUNDO
8/8

COWORKING PELO MUNDO

Pessoas e empresas usuárias de coworking também utilizam este modelo de trabalho para estabelecer relacionamentos de negócios onde oferecem e/ou contratam serviços mutuamente (FOTO: DIVULGAÇÃO)

“O ambiente tem mesões compartilhados, sala de reuniões, internet e café. Ao mesmo tempo que parece ser informal, a pessoa que está ao seu lado respeita o seu trabalho. Todo mundo está lá para trabalhar e não para brincar, ao mesmo tempo que não tem aquela formalidade”, conta Sousa.

Trata-se de um ambiente integrado, sem paredes ou divisórias, com diversas estações de trabalho, no qual podem atuar uma gama de profissionais. O local é propício para parcerias e geração de negócios, tanto para formados quanto para universitários, já que, apesar do baixo custo operacional, contam com tudo que um escritório necessita.

Preços

Além de compartilhar ideias, o amobiente serve de descontração (FOTO: MOBILE COWORKING/REPRODUÇÃO)

Além de compartilhar ideias, o ambiente serve de descontração (FOTO: Móbile Coworking/Reprodução)

O valor é pago apenas pelo tempo que utilizar o coworking, sem necessidade de caução (garantia) ou fiador. É basicamente só chegar, apresentar o seu projeto de trabalho e começar a executá-lo.

Na Móbile Coworking, por exemplo, os preços variam de R$ 40 (10 horas mensais) a R$ 650 (200 horas mensais). Em alguns planos estão inclusos internet, endereço no cartão de visita, sala de reunião, água, café e recebimento de correspondências. Nos finais de semana e feriados é cobrada taxa de R$ 25 por dia.

“É bem flexível, e no espaço cabem 22 pessoas. Se fizermos uma pesquisa rápida de imóveis comerciais no Bairro Aldeota encontramos aluguéis de R$ 500 a R$ 5 mil. Vale bem mais a pena o coworking, tanto pelo preço como pelo ambiente de ideias e de empreendedorismo”.

Glauber Abreu inaugurou a ForCoworking em setembro de 2013 com o sócio Alexandre Rocha Júnior. Ele conta que a ideia do empreendimento surgiu após conversar com um primo que também do ramo. “Esse promete ser o futuro da prestação de serviço”. O negócio ainda não possui clientes, pois está em fase de divulgação e o empresário encontra-se animado. “Esse promete ser o futuro da prestação de serviço, pela redução dos custos e facilidade de acesso”. O empresário Herman concorda e aconselha o espaço. “Acredito que no futuro os prédios e edifícios comerciais vão se adaptar a essa realidade”, conclui.

Pontos positivos do coworking:

  • Profissionais de diversas formações estão presentes num mesmo ambiente, colaborando com a troca de ideias;
  • É indicado para quem está em busca de ampliar o networking;
  • Custos mais baixos em relação ao modelo home office.

Origem

A ideia de coworking foi utilizada pela primeira vez nos Estados Unidos quando o engenheiro de software Brad Neuberg criou o primeiro espaço. Hoje, a união de um grupo de pessoas que compartilham valores em um mesmo escritório tornou-se tendência mundial.

No eixo Rio-São Paulo já é bastante utilizado e, em Fortaleza, o coworking conquista o mercado. Na capital cearense estima-se que existam cinco empresas do ramo.