Fortaleza é 2ª cidade com maior denúncia de crimes


Fortaleza é 2ª cidade com maior denúncia de crimes

Site atualiza as estatísticas dos crimes em tempo real e a população pode marcar o local da ocorrência de forma anônima

Por Thalyta Martins em Fortaleza

30 de outubro de 2013 às 19:32

Há 6 anos

Você sabe quais os locais mais perigosos da sua cidade? Fortaleza é a segunda cidade brasileira com maior número de denúncias de crimes no site Onde fui Roubado, com mais de 1,6 mil ocorrências em quatro meses. O primeiro lugar no ranking ficou com São Paulo, que teve quase 1,8 mil casos publicados. Com o objetivo de reunir dados e manter a população informada sobre pontos perigosos de sua cidade, a plataforma colaborativa permite que se registre crimes de qualquer município.

Na capital cearense, foram feitas mais de 600 denúncias nos últimos 90 dias. A maioria das vítimas são homens 63%, e das 1.675 pessoas que denunciaram, 49%  registraram boletim de ocorrência. O site atualiza as estatísticas dos crimes em tempo real e a população pode marcar o local do crime de forma anônima. Existem nove categorias de ocorrências que são sinalizadas por cores, tais como furto, assalto à mão armada, assalto coletivo, sequestro relâmpago, arrombamento veicular, saidinha bancária, entre outros.

Mesmo não tendo sofrido nenhum assalto, a estudante de Psicologia Cecília Coelho afirma que acessa o site para se informar sobre os locais perigosos de Fortaleza. “Sempre me impressiono com a quantidade de assaltos, principalmente, os com arma! Gosto de ter uma ideia de onde estão tendo os assaltos, por exemplo, se ocorreu algum na minha rua.”

Site colaborativo pontua, a partir de registros da população, os locais onde ocorreram crimes nas cidades do Brasil  (FOTO: Internet)

Site colaborativo pontua, a partir de registros da população, os locais onde ocorreram crimes nas cidades do Brasil (FOTO: Internet)

O tipo de crime mais frequente em Fortaleza é assalto à mão armada, com 59% das ocorrências, seguido de furto, 16%, e arrombamento veicular, com 8%. Com relação aos objetos mais roubados, em primeiro lugar encontra-se celular, com 66%, em segundo a opção outros, 46%, e em terceiro carteiras, com 39%.

As ocorrências podem ser registradas tanto por pessoas que sofreram algum tipo de crime como por testemunhas, cabendo aos colaboradores a responsabilidade pela veracidade das informações compartilhadas. O registro é feito de forma simples, sendo necessário endereço e mapa da localização, tipo e data do crime, objetos roubados e uma breve descrição do fato.

Site

Criado pelos estudantes de Ciências da Computação de Salvador, Filipe Norton e Márcio Vicente, o portal usa o sistema crowdsourcing, modelo de produção que utiliza a inteligência e os conhecimentos coletivos e voluntários, para catalogar as ocorrências em tempo real. De acordo com o site Startup Ranking, o Onde fui roubado, que foi criado no último dia 29 de junho, já está entre os 30 portais startup – modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza – mais acessados do Brasil.

Publicidade

Dê sua opinião

Fortaleza é 2ª cidade com maior denúncia de crimes

Site atualiza as estatísticas dos crimes em tempo real e a população pode marcar o local da ocorrência de forma anônima

Por Thalyta Martins em Fortaleza

30 de outubro de 2013 às 19:32

Há 6 anos

Você sabe quais os locais mais perigosos da sua cidade? Fortaleza é a segunda cidade brasileira com maior número de denúncias de crimes no site Onde fui Roubado, com mais de 1,6 mil ocorrências em quatro meses. O primeiro lugar no ranking ficou com São Paulo, que teve quase 1,8 mil casos publicados. Com o objetivo de reunir dados e manter a população informada sobre pontos perigosos de sua cidade, a plataforma colaborativa permite que se registre crimes de qualquer município.

Na capital cearense, foram feitas mais de 600 denúncias nos últimos 90 dias. A maioria das vítimas são homens 63%, e das 1.675 pessoas que denunciaram, 49%  registraram boletim de ocorrência. O site atualiza as estatísticas dos crimes em tempo real e a população pode marcar o local do crime de forma anônima. Existem nove categorias de ocorrências que são sinalizadas por cores, tais como furto, assalto à mão armada, assalto coletivo, sequestro relâmpago, arrombamento veicular, saidinha bancária, entre outros.

Mesmo não tendo sofrido nenhum assalto, a estudante de Psicologia Cecília Coelho afirma que acessa o site para se informar sobre os locais perigosos de Fortaleza. “Sempre me impressiono com a quantidade de assaltos, principalmente, os com arma! Gosto de ter uma ideia de onde estão tendo os assaltos, por exemplo, se ocorreu algum na minha rua.”

Site colaborativo pontua, a partir de registros da população, os locais onde ocorreram crimes nas cidades do Brasil  (FOTO: Internet)

Site colaborativo pontua, a partir de registros da população, os locais onde ocorreram crimes nas cidades do Brasil (FOTO: Internet)

O tipo de crime mais frequente em Fortaleza é assalto à mão armada, com 59% das ocorrências, seguido de furto, 16%, e arrombamento veicular, com 8%. Com relação aos objetos mais roubados, em primeiro lugar encontra-se celular, com 66%, em segundo a opção outros, 46%, e em terceiro carteiras, com 39%.

As ocorrências podem ser registradas tanto por pessoas que sofreram algum tipo de crime como por testemunhas, cabendo aos colaboradores a responsabilidade pela veracidade das informações compartilhadas. O registro é feito de forma simples, sendo necessário endereço e mapa da localização, tipo e data do crime, objetos roubados e uma breve descrição do fato.

Site

Criado pelos estudantes de Ciências da Computação de Salvador, Filipe Norton e Márcio Vicente, o portal usa o sistema crowdsourcing, modelo de produção que utiliza a inteligência e os conhecimentos coletivos e voluntários, para catalogar as ocorrências em tempo real. De acordo com o site Startup Ranking, o Onde fui roubado, que foi criado no último dia 29 de junho, já está entre os 30 portais startup – modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza – mais acessados do Brasil.