Relógios em ciclovia são retirados após protestos


Relógios em ciclovia são retirados após protestos

O proprietário da empresa responsável pelos relógios já havia revelado que os aparelhos seriam trocados de lugar dentro de 15 dias

Por Tribuna do Ceará em Fortaleza

3 de março de 2013 às 09:26

Há 6 anos
Os relógios foram implantados ainda em 1999 (Foto: Reprodução/Facebook)

Os relógios foram implantados ainda em 1999 (Foto: Karl Boehler – Reprodução/Facebook)

Após protestos contra os relógios digitais com propagandas luminosas instalados no meio da ciclovia da Avenida Bezerra de Menezes, em Fortaleza, foi iniciada neste fim de semana a retirada dos aparelhos.

Em entrevista na última segunda-feira (25), o proprietário da empresa responsável pelos relógios, Carlos da Guarda, já havia revelado que os aparelhos seriam trocados de lugar dentro de 15 dias em respeito ao espaço público e mobilidade dos que utilizam a via.

“Os relógios foram implantados em 1999 mediante concessão pública na época do Juracy Magalhães. Na Bezerra, foram implantados quatro. Ano passado recebemos um aditivo para modernizar os equipamentos”, diz Carlos da Guarda, proprietário da MC Mensagem e Comunicação Visual.

Carlos explica que, na época da construção da ciclovia, foi feita uma consulta na prefeitura para saber se seria preciso ou não trocar os relógios do local. “Há 15 dias trocamos os antigos pelos mais modernos, e aí as pessoas começaram a reclamar”, contou.

Relembre o caso

De acordo com o ciclista e um dos responsáveis pela Fan Page Massa Crítica Fortaleza, Fernando Lucas Lisboa, a ciclovia da Bezerra Menezes já foi construída com os relógios lá, mas antes eram mais estreitos e não atrapalhavam tanto.

“A ciclovia foi feita em 2009 e os relógios foram implantados em 1999. Isto é, a prefeitura não se preocupou nem em tirar os relógios do meio para construir a ciclovia. Mas recentemente eles trocaram os antigos e colocaram relógios mais modernos, que são bem maiores e agora tomam mais espaço”, disse.

Ciclistas enfrentam problemas

Além dos relógios digitais, Fernando Lucas afirma que o lixo, os pedestres que usam o espaço para fazer caminhadas, faixas de propagandas de festas também são problemas que atrapalham os ciclistas que utilizam a via central.

Publicidade

Dê sua opinião

Relógios em ciclovia são retirados após protestos

O proprietário da empresa responsável pelos relógios já havia revelado que os aparelhos seriam trocados de lugar dentro de 15 dias

Por Tribuna do Ceará em Fortaleza

3 de março de 2013 às 09:26

Há 6 anos
Os relógios foram implantados ainda em 1999 (Foto: Reprodução/Facebook)

Os relógios foram implantados ainda em 1999 (Foto: Karl Boehler – Reprodução/Facebook)

Após protestos contra os relógios digitais com propagandas luminosas instalados no meio da ciclovia da Avenida Bezerra de Menezes, em Fortaleza, foi iniciada neste fim de semana a retirada dos aparelhos.

Em entrevista na última segunda-feira (25), o proprietário da empresa responsável pelos relógios, Carlos da Guarda, já havia revelado que os aparelhos seriam trocados de lugar dentro de 15 dias em respeito ao espaço público e mobilidade dos que utilizam a via.

“Os relógios foram implantados em 1999 mediante concessão pública na época do Juracy Magalhães. Na Bezerra, foram implantados quatro. Ano passado recebemos um aditivo para modernizar os equipamentos”, diz Carlos da Guarda, proprietário da MC Mensagem e Comunicação Visual.

Carlos explica que, na época da construção da ciclovia, foi feita uma consulta na prefeitura para saber se seria preciso ou não trocar os relógios do local. “Há 15 dias trocamos os antigos pelos mais modernos, e aí as pessoas começaram a reclamar”, contou.

Relembre o caso

De acordo com o ciclista e um dos responsáveis pela Fan Page Massa Crítica Fortaleza, Fernando Lucas Lisboa, a ciclovia da Bezerra Menezes já foi construída com os relógios lá, mas antes eram mais estreitos e não atrapalhavam tanto.

“A ciclovia foi feita em 2009 e os relógios foram implantados em 1999. Isto é, a prefeitura não se preocupou nem em tirar os relógios do meio para construir a ciclovia. Mas recentemente eles trocaram os antigos e colocaram relógios mais modernos, que são bem maiores e agora tomam mais espaço”, disse.

Ciclistas enfrentam problemas

Além dos relógios digitais, Fernando Lucas afirma que o lixo, os pedestres que usam o espaço para fazer caminhadas, faixas de propagandas de festas também são problemas que atrapalham os ciclistas que utilizam a via central.