Vereadores debatem sobre projeto de lei para mundaça do nome de ruas em Fortaleza


Vereadores debatem sobre projeto de lei para mudança do nome de ruas em Fortaleza

Em sessão na Câmara Municipal de Fortaleza, foi solicitada, nessa quarta-feira (6), a instalação de uma Comissão Especial para regularmente a mudança de nomes de ruas em Fortaleza. A alerta para o problema tem relação direta com a revogação do decreto legislativo n° 426/10, que denominou de Rua Maestro Mozart Brandão uma rua no bairro de Fátima, antes denominada de Martinho Rodrigues.

Por Jackson Cruz em Fortaleza

6 de junho de 2012 às 18:12

Há 7 anos

Em sessão realizada na Câmara Municipal de Fortaleza nesta quarta-feira (6), foi solicitada a instalação de uma Comissão Especial para regularmentarmudanças de nomes de ruas na Capital. O alerta para o problema tem relação direta com a revogação do decreto legislativo n° 426/10, que denominou de Rua Maestro Mozart Brandão uma rua no bairro de Fátima, antes denominada de Martinho Rodrigues.

Divergências

Na Câmara, os vereados divergem. A vereadora Eliana Gomes (PCdoB) acredita que a mudança de nomes de ruas em Fortaleza influencia na cidadania. Ela relatou que uma senhora lhe contou da dificuldade de saber pronunciar o nome da rua onde mora por esta ter um nome estrangeiro.

Luciram Girão (PSL) disse ser contra a mudança dos nomes atuais dos logradouros. Segundo ele, mesmo que haja a mudança, o nome antigo prevalecerá na memória dos moradores. “Todo mundo conhece a avenida da Universidade. Se mudar o nome da via, vai continuar sendo conhecida como avenida da Universidade.” Para ele, a denominação de vias com nomes de cidadãos ilustres deve se destinar a novos logradouros, e não em substituição aos já existentes.

Início

O motivo da tramitação do projeto teria partido de uma reclamação dos moradores do bairro de Fátima. Eles afirmam que, no mês de maio, a rua Martinho Rodrigues teve o nome alterado para Maestro Mozart Brandão. As reclamações aconteceram por conta da falta de aviso à vizinhança, o que gerou uma dificuldade da localização do endereço por parte de entregadores, dentre outros afetados.

Publicidade

Dê sua opinião

Vereadores debatem sobre projeto de lei para mudança do nome de ruas em Fortaleza

Em sessão na Câmara Municipal de Fortaleza, foi solicitada, nessa quarta-feira (6), a instalação de uma Comissão Especial para regularmente a mudança de nomes de ruas em Fortaleza. A alerta para o problema tem relação direta com a revogação do decreto legislativo n° 426/10, que denominou de Rua Maestro Mozart Brandão uma rua no bairro de Fátima, antes denominada de Martinho Rodrigues.

Por Jackson Cruz em Fortaleza

6 de junho de 2012 às 18:12

Há 7 anos

Em sessão realizada na Câmara Municipal de Fortaleza nesta quarta-feira (6), foi solicitada a instalação de uma Comissão Especial para regularmentarmudanças de nomes de ruas na Capital. O alerta para o problema tem relação direta com a revogação do decreto legislativo n° 426/10, que denominou de Rua Maestro Mozart Brandão uma rua no bairro de Fátima, antes denominada de Martinho Rodrigues.

Divergências

Na Câmara, os vereados divergem. A vereadora Eliana Gomes (PCdoB) acredita que a mudança de nomes de ruas em Fortaleza influencia na cidadania. Ela relatou que uma senhora lhe contou da dificuldade de saber pronunciar o nome da rua onde mora por esta ter um nome estrangeiro.

Luciram Girão (PSL) disse ser contra a mudança dos nomes atuais dos logradouros. Segundo ele, mesmo que haja a mudança, o nome antigo prevalecerá na memória dos moradores. “Todo mundo conhece a avenida da Universidade. Se mudar o nome da via, vai continuar sendo conhecida como avenida da Universidade.” Para ele, a denominação de vias com nomes de cidadãos ilustres deve se destinar a novos logradouros, e não em substituição aos já existentes.

Início

O motivo da tramitação do projeto teria partido de uma reclamação dos moradores do bairro de Fátima. Eles afirmam que, no mês de maio, a rua Martinho Rodrigues teve o nome alterado para Maestro Mozart Brandão. As reclamações aconteceram por conta da falta de aviso à vizinhança, o que gerou uma dificuldade da localização do endereço por parte de entregadores, dentre outros afetados.