Reunião de agentes penitenciários com a Sejus é cancelada - Noticias


Reunião de agentes penitenciários com a Sejus é cancelada

A manhã deste domingo (1º) foi tumultuada na Casa de Privação Provisória de Liberdade, em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza

Por Rodrigo Cavalcante em Polícia

1 de abril de 2012 às 13:12

Há 7 anos

A manhã deste domingo (1º) foi tumultuada na Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) , em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza. Os agentes paralisados se recusaram a fazer a vistoria que possibilita a entrada dos visitantes na cadeia. Os familiares dos detentos quebraram o portão da entrada reivindicando o acesso ao local.

O Batalhão de Choque foi acionado e usou spray de pimenta e bombas de efeito moral contra os visitantes. Segundo a Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), os agentes se manifestaram dentro da CPPL, trancaram as dependências e impediram a saída e a entrada das pessoas.

Reunião

A Sejus iria se reunir com os agentes em greve ainda neste domingo, às 18h30, na sede da Secretaria. O objetivo era discutir as reivindicações da categoria, porém, o Governo do Estado optou por cancelar o encontro.

Reivindicações

De acordo com a presidente do Sindicato dos Agentes e dos Servidores Públicos do Sistema Penitenciário do Ceará (Sindasp/CE), Socorro Marques, o sistema penal do Estado registra uma população carcerária de aproximadamente 17 mil presos em recolhimento para um quadro efetivo de 176 agentes penitenciários por plantões, em todo o Ceará.

Segundo Socorro Marques, os agentes cearenses possuem o 8º pior salário da categoria, no Brasil.

Em nota, a Sejus informa que elaborou, juntamente com a Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (SSPDS), um plano operativo para manter a segurança nos presídios da Região Metropolitana e demais unidades penitenciárias do Ceará.

Leia mais:
Greve dos agentes impulsiona rebelião e tentativa de fuga de presos
Agentes penitenciários cumprem promessa e entram em greve
Presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários é presa durante protesto

Publicidade

Dê sua opinião

Reunião de agentes penitenciários com a Sejus é cancelada

A manhã deste domingo (1º) foi tumultuada na Casa de Privação Provisória de Liberdade, em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza

Por Rodrigo Cavalcante em Polícia

1 de abril de 2012 às 13:12

Há 7 anos

A manhã deste domingo (1º) foi tumultuada na Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) , em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza. Os agentes paralisados se recusaram a fazer a vistoria que possibilita a entrada dos visitantes na cadeia. Os familiares dos detentos quebraram o portão da entrada reivindicando o acesso ao local.

O Batalhão de Choque foi acionado e usou spray de pimenta e bombas de efeito moral contra os visitantes. Segundo a Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), os agentes se manifestaram dentro da CPPL, trancaram as dependências e impediram a saída e a entrada das pessoas.

Reunião

A Sejus iria se reunir com os agentes em greve ainda neste domingo, às 18h30, na sede da Secretaria. O objetivo era discutir as reivindicações da categoria, porém, o Governo do Estado optou por cancelar o encontro.

Reivindicações

De acordo com a presidente do Sindicato dos Agentes e dos Servidores Públicos do Sistema Penitenciário do Ceará (Sindasp/CE), Socorro Marques, o sistema penal do Estado registra uma população carcerária de aproximadamente 17 mil presos em recolhimento para um quadro efetivo de 176 agentes penitenciários por plantões, em todo o Ceará.

Segundo Socorro Marques, os agentes cearenses possuem o 8º pior salário da categoria, no Brasil.

Em nota, a Sejus informa que elaborou, juntamente com a Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (SSPDS), um plano operativo para manter a segurança nos presídios da Região Metropolitana e demais unidades penitenciárias do Ceará.

Leia mais:
Greve dos agentes impulsiona rebelião e tentativa de fuga de presos
Agentes penitenciários cumprem promessa e entram em greve
Presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários é presa durante protesto