Apreensão de 65 kg em 2012: consumo de crack vira questão de saúde pública


Apreensão de 65 kg em 2012: consumo de crack vira questão de saúde pública

O levantamento foi realizado pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS)

Por Jackson Cruz em Polícia

22 de janeiro de 2013 às 17:05

Há 7 anos

A quantidade de crack apreendido em Fortaleza foi de quase 65 quilos somente em 2012, segundo o levantamento realizado pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS). Dentre os meses do ano, junho destaca-se por ter a maior taxa da droga apreendida, num total de 11, 5 quilos. Já o mês de abril teve a menor taxa, com 900 gramas.

De acordo com o titular da Delegacia de Narcóticos (Denarc), Pedro Viana, em Fortaleza, as áreas que são principais focos de tráfico são: Grande Barra do Ceará, Grande Pirambu, Vila Velha, Barroso, Conjunto Palmeiras, Cidade 2000, Grande Messejana, Antônio Bezerra e Bom Jardim.

O delegado acredita que o consumo da droga se deve principalmente ao baixo preço. “Geralmente, uma pedra de crack sai pelo preço de R$ 5, podendo as vezes sair até por R$2. Entretanto, não podemos esquecer que o aumento do seu consumo, do ponto de vista policial, também deve-se ao seu alto poder viciante. Há estudiosos que dizem que uma única ou no máximo duas usadas são suficientes para causar a dependência”, explicou.

Trabalho da polícia

Pedro Viana explicou que o trabalho da Polícia Civil se divide em duas frentes: a) Prevenção: é realizada pela Divisão de Proteção ao Estudante (Dipre), que trabalha com o público estudantil, visando evitar o contato dos jovens com a droga. b) Repressão: é realizada por todas as unidades de polícia judiciária do estado (delegacias distritais, metropolitanas, municipais, regionais e especializadas), pela Delegacia de Narcóticos, que tem combatido o tráfico “no atacado, ou seja, a identificação e apreensão de grandes cargas de drogas e a prisão de seus responsáveis”.

Ele ainda informou que o trabalho da Denarc, em sua maioria, consiste na apuração de denúncias feitas pela população, de denúncias anônimas, que são levadas ao conhecimento da especializada através do telefone (85) 3101-7359 (da própria delegacia), do n.º 155 da Ouvidoria Geral do Estado e do número 181 da teledenúncia. “Há uma investigação preliminar e uma vez verificados indícios do tráfico, são realizadas operações policiais”, pontuou.

“Não podemos ver a situação do crack apenas como uma questão de polícia, pois também se trata de uma questão de saúde pública e uma questão social”, ressaltou.

Coordenadoria sobre drogas

A coordenadora municipal de Políticas sobre Drogas – uma nova coordenadoria criada nesta gestão municipal –, Juliana Sena, afirmou que a proposta do órgão é de ampliar a rede de tratamento e internação. Ela informou que, na gestão passada, o número de vagas conveniadas por um período de 12 meses era de 120, em comunidade terapêuticas de Fortaleza. “A ideia é ampliar esse número”, ressaltou.

Além disso, Juliana também explicou que além da ampliação será realizada uma capacitação dos profissionais dessa área, para melhorar o atendimento. Segundo a coordenadora, também serão ampliados os espaços de acolhimento para população em situação de rua.

“É uma ação em conjunto com a Secretaria de Saúde. Vamos aproveitar a rede já existente e ampliá-la. Já existe um trabalho que vai ser potencializado atendendo as necessidades delas [pessoas em situação de rua] a cerca de questões relacionadas a própria saúde, não só às drogas”, disse.

De acordo com Juliana, a coordenadoria perpassa outras áreas, como esporte, lazer e cultura, fora a saúde. Por isso, foi criado um órgão especial para lidar com a situação das drogas. “Faremos um trabalho de prevenção ao uso de drogas, fortalecimento dos projetos de prevenção nas escolas, um projeto de reinserção social, com oportunidade de profissionalização (…)”, informou.

Confira a tabela com o número de apreensões em cada mês:

Meses de 2012

Quantidade de crack apreendido (quilos)

Janeiro

9.1

Fevereiro

11

Março

4.4

Abril

0.9

Maio

6.6

Junho

11.5

Julho

2.8

Agosto

6

Setembro

2.4

Outubro

3

Novembro

3.5

Dezembro

2.8

Total

64

*Dados da SSPDS

Publicidade

Dê sua opinião

Apreensão de 65 kg em 2012: consumo de crack vira questão de saúde pública

O levantamento foi realizado pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS)

Por Jackson Cruz em Polícia

22 de janeiro de 2013 às 17:05

Há 7 anos

A quantidade de crack apreendido em Fortaleza foi de quase 65 quilos somente em 2012, segundo o levantamento realizado pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS). Dentre os meses do ano, junho destaca-se por ter a maior taxa da droga apreendida, num total de 11, 5 quilos. Já o mês de abril teve a menor taxa, com 900 gramas.

De acordo com o titular da Delegacia de Narcóticos (Denarc), Pedro Viana, em Fortaleza, as áreas que são principais focos de tráfico são: Grande Barra do Ceará, Grande Pirambu, Vila Velha, Barroso, Conjunto Palmeiras, Cidade 2000, Grande Messejana, Antônio Bezerra e Bom Jardim.

O delegado acredita que o consumo da droga se deve principalmente ao baixo preço. “Geralmente, uma pedra de crack sai pelo preço de R$ 5, podendo as vezes sair até por R$2. Entretanto, não podemos esquecer que o aumento do seu consumo, do ponto de vista policial, também deve-se ao seu alto poder viciante. Há estudiosos que dizem que uma única ou no máximo duas usadas são suficientes para causar a dependência”, explicou.

Trabalho da polícia

Pedro Viana explicou que o trabalho da Polícia Civil se divide em duas frentes: a) Prevenção: é realizada pela Divisão de Proteção ao Estudante (Dipre), que trabalha com o público estudantil, visando evitar o contato dos jovens com a droga. b) Repressão: é realizada por todas as unidades de polícia judiciária do estado (delegacias distritais, metropolitanas, municipais, regionais e especializadas), pela Delegacia de Narcóticos, que tem combatido o tráfico “no atacado, ou seja, a identificação e apreensão de grandes cargas de drogas e a prisão de seus responsáveis”.

Ele ainda informou que o trabalho da Denarc, em sua maioria, consiste na apuração de denúncias feitas pela população, de denúncias anônimas, que são levadas ao conhecimento da especializada através do telefone (85) 3101-7359 (da própria delegacia), do n.º 155 da Ouvidoria Geral do Estado e do número 181 da teledenúncia. “Há uma investigação preliminar e uma vez verificados indícios do tráfico, são realizadas operações policiais”, pontuou.

“Não podemos ver a situação do crack apenas como uma questão de polícia, pois também se trata de uma questão de saúde pública e uma questão social”, ressaltou.

Coordenadoria sobre drogas

A coordenadora municipal de Políticas sobre Drogas – uma nova coordenadoria criada nesta gestão municipal –, Juliana Sena, afirmou que a proposta do órgão é de ampliar a rede de tratamento e internação. Ela informou que, na gestão passada, o número de vagas conveniadas por um período de 12 meses era de 120, em comunidade terapêuticas de Fortaleza. “A ideia é ampliar esse número”, ressaltou.

Além disso, Juliana também explicou que além da ampliação será realizada uma capacitação dos profissionais dessa área, para melhorar o atendimento. Segundo a coordenadora, também serão ampliados os espaços de acolhimento para população em situação de rua.

“É uma ação em conjunto com a Secretaria de Saúde. Vamos aproveitar a rede já existente e ampliá-la. Já existe um trabalho que vai ser potencializado atendendo as necessidades delas [pessoas em situação de rua] a cerca de questões relacionadas a própria saúde, não só às drogas”, disse.

De acordo com Juliana, a coordenadoria perpassa outras áreas, como esporte, lazer e cultura, fora a saúde. Por isso, foi criado um órgão especial para lidar com a situação das drogas. “Faremos um trabalho de prevenção ao uso de drogas, fortalecimento dos projetos de prevenção nas escolas, um projeto de reinserção social, com oportunidade de profissionalização (…)”, informou.

Confira a tabela com o número de apreensões em cada mês:

Meses de 2012

Quantidade de crack apreendido (quilos)

Janeiro

9.1

Fevereiro

11

Março

4.4

Abril

0.9

Maio

6.6

Junho

11.5

Julho

2.8

Agosto

6

Setembro

2.4

Outubro

3

Novembro

3.5

Dezembro

2.8

Total

64

*Dados da SSPDS