Cadeia Pública de Cariús é interditada por falta de segurança - Noticias


Cadeia Pública de Cariús é interditada por falta de segurança

A Cadeia Pública de Cariús, a 418km de Fortaleza, foi interditada por questões de segurança. A decisão é do juiz Erick Omar Soares Araújo, titular da Comarca, e foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta terça-feira (20)

Por Tribuna do Ceará em Polícia

20 de setembro de 2011 às 18:41

Há 8 anos

A Cadeia Pública de Cariús, a 418km de Fortaleza, foi interditada por questões de segurança. A decisão é do juiz Erick Omar Soares Araújo, titular da Comarca, e foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta terça-feira (20).

Conforme o documento, a determinação prevalecerá até que os problemas de estrutura física do prédio sejam resolvidos pela Secretaria de Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus). Entre as ações a serem adotadas estão a reforma do edifício ou a construção de nova unidade.

O juiz determinou a remoção dos presos provisórios que cumprem pena no regime fechado para carceragens de Jucás, Saboeiro e Iguatu, mediante autorização dos respectivos juízes. Já os que estão nos regimes semiaberto e aberto, quando recolhidos, devem permanecer na recepção da Cadeia de Cariús, “única dependência do prédio que apresenta algum sinal de segurança”.

O magistrado justificou que o local não dispõe de estrutura hidráulica e sanitária e que, desde 2008, sofre “crescente degradação física com iminente possibilidade de desmoronamento”. Além disso, considerou que, apesar de a Sejus ter informado, em abril deste ano, a disponibilidade de recursos para construir novo prédio, até o momento, nenhuma providência concreta foi tomada.

O juiz considerou ainda que os detentos estão recolhidos em condições de desrespeito à dignidade e que a falta de condições mínimas de salubridade e segurança desrespeita a Constituição. “É dever do Estado efetivar todos os mandamentos constitucionais que resguardam, acima e antes de tudo, os direitos humanos aos que se encontram sob custódia”.

Redação Jangadeiro Online, com informações do TJCE

Publicidade

Dê sua opinião

Cadeia Pública de Cariús é interditada por falta de segurança

A Cadeia Pública de Cariús, a 418km de Fortaleza, foi interditada por questões de segurança. A decisão é do juiz Erick Omar Soares Araújo, titular da Comarca, e foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta terça-feira (20)

Por Tribuna do Ceará em Polícia

20 de setembro de 2011 às 18:41

Há 8 anos

A Cadeia Pública de Cariús, a 418km de Fortaleza, foi interditada por questões de segurança. A decisão é do juiz Erick Omar Soares Araújo, titular da Comarca, e foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta terça-feira (20).

Conforme o documento, a determinação prevalecerá até que os problemas de estrutura física do prédio sejam resolvidos pela Secretaria de Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus). Entre as ações a serem adotadas estão a reforma do edifício ou a construção de nova unidade.

O juiz determinou a remoção dos presos provisórios que cumprem pena no regime fechado para carceragens de Jucás, Saboeiro e Iguatu, mediante autorização dos respectivos juízes. Já os que estão nos regimes semiaberto e aberto, quando recolhidos, devem permanecer na recepção da Cadeia de Cariús, “única dependência do prédio que apresenta algum sinal de segurança”.

O magistrado justificou que o local não dispõe de estrutura hidráulica e sanitária e que, desde 2008, sofre “crescente degradação física com iminente possibilidade de desmoronamento”. Além disso, considerou que, apesar de a Sejus ter informado, em abril deste ano, a disponibilidade de recursos para construir novo prédio, até o momento, nenhuma providência concreta foi tomada.

O juiz considerou ainda que os detentos estão recolhidos em condições de desrespeito à dignidade e que a falta de condições mínimas de salubridade e segurança desrespeita a Constituição. “É dever do Estado efetivar todos os mandamentos constitucionais que resguardam, acima e antes de tudo, os direitos humanos aos que se encontram sob custódia”.

Redação Jangadeiro Online, com informações do TJCE