Policiais militares garantem que não mataram motorista em Redenção - Noticias


Policiais militares garantem que não mataram motorista em Redenção

O capitão e o sargento que foram ao local da ocorrência disseram que apenas deram voz de prisão ao caminhoneiro, por desacato à autoridade. Ele passou mal e morreu quando era levado ao hospital

Por Tribuna do Ceará em Polícia

18 de setembro de 2010 às 14:13

Há 9 anos

O inquérito policial sobre a morte do motorista de caminhão-pipa, Marcelo Rosal Correia, 36, após uma tentativa de imobilização policial, será instaurado na Delegacia Municipal de Redenção.  Na tarde de sexta-feira (17), os policiais militares envolvidos na ação prestaram depoimento na Delegacia Regional de Baturité e negaram responsabilidade na morte. Famliares da vítima acusam os policiais de truculência.

Leia mais:
Expulso da corporação, ex-PM acusado de matar irmãos continua preso no Bpchoque
Caso Bruce: PM do Ronda é indiciado por homicídio duplamente qualificado e lesão corporal

O fato ocorreu na noite de quinta-feira (16), na rua Santa Rita, Centro de Redenção, no Maciço de Baturité. Polícia foi acionada porque o caminhoneiro estava embriagado e tentou agredir a companheira e a enteada. Parentes do trabalhador dizem que os PMs deram um golpe tipo “gravata”, na tentativa de imobilizá-lo.

O comandante de Policiamento do Interior, coronel Araújo Andrade, disse, ao Jangadeiro Online, que os policiais militares, quando chegaram ao local da ocorrência, encontraram Marcelo Correia fora de casa.

Ele estaria calmo, mas ficou revoltado ao ver os pms. “Você chamou esses cachorros pra mim?”, teria perguntado ele à esposa. Devido a isso, o caminhoneiro recebeu voz de prisão, por desacato à autoridade.

Marcelo Correia resistiu à prisão e precisou ser imobilizado, para ser colocado em outra viatura, que não a utilizada pelo capitão e o sargento. No caminho, o motorista passou mal e foi levado ao hospital de Redenção.

Lá, o médico plantonista teria dito que a vítima tinha de ser levada imediatamente a Fortaleza. Próximo a Maracanaú, o trabalhador desmaiou e foi levado ao hospital daquela cidade, onde a equipe médica constatou o óbito.

O coronel Araújo Andrade informou ao Jangadeiro Online que, caso seja constatado que houve crime, o Comando-Geral da PM adotará as medidas legais cabíveis. Segundo ele, tudo leva a crer que o caminhoneiro morreu devido a problemas cardíacos. Uma fonte da Polícia Civil informou, porém, que a morte da vítima foi provocada por asfixia mecânica.

A versão que o comandante do CPI passou ao Jangadeiro Online cofere com as apresentadas pelos policiais militares na Delegacia Regional de Baturité.

O inquérito policial será presidido pelo delegado Delmiro Zamenhoff. A Corregedoria Geral dos Órgãos de Segurança Pública (CGOSP) também acompanha o caso.

Redação Jangadeiro Online

Publicidade

Dê sua opinião

Policiais militares garantem que não mataram motorista em Redenção

O capitão e o sargento que foram ao local da ocorrência disseram que apenas deram voz de prisão ao caminhoneiro, por desacato à autoridade. Ele passou mal e morreu quando era levado ao hospital

Por Tribuna do Ceará em Polícia

18 de setembro de 2010 às 14:13

Há 9 anos

O inquérito policial sobre a morte do motorista de caminhão-pipa, Marcelo Rosal Correia, 36, após uma tentativa de imobilização policial, será instaurado na Delegacia Municipal de Redenção.  Na tarde de sexta-feira (17), os policiais militares envolvidos na ação prestaram depoimento na Delegacia Regional de Baturité e negaram responsabilidade na morte. Famliares da vítima acusam os policiais de truculência.

Leia mais:
Expulso da corporação, ex-PM acusado de matar irmãos continua preso no Bpchoque
Caso Bruce: PM do Ronda é indiciado por homicídio duplamente qualificado e lesão corporal

O fato ocorreu na noite de quinta-feira (16), na rua Santa Rita, Centro de Redenção, no Maciço de Baturité. Polícia foi acionada porque o caminhoneiro estava embriagado e tentou agredir a companheira e a enteada. Parentes do trabalhador dizem que os PMs deram um golpe tipo “gravata”, na tentativa de imobilizá-lo.

O comandante de Policiamento do Interior, coronel Araújo Andrade, disse, ao Jangadeiro Online, que os policiais militares, quando chegaram ao local da ocorrência, encontraram Marcelo Correia fora de casa.

Ele estaria calmo, mas ficou revoltado ao ver os pms. “Você chamou esses cachorros pra mim?”, teria perguntado ele à esposa. Devido a isso, o caminhoneiro recebeu voz de prisão, por desacato à autoridade.

Marcelo Correia resistiu à prisão e precisou ser imobilizado, para ser colocado em outra viatura, que não a utilizada pelo capitão e o sargento. No caminho, o motorista passou mal e foi levado ao hospital de Redenção.

Lá, o médico plantonista teria dito que a vítima tinha de ser levada imediatamente a Fortaleza. Próximo a Maracanaú, o trabalhador desmaiou e foi levado ao hospital daquela cidade, onde a equipe médica constatou o óbito.

O coronel Araújo Andrade informou ao Jangadeiro Online que, caso seja constatado que houve crime, o Comando-Geral da PM adotará as medidas legais cabíveis. Segundo ele, tudo leva a crer que o caminhoneiro morreu devido a problemas cardíacos. Uma fonte da Polícia Civil informou, porém, que a morte da vítima foi provocada por asfixia mecânica.

A versão que o comandante do CPI passou ao Jangadeiro Online cofere com as apresentadas pelos policiais militares na Delegacia Regional de Baturité.

O inquérito policial será presidido pelo delegado Delmiro Zamenhoff. A Corregedoria Geral dos Órgãos de Segurança Pública (CGOSP) também acompanha o caso.

Redação Jangadeiro Online