Suspensão de visitas gera princípio de rebelião nas CPPLs II e III em Itaitinga - Noticias


Suspensão de visitas gera princípio de rebelião nas CPPLs II e III em Itaitinga

Ao todo, seis presos foram baleados e levados ao Instituto Dr. José Frota (IJF). Dois deles já foram liberados e outros quatro continuam no hospital, onde dois terão de passar por procedimento cirúrgico, por conta de fraturas expostas

Por Tribuna do Ceará em Polícia

3 de abril de 2011 às 10:21

Há 8 anos

Detentos da Vivência e da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II), em Itaitinga, iniciaram um motim, na manhã deste domingo (03), em protesto contra a suspensão das visitas. Ao todo, seis presos ficaram feridos e foram levados ao Instituto Dr. José Frota (IJF). Na CPPL III, também naquela cidade, houve problema semelhante.

Leia mais:
CPPL I vive clima de insegurança após transferência de 26 prisioneiros

A determinação da suspensão das visitas foi da direção do presídio como punição disciplinar. Em reação, os presos tentaram inciar a rebelião, que logo foi contida, segundo informações do comando da 2ª Companhia de Policiamento Guardas (CPG), responsável pela segurança externa das unidades prisionais.

Logo que soube do princípio do motim, o titular da Coordenadoria do Sistema Penitenciário (Cosipe), Bento Laurindo, foi à CPPL II, onde fez uma avaliação da situação e, em seguida, conversou com os jornalistas. Ele contou que os detentos estavam destruindo tudo dentro da Vivência.

Tropas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) e do Canil foram ao presídio. Como os detentos estavam bastante revoltados, os policiais militares tiveram de usar a força. Segundo Bento Laurindo, os PMs atiraram, pois era a única forma de conter a revolta.

Seis presos foram baleados (dois nas pernas e quatros nos pés)  e encaminhados ao IJF. Dois deles já foram liberados, pois foram atingidos apenas de raspão. Dos quatro que ainda estão no hospital, dois estão tomando antibióticos e dois vão precisar de procedimento cirúrgico, por conta de fraturas expostas. Os detentos estão sendo escoltados por policiais do Comando Tático Motorizado (Cotam).

Na CPPL III

Socorro Marques, presidente do Sindicato dos Servidores e Agentes do Sistema Penitenciário (Sindasp), informou ao Jangadeiro Online que também houve princípio de rebelião na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto (CPPL III), localizada também em Itaitinga.

Ela confirmou que, nas duas unidades carcerárias, os problemas foram contornados, com a chegada de reforço da Polícia Militar. Ela não conseguiu saber qual foi o motivo do problema ocorrido na CPPL III, entretanto destacou que, em todas as unidades carcerárias do Estado, principalmente as localizadas na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), os agentes penitenciários não têm as condições de trabalho ideais.

Publicidade

Dê sua opinião

Suspensão de visitas gera princípio de rebelião nas CPPLs II e III em Itaitinga

Ao todo, seis presos foram baleados e levados ao Instituto Dr. José Frota (IJF). Dois deles já foram liberados e outros quatro continuam no hospital, onde dois terão de passar por procedimento cirúrgico, por conta de fraturas expostas

Por Tribuna do Ceará em Polícia

3 de abril de 2011 às 10:21

Há 8 anos

Detentos da Vivência e da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II), em Itaitinga, iniciaram um motim, na manhã deste domingo (03), em protesto contra a suspensão das visitas. Ao todo, seis presos ficaram feridos e foram levados ao Instituto Dr. José Frota (IJF). Na CPPL III, também naquela cidade, houve problema semelhante.

Leia mais:
CPPL I vive clima de insegurança após transferência de 26 prisioneiros

A determinação da suspensão das visitas foi da direção do presídio como punição disciplinar. Em reação, os presos tentaram inciar a rebelião, que logo foi contida, segundo informações do comando da 2ª Companhia de Policiamento Guardas (CPG), responsável pela segurança externa das unidades prisionais.

Logo que soube do princípio do motim, o titular da Coordenadoria do Sistema Penitenciário (Cosipe), Bento Laurindo, foi à CPPL II, onde fez uma avaliação da situação e, em seguida, conversou com os jornalistas. Ele contou que os detentos estavam destruindo tudo dentro da Vivência.

Tropas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) e do Canil foram ao presídio. Como os detentos estavam bastante revoltados, os policiais militares tiveram de usar a força. Segundo Bento Laurindo, os PMs atiraram, pois era a única forma de conter a revolta.

Seis presos foram baleados (dois nas pernas e quatros nos pés)  e encaminhados ao IJF. Dois deles já foram liberados, pois foram atingidos apenas de raspão. Dos quatro que ainda estão no hospital, dois estão tomando antibióticos e dois vão precisar de procedimento cirúrgico, por conta de fraturas expostas. Os detentos estão sendo escoltados por policiais do Comando Tático Motorizado (Cotam).

Na CPPL III

Socorro Marques, presidente do Sindicato dos Servidores e Agentes do Sistema Penitenciário (Sindasp), informou ao Jangadeiro Online que também houve princípio de rebelião na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto (CPPL III), localizada também em Itaitinga.

Ela confirmou que, nas duas unidades carcerárias, os problemas foram contornados, com a chegada de reforço da Polícia Militar. Ela não conseguiu saber qual foi o motivo do problema ocorrido na CPPL III, entretanto destacou que, em todas as unidades carcerárias do Estado, principalmente as localizadas na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), os agentes penitenciários não têm as condições de trabalho ideais.