Aliado de Bolsonaro, Capitão Wagner reclama que Governo está "batendo cabeça" em questões sérias

VAI E VOLTA

Aliado de Bolsonaro, Capitão Wagner reclama que Governo está “batendo cabeça” em questões sérias

O deputado cearense mostrou insatisfação ao ser chamado de mentiroso pela líder do Governo Bolsonaro na Câmara, após o vai e volta desta terça sobre os cortes na educação

Por Tribuna do Ceará em Política

15 de maio de 2019 às 17:54

Há 1 mês
O telefonema ocorreu durante uma reunião cerca de 12 parlamentares presentes (FOTO: Acervo Câmara dos Deputados)

O telefonema ocorreu durante uma reunião cerca de 12 parlamentares presentes (FOTO: Acervo Câmara dos Deputados)

O deputado federal Capitão Wagner (Pros) afirma que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) ligou para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, cancelando o contingenciamento em 30% das verbas discricionárias do ensino superior no país. A revelação foi feita em discurso na Câmara Federal nesta terça-feira (14).

Além disso, o deputado cearense demonstrou insatisfação com o discurso da líder do governo, a deputado federal Joice Hasselmann (PSL-SP), que denominava de “boato barato” as informações sobre a decisão governista de voltar atrás sobre o cancelamento.

Capitão Wagner informa que foi convidado pelo líder do governo para ir até o Palácio do Planalto tratar da Medida Provisória 870 e dos cortes na educação, e que ficou surpreso com o vai e volta das horas seguintes.

“Me surpreendi com a notícia tuitada pela líder do governo no Congresso dizendo: ‘Atenção! O ministro da Educação, Abraham Weintraub, com quem estou agora, garante que o contingenciamento nas universidades permanece. Informação confirmada pela Casa Civil e pelo ministro Paulo Guedes. Governo Jair Bolsonaro sabe o que faz, o resto é boato barato”.

O deputado cearense, componente da base governista, demonstrou insatisfação com a fala de Joice, e afirmou que mais uma vez o governo demonstra que está “batendo cabeça”.

“Quem criou o boato foi o governo, que voltou atrás e depois voltou atrás de novo. Eu não admito ser chamado de mentiroso, espero que os demais parlamentares que estavam na reunião possam indagar ao ministro da Educação se ele recebeu uma ligação telefônica do presidente. Ou o ministro está mentindo ou o presidente não ligou para ele”, defende.

Capitão Wagner disse que vários parlamentares estavam na reunião e presenciaram o telefonema. “Se há boato barato, quem criou foi o governo e eu não vou admitir, sendo aliado do governo, ser chamado lá no Palácio do Planalto para tratar de uma questão séria e presenciar o presidente da República ligar para um ministro, na presença de vários lideres partidários, confirmando que o corte estava suspenso”.

Líderes do Pros, PV, Podemos, PSL e líder do governo estavam no local, segundo o Capitão. “Se o governo não sustenta o que o presidente falou na frente de 12 parlamentares, não sou eu que vou estar por mentiroso. Eu disse para o presidente Bolsonaro que votei nele e que iria ajudar o governo a acertar, mas desse jeito eles estão demonstrando mais uma vez que estão batendo cabeça”.

Capitão Wagner questiona o motivo do vai e volta. “Será que o presidente forjou a ligação na nossa frente? Tenho certeza que não. Então, que o governo possa se pronunciar e ter peito para dizer ‘estou cortando mesmo e pronto’ e não fazer o que foi feito nessa reunião, onde foi ligado para o ministro da Educação na presença de vários parlamentares”.

O deputado cobra que o presidente deve tomar uma decisão. “Estão batendo cabeça. O PSL, a família do presidente, esse guru dos EUA, que fica atrapalhando. Ou o presidente assume a liderança da nação ou de fato vamos ter um problema grave de falta de condução desse país, que fique registrado, se o boato ocorreu é do governo e não meu”.

Publicidade

Dê sua opinião

VAI E VOLTA

Aliado de Bolsonaro, Capitão Wagner reclama que Governo está “batendo cabeça” em questões sérias

O deputado cearense mostrou insatisfação ao ser chamado de mentiroso pela líder do Governo Bolsonaro na Câmara, após o vai e volta desta terça sobre os cortes na educação

Por Tribuna do Ceará em Política

15 de maio de 2019 às 17:54

Há 1 mês
O telefonema ocorreu durante uma reunião cerca de 12 parlamentares presentes (FOTO: Acervo Câmara dos Deputados)

O telefonema ocorreu durante uma reunião cerca de 12 parlamentares presentes (FOTO: Acervo Câmara dos Deputados)

O deputado federal Capitão Wagner (Pros) afirma que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) ligou para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, cancelando o contingenciamento em 30% das verbas discricionárias do ensino superior no país. A revelação foi feita em discurso na Câmara Federal nesta terça-feira (14).

Além disso, o deputado cearense demonstrou insatisfação com o discurso da líder do governo, a deputado federal Joice Hasselmann (PSL-SP), que denominava de “boato barato” as informações sobre a decisão governista de voltar atrás sobre o cancelamento.

Capitão Wagner informa que foi convidado pelo líder do governo para ir até o Palácio do Planalto tratar da Medida Provisória 870 e dos cortes na educação, e que ficou surpreso com o vai e volta das horas seguintes.

“Me surpreendi com a notícia tuitada pela líder do governo no Congresso dizendo: ‘Atenção! O ministro da Educação, Abraham Weintraub, com quem estou agora, garante que o contingenciamento nas universidades permanece. Informação confirmada pela Casa Civil e pelo ministro Paulo Guedes. Governo Jair Bolsonaro sabe o que faz, o resto é boato barato”.

O deputado cearense, componente da base governista, demonstrou insatisfação com a fala de Joice, e afirmou que mais uma vez o governo demonstra que está “batendo cabeça”.

“Quem criou o boato foi o governo, que voltou atrás e depois voltou atrás de novo. Eu não admito ser chamado de mentiroso, espero que os demais parlamentares que estavam na reunião possam indagar ao ministro da Educação se ele recebeu uma ligação telefônica do presidente. Ou o ministro está mentindo ou o presidente não ligou para ele”, defende.

Capitão Wagner disse que vários parlamentares estavam na reunião e presenciaram o telefonema. “Se há boato barato, quem criou foi o governo e eu não vou admitir, sendo aliado do governo, ser chamado lá no Palácio do Planalto para tratar de uma questão séria e presenciar o presidente da República ligar para um ministro, na presença de vários lideres partidários, confirmando que o corte estava suspenso”.

Líderes do Pros, PV, Podemos, PSL e líder do governo estavam no local, segundo o Capitão. “Se o governo não sustenta o que o presidente falou na frente de 12 parlamentares, não sou eu que vou estar por mentiroso. Eu disse para o presidente Bolsonaro que votei nele e que iria ajudar o governo a acertar, mas desse jeito eles estão demonstrando mais uma vez que estão batendo cabeça”.

Capitão Wagner questiona o motivo do vai e volta. “Será que o presidente forjou a ligação na nossa frente? Tenho certeza que não. Então, que o governo possa se pronunciar e ter peito para dizer ‘estou cortando mesmo e pronto’ e não fazer o que foi feito nessa reunião, onde foi ligado para o ministro da Educação na presença de vários parlamentares”.

O deputado cobra que o presidente deve tomar uma decisão. “Estão batendo cabeça. O PSL, a família do presidente, esse guru dos EUA, que fica atrapalhando. Ou o presidente assume a liderança da nação ou de fato vamos ter um problema grave de falta de condução desse país, que fique registrado, se o boato ocorreu é do governo e não meu”.