Cid Gomes anuncia que vai tirar licença do cargo para se dedicar à campanha de Camilo


Cid Gomes anuncia que vai tirar licença do cargo para se dedicar à campanha de Camilo

Presidente do Tribunal de Justiça do Ceará deve assumir o Governo do Estado, já que o presidente da Assembleia Legislativa é candidato, e se tornaria inelegível

Por Pedro Alves em Política

22 de setembro de 2014 às 18:14

Há 5 anos
Cid Gomes ao lado de seu candidato, Camilo Santana (PT)

Cid Gomes ao lado de seu candidato, Camilo Santana (PT)

O governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), vai se licenciar do cargo para entrar na campanha de Camilo Santana (PT), candidato ao Palácio da Abolição. O anúncio foi feito por Cid, durante entrega de viaturas da polícia, nesta segunda-feira (22), no Centro de Eventos do Ceará. Segundo a assessoria de imprensa de Cid, ainda não há definição da data em que terá início a licença, nem o período de duração do afastamento do governador.

Enquanto Cid estiver afastado das funções, o estado deve ter como governador o presidente do Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE), desembargador Luiz Gerardo de Pontes Brígido. Como o estado do Ceará não tem vice-governador, devido à renúncia de Domingos Filho, o primeiro sucessor seria o presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Albuquerque (Pros).

Mas Albuquerque é candidato a deputado estadual, e não pode exercer a função de governador, sob pena se tornar inelegível. A decisão do governador acontece após revelação de que a campanha de Camilo está em ritmo mais lento de crescimento, em relção às fases iniciais da campanha eleitoral.

O petista tem 34% das intenções de voto, contra 41% do principal adversário, Eunício Oliveira (PMDB). Os números são do instituto Datafolha, na terceira rodada de pesquisa, divulgada neste fim de semana. Entre a primeira e a segunda pesquisa, Camilo havia crescido 14 pontos percentuais. Faltando cerca de duas semanas para o dia da eleição, entre a segunda e a terceira pesquisa, o petista cresceu três pontos. O objetivo do governador, portanto, seria dedicar mais atempo do seu dia à campanha de seu candidato.

Além de reduzida velocidade de crescimento de Camilo, o Instituto Datafolha detectou ainda que o candidato a senador apoiado por Cid, Mauro Filho (Pros), não está crescendo. No último levantamento, Mauro oscilou negativamente, saindo de 20% no dia 1º de setembro, para 19% no recente levantamento. Enquanto isso, o candidato adversário, Tasso Jereissati (PSDB), cresceu quatro pontos percentuais, saindo de 54% (em 1º/09) para 58% na pesquisa mais recente.

Histórico

Em 2012, Cid também se licenciou do cargo de governador para entrar em campanha. Ele saiu para reforçar a campanha de Roberto Cláudio (à época, no PSB, hoje no Pros) para Prefeito de Fortaleza. A decisão ocorreu no segundo turno das eleições, faltando poucos dias para o dia da votação, em cenário de empate técnico de RC com o então candidato Elmano e Freitas (PT).

Publicidade

Dê sua opinião

Cid Gomes anuncia que vai tirar licença do cargo para se dedicar à campanha de Camilo

Presidente do Tribunal de Justiça do Ceará deve assumir o Governo do Estado, já que o presidente da Assembleia Legislativa é candidato, e se tornaria inelegível

Por Pedro Alves em Política

22 de setembro de 2014 às 18:14

Há 5 anos
Cid Gomes ao lado de seu candidato, Camilo Santana (PT)

Cid Gomes ao lado de seu candidato, Camilo Santana (PT)

O governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), vai se licenciar do cargo para entrar na campanha de Camilo Santana (PT), candidato ao Palácio da Abolição. O anúncio foi feito por Cid, durante entrega de viaturas da polícia, nesta segunda-feira (22), no Centro de Eventos do Ceará. Segundo a assessoria de imprensa de Cid, ainda não há definição da data em que terá início a licença, nem o período de duração do afastamento do governador.

Enquanto Cid estiver afastado das funções, o estado deve ter como governador o presidente do Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE), desembargador Luiz Gerardo de Pontes Brígido. Como o estado do Ceará não tem vice-governador, devido à renúncia de Domingos Filho, o primeiro sucessor seria o presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Albuquerque (Pros).

Mas Albuquerque é candidato a deputado estadual, e não pode exercer a função de governador, sob pena se tornar inelegível. A decisão do governador acontece após revelação de que a campanha de Camilo está em ritmo mais lento de crescimento, em relção às fases iniciais da campanha eleitoral.

O petista tem 34% das intenções de voto, contra 41% do principal adversário, Eunício Oliveira (PMDB). Os números são do instituto Datafolha, na terceira rodada de pesquisa, divulgada neste fim de semana. Entre a primeira e a segunda pesquisa, Camilo havia crescido 14 pontos percentuais. Faltando cerca de duas semanas para o dia da eleição, entre a segunda e a terceira pesquisa, o petista cresceu três pontos. O objetivo do governador, portanto, seria dedicar mais atempo do seu dia à campanha de seu candidato.

Além de reduzida velocidade de crescimento de Camilo, o Instituto Datafolha detectou ainda que o candidato a senador apoiado por Cid, Mauro Filho (Pros), não está crescendo. No último levantamento, Mauro oscilou negativamente, saindo de 20% no dia 1º de setembro, para 19% no recente levantamento. Enquanto isso, o candidato adversário, Tasso Jereissati (PSDB), cresceu quatro pontos percentuais, saindo de 54% (em 1º/09) para 58% na pesquisa mais recente.

Histórico

Em 2012, Cid também se licenciou do cargo de governador para entrar em campanha. Ele saiu para reforçar a campanha de Roberto Cláudio (à época, no PSB, hoje no Pros) para Prefeito de Fortaleza. A decisão ocorreu no segundo turno das eleições, faltando poucos dias para o dia da votação, em cenário de empate técnico de RC com o então candidato Elmano e Freitas (PT).