Corregedor da Câmara pede cassação de mandato de Jaqueline Roriz - Noticias


Corregedor da Câmara pede cassação de mandato de Jaqueline Roriz

O parecer segue agora para o Conselho de Ética e será apensado ao processo que ela já responde

Por Joao Lobo em Política

5 de maio de 2011 às 13:44

Há 8 anos

A Mesa Diretora da Câmara aprovou por unanimidade o parecer do corregedor, Eduardo da Fonte (PP-PE), que pede a cassação do mandato da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) por quebra de decoro parlamentar. Para ele, o vídeo em que a deputada aparece recebendo R$ 50 mil do ex-secretário de Relações Instucionais do Distrito Federal Durval Barbosa é prova suficiente para a punição. “O vídeo fala por si só”, frisou.

O parecer segue agora para o Conselho de Ética e será apensado ao processo que ela já responde.

Eduardo da Fonte disse que analisou também a denúncia de mau uso de verba parlamentar pela deputada. Ela é acusada de usar dinheiro da verba indenizatória para pagar o aluguel de uma sala comercial de seu marido.

Além disso, o parlamentar evitou comentar as declaração do deputado Mauro Lopes (PMDB-MG), que defendeu Jaqueline na reunião de quarta-feira (4) do conselho. Para Lopes, o crime ocorreu antes da eleição de Jaqueline Roriz à Câmara dos Deputados e, por isso, o conselho não teria competência para julgá-la.

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Dê sua opinião

Corregedor da Câmara pede cassação de mandato de Jaqueline Roriz

O parecer segue agora para o Conselho de Ética e será apensado ao processo que ela já responde

Por Joao Lobo em Política

5 de maio de 2011 às 13:44

Há 8 anos

A Mesa Diretora da Câmara aprovou por unanimidade o parecer do corregedor, Eduardo da Fonte (PP-PE), que pede a cassação do mandato da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) por quebra de decoro parlamentar. Para ele, o vídeo em que a deputada aparece recebendo R$ 50 mil do ex-secretário de Relações Instucionais do Distrito Federal Durval Barbosa é prova suficiente para a punição. “O vídeo fala por si só”, frisou.

O parecer segue agora para o Conselho de Ética e será apensado ao processo que ela já responde.

Eduardo da Fonte disse que analisou também a denúncia de mau uso de verba parlamentar pela deputada. Ela é acusada de usar dinheiro da verba indenizatória para pagar o aluguel de uma sala comercial de seu marido.

Além disso, o parlamentar evitou comentar as declaração do deputado Mauro Lopes (PMDB-MG), que defendeu Jaqueline na reunião de quarta-feira (4) do conselho. Para Lopes, o crime ocorreu antes da eleição de Jaqueline Roriz à Câmara dos Deputados e, por isso, o conselho não teria competência para julgá-la.

Fonte: Agência Brasil