Paulo Guedes cita caso dos dólares na cueca em referência a Guimarães durante discussão na Câmara

ÂNIMOS ACIRRADOS

Paulo Guedes cita caso dos dólares na cueca em referência a Guimarães durante discussão na Câmara

O deputado cearense respondeu ao ministro que foi inocentado na Justiça, e Guedes pediu desculpas, após relembrar caso polêmico

Por Tribuna do Ceará em Política

9 de maio de 2019 às 11:24

Há 2 meses
Paulo Guedes pediu desculpas a Guimarães depois de lembrar caso dos dólares na cueca. (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Paulo Guedes pediu desculpas a Guimarães depois de lembrar caso dos dólares na cueca. (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

A audiência pública da comissão especial que discutiu a reforma da Previdência com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na quarta-feira (8), teve ânimos acirrados na reta final. O ministro citou caso dos “dólares na cueca” contra o deputado cearense José Guimarães (PT), que se defendeu , lembrando ter sido inocentado na Justiça.

Nas duas horas finais de audiência, o presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), deixou que todos os parlamentares inscritos fizessem as perguntas com o ministro apenas respondendo ao final da sessão. Em três momentos, houve princípio de confusão.

Um deles foi quando o ministro foi questionado pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) sobre supostos envolvimentos em casos de fraudes em fundos de pensão, conforme havia pesquisado no Google. Na resposta, ele fez referência a escândalo envolvendo o deputado cearense.

“Estou sendo ameaçado de crime de responsabilidade, estão entrando no Google para pegar coisas minhas, mas estou compreendendo mais como funciona a Casa. Respondendo ao deputado José Guimarães, se eu ‘googlar’ dinheiro na cueca também vai aparecer coisas, né?”, disse o ministro.

Ele se referiu à prisão do assessor de Guimarães, José Adalberto Vieira da Silva, que, em julho de 2005, foi preso pela Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com uma mala com R$ 209 mil e mais US$ 100 mil escondidos na cueca quando embarcava para Fortaleza.

Ao retornar à comissão, o deputado, que tinha ido ao Plenário da Câmara, tomou a palavra e lembrou que foi inocentado pela Justiça. “Eu sempre mantive com meus pares uma postura de muito respeito. Aliás, nem citei as vossas investigações e vossa excelência. Isso não pega bem para o ministro de Estado”, retrucou Guimarães. Ele disse ainda ser um dos poucos parlamentares que não tem processo no Supremo Tribunal Federal (STF).

Guedes pediu desculpas por tê-lo citado. “Eu faço questão de publicamente pedir desculpas ao deputado, por uma razão muito simples: eu acho que quem respeita merece ser respeitado. O senhor realmente não me desrespeitou”, respondeu o ministro.

A primeira audiência pública da comissão especial que discute o mérito da reforma da Previdência durou pouco mais de oito horas e ouviu, além do ministro Paulo Guedes, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Ao todo, a comissão terá 11 sessões para promover audiências públicas com cerca de 60 convidados.

Publicidade

Dê sua opinião

ÂNIMOS ACIRRADOS

Paulo Guedes cita caso dos dólares na cueca em referência a Guimarães durante discussão na Câmara

O deputado cearense respondeu ao ministro que foi inocentado na Justiça, e Guedes pediu desculpas, após relembrar caso polêmico

Por Tribuna do Ceará em Política

9 de maio de 2019 às 11:24

Há 2 meses
Paulo Guedes pediu desculpas a Guimarães depois de lembrar caso dos dólares na cueca. (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Paulo Guedes pediu desculpas a Guimarães depois de lembrar caso dos dólares na cueca. (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

A audiência pública da comissão especial que discutiu a reforma da Previdência com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na quarta-feira (8), teve ânimos acirrados na reta final. O ministro citou caso dos “dólares na cueca” contra o deputado cearense José Guimarães (PT), que se defendeu , lembrando ter sido inocentado na Justiça.

Nas duas horas finais de audiência, o presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), deixou que todos os parlamentares inscritos fizessem as perguntas com o ministro apenas respondendo ao final da sessão. Em três momentos, houve princípio de confusão.

Um deles foi quando o ministro foi questionado pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) sobre supostos envolvimentos em casos de fraudes em fundos de pensão, conforme havia pesquisado no Google. Na resposta, ele fez referência a escândalo envolvendo o deputado cearense.

“Estou sendo ameaçado de crime de responsabilidade, estão entrando no Google para pegar coisas minhas, mas estou compreendendo mais como funciona a Casa. Respondendo ao deputado José Guimarães, se eu ‘googlar’ dinheiro na cueca também vai aparecer coisas, né?”, disse o ministro.

Ele se referiu à prisão do assessor de Guimarães, José Adalberto Vieira da Silva, que, em julho de 2005, foi preso pela Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com uma mala com R$ 209 mil e mais US$ 100 mil escondidos na cueca quando embarcava para Fortaleza.

Ao retornar à comissão, o deputado, que tinha ido ao Plenário da Câmara, tomou a palavra e lembrou que foi inocentado pela Justiça. “Eu sempre mantive com meus pares uma postura de muito respeito. Aliás, nem citei as vossas investigações e vossa excelência. Isso não pega bem para o ministro de Estado”, retrucou Guimarães. Ele disse ainda ser um dos poucos parlamentares que não tem processo no Supremo Tribunal Federal (STF).

Guedes pediu desculpas por tê-lo citado. “Eu faço questão de publicamente pedir desculpas ao deputado, por uma razão muito simples: eu acho que quem respeita merece ser respeitado. O senhor realmente não me desrespeitou”, respondeu o ministro.

A primeira audiência pública da comissão especial que discute o mérito da reforma da Previdência durou pouco mais de oito horas e ouviu, além do ministro Paulo Guedes, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Ao todo, a comissão terá 11 sessões para promover audiências públicas com cerca de 60 convidados.