PCdoB aposta em negociação federal para emplacar Inácio


PCdoB aposta em negociação federal para emplacar Inácio

O partido anuncia “novidades” para os próximos dias. A disputa é contra o PT, que também almeja a indicação de senador na chapa majoritária de Cid Gomes

Por Pedro Alves em Política

26 de maio de 2014 às 22:06

Há 5 anos
Inácio Arruda, do PCdoB

Inácio Arruda completa 8 anos no Senado e deseja reeleição

São muitas as vozes que se pronunciam no debate sobre a conjuntura eleitoral do Ceará, mas o senador Inácio Arruda (PCdoB) não tem participado da exposição midiática que o assunto proporciona. Diante das indefinições, e com tantos jogos e pressões acontecendo a nível estadual, o pleito do senador do PCdoB, que deseja a reeleição, vai depender de articulações feitas pela cúpula nacional do partido. No meio do caminho, a pedra que existe é o PT.

O deputado federal José Guimarães, atual cacique petista no estado, também se posiciona pela vaga de senador, e se mostra um obstáculo para o pleito do partido comunista. Mas, como o cenário é de indefinições, ainda não é possível apontar um desfecho seguro para o jogo político. Na entrevista concedida à rádio Tribuna Band News, veiculada nesta segunda-feira (26/05) o presidente estadual do PCdoB, Luis Carlos Paes, fala sobre as articulações nacionais que acontecem a favor de Inácio Arruda e analisa o cenário político:

Tribuna Band News – De que forma uma articulação nacional pode resultar na indicação do Inácio Arruda para a vaga de senador, na chapa do governador Cid Gomes?

Luis Carlos Paes – Quem hoje faz essa discussão a nível nacional, em nome do partido, é o nosso presidente, Renato Rabelo, junto com a vice-presidente, a deputada Luciana Santos, que é de Pernambuco, e também a líder do partido na Câmara dos Deputados, a Jandira Feghale, do Rio de Janeiro. Esses companheiros tem tido algumas reuniões com o Lula, com a direção nacional do Partido dos Trabalhadores e essa discussão está evoluindo. Acredito que nos próximos 15 ou 20 dias teremos novidades nessa questão. [ …] Hoje o PT tem os governos do Rio Grande do Sul e do Acre, seus candidatos vão disputar reeleição, o PCdoB apoia e estamos, naturalmente, reivindicando o senado. Atualmente, todas essas candidaturas nos planos estaduais, as candidaturas majoritárias, passam também por um entendimento nacional.

TBN – E se essa articulação não funcionar, que rumo será tomado?

Luis arlos Paes – Caso não dê certo, nós vamos ver quais seriam as outras alternativas.

TBN – Aceita vice?

Luis Carlos Paes – Vamos que ter que fazer uma análise. Não fizemos ainda uma discussão sobre isso até por que essa questão, para nós, hoje, não está colocada.

TBN – Esse possível rompimento, que está para se consolidar, entre o Eunício e o Cid, ao meu ver, favorece o pleito do PCdoB, cria uma cenário mais favorável. O senhor concorda?

Luis Carlos Paes – Nós sempre defendemos a união de todas essas forças que compõe a base do governo federal e do governo estadual, mas a preço de hoje, é muito provável que a gente tenha essas duas candidaturas e que esse rompimento venha a se consolidar. Obviamente, como o PMDB é um dos principais partidos da base aliada, o lançamento dessa candidatura, favorece realmente esse pleito do PCdoB, apesar de não ter sido esse novo objetivo, mas acaba fortalecendo e ajudando esse nosso projeto, com mais facilidade.

Publicidade

Dê sua opinião

PCdoB aposta em negociação federal para emplacar Inácio

O partido anuncia “novidades” para os próximos dias. A disputa é contra o PT, que também almeja a indicação de senador na chapa majoritária de Cid Gomes

Por Pedro Alves em Política

26 de maio de 2014 às 22:06

Há 5 anos
Inácio Arruda, do PCdoB

Inácio Arruda completa 8 anos no Senado e deseja reeleição

São muitas as vozes que se pronunciam no debate sobre a conjuntura eleitoral do Ceará, mas o senador Inácio Arruda (PCdoB) não tem participado da exposição midiática que o assunto proporciona. Diante das indefinições, e com tantos jogos e pressões acontecendo a nível estadual, o pleito do senador do PCdoB, que deseja a reeleição, vai depender de articulações feitas pela cúpula nacional do partido. No meio do caminho, a pedra que existe é o PT.

O deputado federal José Guimarães, atual cacique petista no estado, também se posiciona pela vaga de senador, e se mostra um obstáculo para o pleito do partido comunista. Mas, como o cenário é de indefinições, ainda não é possível apontar um desfecho seguro para o jogo político. Na entrevista concedida à rádio Tribuna Band News, veiculada nesta segunda-feira (26/05) o presidente estadual do PCdoB, Luis Carlos Paes, fala sobre as articulações nacionais que acontecem a favor de Inácio Arruda e analisa o cenário político:

Tribuna Band News – De que forma uma articulação nacional pode resultar na indicação do Inácio Arruda para a vaga de senador, na chapa do governador Cid Gomes?

Luis Carlos Paes – Quem hoje faz essa discussão a nível nacional, em nome do partido, é o nosso presidente, Renato Rabelo, junto com a vice-presidente, a deputada Luciana Santos, que é de Pernambuco, e também a líder do partido na Câmara dos Deputados, a Jandira Feghale, do Rio de Janeiro. Esses companheiros tem tido algumas reuniões com o Lula, com a direção nacional do Partido dos Trabalhadores e essa discussão está evoluindo. Acredito que nos próximos 15 ou 20 dias teremos novidades nessa questão. [ …] Hoje o PT tem os governos do Rio Grande do Sul e do Acre, seus candidatos vão disputar reeleição, o PCdoB apoia e estamos, naturalmente, reivindicando o senado. Atualmente, todas essas candidaturas nos planos estaduais, as candidaturas majoritárias, passam também por um entendimento nacional.

TBN – E se essa articulação não funcionar, que rumo será tomado?

Luis arlos Paes – Caso não dê certo, nós vamos ver quais seriam as outras alternativas.

TBN – Aceita vice?

Luis Carlos Paes – Vamos que ter que fazer uma análise. Não fizemos ainda uma discussão sobre isso até por que essa questão, para nós, hoje, não está colocada.

TBN – Esse possível rompimento, que está para se consolidar, entre o Eunício e o Cid, ao meu ver, favorece o pleito do PCdoB, cria uma cenário mais favorável. O senhor concorda?

Luis Carlos Paes – Nós sempre defendemos a união de todas essas forças que compõe a base do governo federal e do governo estadual, mas a preço de hoje, é muito provável que a gente tenha essas duas candidaturas e que esse rompimento venha a se consolidar. Obviamente, como o PMDB é um dos principais partidos da base aliada, o lançamento dessa candidatura, favorece realmente esse pleito do PCdoB, apesar de não ter sido esse novo objetivo, mas acaba fortalecendo e ajudando esse nosso projeto, com mais facilidade.