Sem espaço ao lado de Cid Gomes, Inácio Arruda pode ser aliado de Eunício Oliveira


Sem espaço ao lado de Cid Gomes, Inácio Arruda pode ser aliado de Eunício Oliveira

Inácio Arruda quer manter aliança com Pros e PT, ocupando a vaga de senador, mas sua situação é indefinida. O diálogo com Eunício Oliveira tem sido “permanente”.

Por Pedro Alves em Política

9 de junho de 2014 às 10:15

Há 5 anos
Inácio Arruda, do PCdoB

Inácio Arruda completa 8 anos no Senado e deseja reeleição

Além do PMDB, outro aliado pode ficar de fora da coligação liderada pelo governador Cid Gomes (Pros) para as eleições de outubro. Ainda sem espaço para emplacar sua candidatura ao Senado, o PCdoB já estreita relações com o pré-candidato Eunício Oliveira – que deve montar aliança própria para a sucessão estadual. Segundo o senador Inácio Arruda, o presidente do partido no Ceará, Luis Carlos Paes, já se reuniu com Eunício. Ainda sem espaço para sua reeleição, e a ameaçado pelo PT, Inácio não descarta um entendimento com Eunício.

“Não há restrição do PCdoB a nenhum aliado nosso no plano nacional. O senador Eunício não tem restrição nenhuma por parte do PCdoB. Nós, com ele, dialogamos permanentemente. E com o governador (Cid) é que nós temos que ter um respeito mínimo nas alianças […]. Nós não temos plano B, o nosso plano é disputar o Senado Federal”, disse Inácio, em entrevista veiculada no jornal Primeira Edição, da rádio Tribuna Band News, nesta segunda-feira (09/06).

Articulações de lideranças nacionais do PCdoB já acontecem para tentar garantir a vaga de Inácio ao lado de Cid e os demais aliados, na campanha que começa após 21 dias. Segundo Luis Carlos Paes, por meio da assessoria de imprensa, estão previstas para esta semana conversas entre o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, com Cid e com o presidente nacional do PT, Rui Falcão.

Neste fim de semana, em São Paulo, durante reunião do Comitê Central do PCdoB, a cúpula do partido ratificou que a candidatura de Inácio integra o projeto nacional da legenda. O obstáculo é a pré-candidatura ao Senado do deputado federal José Guimarães (PT), principal líder petista na atual configuração do partido. Inácio considera “inaceitável” a situação; e cobra a fatura.

“Temos afirmado para o PT nacional e local que é uma coisa meio despropositada ter uma liderança política que contribui e ajuda não só o seu partido, mas sobretudo, o governo do ex-presidente Lula e da presidente Dilma, batalhamos, brigamos, e numa disputa local vão querer nos tirar da disputa? É algo inaceitável”, diz Inácio. O senador do PCdoB ressaltou que, mesmo diante das dificuldades, ainda espera por uma definição que garanta sua candidatura ao Senado na aliança governista. Ele pondera que outra possibilidade, em caso de negativa na aliança governista, é concorrer sozinho, em chapa pura. “Nós já saímos sozinhos uma vez, não seria problema”.

Publicidade

Dê sua opinião

Sem espaço ao lado de Cid Gomes, Inácio Arruda pode ser aliado de Eunício Oliveira

Inácio Arruda quer manter aliança com Pros e PT, ocupando a vaga de senador, mas sua situação é indefinida. O diálogo com Eunício Oliveira tem sido “permanente”.

Por Pedro Alves em Política

9 de junho de 2014 às 10:15

Há 5 anos
Inácio Arruda, do PCdoB

Inácio Arruda completa 8 anos no Senado e deseja reeleição

Além do PMDB, outro aliado pode ficar de fora da coligação liderada pelo governador Cid Gomes (Pros) para as eleições de outubro. Ainda sem espaço para emplacar sua candidatura ao Senado, o PCdoB já estreita relações com o pré-candidato Eunício Oliveira – que deve montar aliança própria para a sucessão estadual. Segundo o senador Inácio Arruda, o presidente do partido no Ceará, Luis Carlos Paes, já se reuniu com Eunício. Ainda sem espaço para sua reeleição, e a ameaçado pelo PT, Inácio não descarta um entendimento com Eunício.

“Não há restrição do PCdoB a nenhum aliado nosso no plano nacional. O senador Eunício não tem restrição nenhuma por parte do PCdoB. Nós, com ele, dialogamos permanentemente. E com o governador (Cid) é que nós temos que ter um respeito mínimo nas alianças […]. Nós não temos plano B, o nosso plano é disputar o Senado Federal”, disse Inácio, em entrevista veiculada no jornal Primeira Edição, da rádio Tribuna Band News, nesta segunda-feira (09/06).

Articulações de lideranças nacionais do PCdoB já acontecem para tentar garantir a vaga de Inácio ao lado de Cid e os demais aliados, na campanha que começa após 21 dias. Segundo Luis Carlos Paes, por meio da assessoria de imprensa, estão previstas para esta semana conversas entre o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, com Cid e com o presidente nacional do PT, Rui Falcão.

Neste fim de semana, em São Paulo, durante reunião do Comitê Central do PCdoB, a cúpula do partido ratificou que a candidatura de Inácio integra o projeto nacional da legenda. O obstáculo é a pré-candidatura ao Senado do deputado federal José Guimarães (PT), principal líder petista na atual configuração do partido. Inácio considera “inaceitável” a situação; e cobra a fatura.

“Temos afirmado para o PT nacional e local que é uma coisa meio despropositada ter uma liderança política que contribui e ajuda não só o seu partido, mas sobretudo, o governo do ex-presidente Lula e da presidente Dilma, batalhamos, brigamos, e numa disputa local vão querer nos tirar da disputa? É algo inaceitável”, diz Inácio. O senador do PCdoB ressaltou que, mesmo diante das dificuldades, ainda espera por uma definição que garanta sua candidatura ao Senado na aliança governista. Ele pondera que outra possibilidade, em caso de negativa na aliança governista, é concorrer sozinho, em chapa pura. “Nós já saímos sozinhos uma vez, não seria problema”.