Acusados de matar comerciante português em Fortaleza pegam 25 e 26 anos de prisão

JUSTIÇA FEITA

Acusados de matar comerciante português em Fortaleza pegam 25 e 26 anos de prisão

O caso aconteceu em outubro de 2016, na loja de informática de Nuno Antônio Portugal, localizado no bairro Montese

Por Daniel Rocha em Segurança Pública

7 de julho de 2017 às 11:28

Há 2 anos

Nuno Antônio Portugal Torres morreu após reagir a um assalto no fim do ano passado (FOTO: Reprodução)

Os acusados pelo latrocínio do comerciante português Nuno Antônio Portugal Torres, em outubro de 2016, foram julgados nesta quinta-feira (6). O casal que anunciou o assalto foi condenado a 25 anos e seis meses, enquanto o mandante a 26 anos de prisão.

A princípio, Wégila da Silva Félix, Jackson Henrique Lopes de Sousa e Diego de Deus Cassimiro irão cumprir a pena em regime fechado. A decisão partiu do juiz Antônio José, titular da 2ª Vara Criminal de Fortaleza.

Segundo o magistrado, os réus foram identificados pelas vítimas que sobreviveram ao latrocínio e por testemunhas de acusação. Além disso, o juiz Antônio explica que os réus Wégila e Jackson afirmaram que Diego indicou o local do assalto para os dois e forneceu um revólver calibre 38.

O caso aconteceu no mês de outubro de 2016 às 16h na loja de informática de Nuno Antônio Portugal, localizado no bairro Montese. Na época, o casal havia entrado em contato com o comerciante pelas redes sociais e, ao chegarem na loja, a dupla pediu para olhar os relógios.

Quando o português foi mostrar os produtos, Jackson apontou para o português anunciando o assalto. Nuno reagiu, mas foi atingido pelos disparos e morreu no local. As câmaras de segurança registraram o momento e a polícia utilizou as imagens para identificar os criminosos.

Publicidade

Dê sua opinião

JUSTIÇA FEITA

Acusados de matar comerciante português em Fortaleza pegam 25 e 26 anos de prisão

O caso aconteceu em outubro de 2016, na loja de informática de Nuno Antônio Portugal, localizado no bairro Montese

Por Daniel Rocha em Segurança Pública

7 de julho de 2017 às 11:28

Há 2 anos

Nuno Antônio Portugal Torres morreu após reagir a um assalto no fim do ano passado (FOTO: Reprodução)

Os acusados pelo latrocínio do comerciante português Nuno Antônio Portugal Torres, em outubro de 2016, foram julgados nesta quinta-feira (6). O casal que anunciou o assalto foi condenado a 25 anos e seis meses, enquanto o mandante a 26 anos de prisão.

A princípio, Wégila da Silva Félix, Jackson Henrique Lopes de Sousa e Diego de Deus Cassimiro irão cumprir a pena em regime fechado. A decisão partiu do juiz Antônio José, titular da 2ª Vara Criminal de Fortaleza.

Segundo o magistrado, os réus foram identificados pelas vítimas que sobreviveram ao latrocínio e por testemunhas de acusação. Além disso, o juiz Antônio explica que os réus Wégila e Jackson afirmaram que Diego indicou o local do assalto para os dois e forneceu um revólver calibre 38.

O caso aconteceu no mês de outubro de 2016 às 16h na loja de informática de Nuno Antônio Portugal, localizado no bairro Montese. Na época, o casal havia entrado em contato com o comerciante pelas redes sociais e, ao chegarem na loja, a dupla pediu para olhar os relógios.

Quando o português foi mostrar os produtos, Jackson apontou para o português anunciando o assalto. Nuno reagiu, mas foi atingido pelos disparos e morreu no local. As câmaras de segurança registraram o momento e a polícia utilizou as imagens para identificar os criminosos.