Dona de bar é suspeita de matar empresário por dívida de câmera de segurança


Dona de bar é suspeita de matar empresário por dívida de câmera de segurança

Homem foi torturado, degolado e teve parte do corpo queimado; suspeita foi autuada em flagrante por latrocínio

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

22 de dezembro de 2015 às 08:10

Há 4 anos
Francilene Carneiro foi capturada em seu bar, localizado no Bairro Caça e Pesca (FOTO: Divulgação/SSPDS)

Francilene Carneiro foi capturada em seu bar, localizado no Bairro Caça e Pesca (FOTO: Divulgação/SSPDS)

Uma mulher foi presa, nesta segunda-feira (21), por policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, suspeita de participar de um crime de morte de um empresário em Fortaleza.

Francisco Rozivan Diogenes Pinto, de 44 anos, foi assassinado no último dia 15, porém seu corpo foi localizado no dia 16. O homem foi torturado, degolado e teve parte do corpo queimado.

Francilene Carneiro Da Silva, de 44 anos, foi capturada em seu bar localizado na Avenida Dioguinho, no Bairro Caça e Pesca, mesmo local onde o crime foi cometido.

De acordo com a delegada Socorro Portela, diretora da DHPP e presidente do inquérito policial que investiga o caso, Francisco Rozivam trabalhava com instalação de câmeras de videomonitoramento e, há cerca de três meses, foi contratado por Francilene para instalar câmeras em seu bar.

No último dia 15, o homem recebeu uma ligação da suspeita pedindo que ele fosse ao seu encontro, pois o equipamento instalado apresentava defeito. A mulher pediu que o homem fosse somente no período da noite.

Quando Francisco chegou ao local, foi atacado por outros dois homens que o assassinaram. Os outros suspeitos são Francisco Julio Liberato de Sousa, de 18 anos, e o paulista Victor Santos de Araújo, de 24 anos, ambos sem antecedentes criminais. A dupla trabalhava no comércio de Francilene.

As investigações apontam, e a presa confessa, que a vítima foi assassinada no bar e teve o corpo jogado na Rua Professor Valdevino, no Bairro Sabiaguaba. O carro utilizado no transporte da vítima, assim como a moto e o capacete foram localizados e apreendidos. A polícia investiga ainda se a suspeita devia a Rozivam.

Francilene, que não possuía antecedentes criminais, foi conduzida à DHPP onde foi autuada em flagrante por latrocínio (roubo seguido de morte) e em depoimento afirmou estar arrependida do crime. A polícia segue as investigações no sentido de capturar os outros dois envolvidos.

Publicidade

Dê sua opinião

Dona de bar é suspeita de matar empresário por dívida de câmera de segurança

Homem foi torturado, degolado e teve parte do corpo queimado; suspeita foi autuada em flagrante por latrocínio

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

22 de dezembro de 2015 às 08:10

Há 4 anos
Francilene Carneiro foi capturada em seu bar, localizado no Bairro Caça e Pesca (FOTO: Divulgação/SSPDS)

Francilene Carneiro foi capturada em seu bar, localizado no Bairro Caça e Pesca (FOTO: Divulgação/SSPDS)

Uma mulher foi presa, nesta segunda-feira (21), por policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, suspeita de participar de um crime de morte de um empresário em Fortaleza.

Francisco Rozivan Diogenes Pinto, de 44 anos, foi assassinado no último dia 15, porém seu corpo foi localizado no dia 16. O homem foi torturado, degolado e teve parte do corpo queimado.

Francilene Carneiro Da Silva, de 44 anos, foi capturada em seu bar localizado na Avenida Dioguinho, no Bairro Caça e Pesca, mesmo local onde o crime foi cometido.

De acordo com a delegada Socorro Portela, diretora da DHPP e presidente do inquérito policial que investiga o caso, Francisco Rozivam trabalhava com instalação de câmeras de videomonitoramento e, há cerca de três meses, foi contratado por Francilene para instalar câmeras em seu bar.

No último dia 15, o homem recebeu uma ligação da suspeita pedindo que ele fosse ao seu encontro, pois o equipamento instalado apresentava defeito. A mulher pediu que o homem fosse somente no período da noite.

Quando Francisco chegou ao local, foi atacado por outros dois homens que o assassinaram. Os outros suspeitos são Francisco Julio Liberato de Sousa, de 18 anos, e o paulista Victor Santos de Araújo, de 24 anos, ambos sem antecedentes criminais. A dupla trabalhava no comércio de Francilene.

As investigações apontam, e a presa confessa, que a vítima foi assassinada no bar e teve o corpo jogado na Rua Professor Valdevino, no Bairro Sabiaguaba. O carro utilizado no transporte da vítima, assim como a moto e o capacete foram localizados e apreendidos. A polícia investiga ainda se a suspeita devia a Rozivam.

Francilene, que não possuía antecedentes criminais, foi conduzida à DHPP onde foi autuada em flagrante por latrocínio (roubo seguido de morte) e em depoimento afirmou estar arrependida do crime. A polícia segue as investigações no sentido de capturar os outros dois envolvidos.