Informações conflitantes de caseiros levaram à conclusão do caso da morte de advogado

EM AQUIRAZ

Informações conflitantes de caseiros levaram à conclusão do caso da morte de advogado

Conforme a polícia, Antônio Rodrigo de Sousa e Maria Ivone assassinaram o advogado Aldrin Coelho Fontenele

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

20 de fevereiro de 2017 às 09:18

Há 2 anos

O caseiro e sua esposa foram encaminhados para a DHPP (FOTO: Reprodução SSPDS)

A Polícia Civil do Ceará prendeu na tarde do último sábado (17) duas pessoas suspeitas de assassinar o advogado Aldrin Helanio Coelho Fontenele, de 57 anos, e que estava desaparecido desta última quinta-feira (15). Conforme a polícia, o advogado foi encontrado morto dentro de um poço de 30 metros de profundidade num sítio de Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a polícia identificou que o caseiro do sítio, identificado como Antônio Rodrigo de Sousa, de 34 anos, e sua esposa, Maria Ivone Nascimento Menezes, de 38 anos, tinham participação no crime após uma série de investigações. 

Após ser interrogado, Antonio confessou que cometeu o crime. Ele informou que Aldrin foi assassinado após uma discussão entre ele e o suspeito. A companheira de Antônio também foi presa, porque, segundo a polícia, ajudou o marido a assassinar e ocultar o cadáver.

“Quando começamos a investigar o fato, já suspeitávamos da participação do caseiro, que passava informações divergentes para os familiares e para a Polícia sobre o desaparecimento de Aldrin, já que ele foi a última pessoa a ter contato com a vítima antes do sumiço”, revelou Rene Andrade, diretor do Departamento de Inteligência da Polícia Civil.

Uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa também foi para o local. Conforme o delegado Leonardo Barreto, diretor da Divisão, foi necessário acionar equipes do Corpo de Bombeiro Militar para auxiliar no resgate do corpo.

“O local em que o cadáver estaria ocultado, apontado pelos infratores, era de difícil acesso, inclusive com risco a integridade física dos bombeiros. Então, foi necessário a utilização de uma retroescavadeira para possibilitar encontrar o corpo”, afirmou Leonardo.

A polícia informou que o caso permanecerá em investigação na Divisão de Homicídios até a conclusão do inquérito policial.

Publicidade

Dê sua opinião

EM AQUIRAZ

Informações conflitantes de caseiros levaram à conclusão do caso da morte de advogado

Conforme a polícia, Antônio Rodrigo de Sousa e Maria Ivone assassinaram o advogado Aldrin Coelho Fontenele

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

20 de fevereiro de 2017 às 09:18

Há 2 anos

O caseiro e sua esposa foram encaminhados para a DHPP (FOTO: Reprodução SSPDS)

A Polícia Civil do Ceará prendeu na tarde do último sábado (17) duas pessoas suspeitas de assassinar o advogado Aldrin Helanio Coelho Fontenele, de 57 anos, e que estava desaparecido desta última quinta-feira (15). Conforme a polícia, o advogado foi encontrado morto dentro de um poço de 30 metros de profundidade num sítio de Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a polícia identificou que o caseiro do sítio, identificado como Antônio Rodrigo de Sousa, de 34 anos, e sua esposa, Maria Ivone Nascimento Menezes, de 38 anos, tinham participação no crime após uma série de investigações. 

Após ser interrogado, Antonio confessou que cometeu o crime. Ele informou que Aldrin foi assassinado após uma discussão entre ele e o suspeito. A companheira de Antônio também foi presa, porque, segundo a polícia, ajudou o marido a assassinar e ocultar o cadáver.

“Quando começamos a investigar o fato, já suspeitávamos da participação do caseiro, que passava informações divergentes para os familiares e para a Polícia sobre o desaparecimento de Aldrin, já que ele foi a última pessoa a ter contato com a vítima antes do sumiço”, revelou Rene Andrade, diretor do Departamento de Inteligência da Polícia Civil.

Uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa também foi para o local. Conforme o delegado Leonardo Barreto, diretor da Divisão, foi necessário acionar equipes do Corpo de Bombeiro Militar para auxiliar no resgate do corpo.

“O local em que o cadáver estaria ocultado, apontado pelos infratores, era de difícil acesso, inclusive com risco a integridade física dos bombeiros. Então, foi necessário a utilização de uma retroescavadeira para possibilitar encontrar o corpo”, afirmou Leonardo.

A polícia informou que o caso permanecerá em investigação na Divisão de Homicídios até a conclusão do inquérito policial.