Polícia prende suspeito de estuprar meninas da mesma família em Fortaleza

VIOLÊNCIA SEXUAL

Polícia prende suspeito de estuprar meninas da mesma família em Fortaleza

Uma das garotas, que foi violentada por 10 anos, agora sofre com depressão e passou a ter “repulsa por homem”

Por Daniel Rocha em Segurança Pública

27 de julho de 2017 às 10:32

Há 2 anos

O suspeito foi encaminhado para sede da Dececa e irá responder por estupro de vulnerável (FOTO: Reprodução/Barra Pesada)

O homem de 58 anos suspeito de violentar sexualmente de 11 jovens da mesma família, quando tinham entre 7 a 10 de idade, foi preso na tarde desta quarta-feira (27), pela Polícia Civil. A investigação e o mandato de prisão preventiva foram realizadas pela Delegacia de Combate a Exploração da Criança e Adolescente (Dececa).

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a prisão preventiva por abuso de vulnerável ocorreu na localidade de Prainha, em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza, na Área Integrada de Segurança (13). Os familiares denunciaram que o homem havia violentado cerca de 11 pessoas, mas a polícia confirmou cinco.

“Com a prisão dele, as investigações permanecerão, e será apurado o cometimento dos atos libidinosos (eróticos), contra um número maior de vítimas”, declarou a delegada Juliana Amaral, responsável pelo caso.

As jovens tinham o convívio familiar com o suspeito e relataram ter sofrido abuso sexual por vários anos. Os familiares fizeram um Boletim de Ocorrência na Dececa e as jovens foram submetidas a exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), quando foi constatado sinais de violência sexual.

Segundo a mãe de uma das vítimas, a sobrinha contou às primas sobre o ocorrido, quando as outras também relataram que foram abusadas. Devido ao trauma, as jovens optaram por descrever por meio de carta os abusos para que as outras (vítimas) pudessem ler.

“Como a primeira adolescente viu que o caso era muito sério, decidiu alertar para a mãe o que havia acontecido”, disse a familiar em entrevista ao programa Barra Pesada na última terça-feira (25).

Outra mãe contou das mudanças comportamentais de sua filha que já tentou suicídio por três vezes devido aos abusos. De acordo com ela, a jovem foi violentada pelo suspeito durante 10 anos. “A gente achava que era uma rebeldia de adolescência. Ela em nenhum momento contou para a gente o que estava acontecendo. Dizia que queria morrer e sempre enfatizava que não era feliz com o seu corpo”, relatou.

Além disso, a jovem também sofreu depressão e havia revelado ter “repulsa por homem”. De acordo com os relatos da vítima para a mãe, o suspeito pedia, no fim do estupro, para a adolescente manter confidencial o ocorrido.

Publicidade

Dê sua opinião

VIOLÊNCIA SEXUAL

Polícia prende suspeito de estuprar meninas da mesma família em Fortaleza

Uma das garotas, que foi violentada por 10 anos, agora sofre com depressão e passou a ter “repulsa por homem”

Por Daniel Rocha em Segurança Pública

27 de julho de 2017 às 10:32

Há 2 anos

O suspeito foi encaminhado para sede da Dececa e irá responder por estupro de vulnerável (FOTO: Reprodução/Barra Pesada)

O homem de 58 anos suspeito de violentar sexualmente de 11 jovens da mesma família, quando tinham entre 7 a 10 de idade, foi preso na tarde desta quarta-feira (27), pela Polícia Civil. A investigação e o mandato de prisão preventiva foram realizadas pela Delegacia de Combate a Exploração da Criança e Adolescente (Dececa).

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a prisão preventiva por abuso de vulnerável ocorreu na localidade de Prainha, em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza, na Área Integrada de Segurança (13). Os familiares denunciaram que o homem havia violentado cerca de 11 pessoas, mas a polícia confirmou cinco.

“Com a prisão dele, as investigações permanecerão, e será apurado o cometimento dos atos libidinosos (eróticos), contra um número maior de vítimas”, declarou a delegada Juliana Amaral, responsável pelo caso.

As jovens tinham o convívio familiar com o suspeito e relataram ter sofrido abuso sexual por vários anos. Os familiares fizeram um Boletim de Ocorrência na Dececa e as jovens foram submetidas a exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), quando foi constatado sinais de violência sexual.

Segundo a mãe de uma das vítimas, a sobrinha contou às primas sobre o ocorrido, quando as outras também relataram que foram abusadas. Devido ao trauma, as jovens optaram por descrever por meio de carta os abusos para que as outras (vítimas) pudessem ler.

“Como a primeira adolescente viu que o caso era muito sério, decidiu alertar para a mãe o que havia acontecido”, disse a familiar em entrevista ao programa Barra Pesada na última terça-feira (25).

Outra mãe contou das mudanças comportamentais de sua filha que já tentou suicídio por três vezes devido aos abusos. De acordo com ela, a jovem foi violentada pelo suspeito durante 10 anos. “A gente achava que era uma rebeldia de adolescência. Ela em nenhum momento contou para a gente o que estava acontecendo. Dizia que queria morrer e sempre enfatizava que não era feliz com o seu corpo”, relatou.

Além disso, a jovem também sofreu depressão e havia revelado ter “repulsa por homem”. De acordo com os relatos da vítima para a mãe, o suspeito pedia, no fim do estupro, para a adolescente manter confidencial o ocorrido.