Danielle Lodetti: "Alimentação na prevenção e tratamento do Alzheimer"

COMER BEM, VIVER MELHOR

Danielle Lodetti: “Alimentação na prevenção e tratamento do Alzheimer”

A alimentação é uma das ferramentas mais importantes, eficientes e acessíveis que existe

Por Tribuna do Ceará em Danielle Lodetti

25 de novembro de 2016 às 14:41

Há 3 anos

Por Danielle Lodetti

Talvez todos vocês já tenham percebido o quanto eu gosto de falar sobre os cuidados com o cérebro. A alimentação é uma das ferramentas mais importantes, eficientes e acessíveis que existe.

Mas de que forma a alimentação pode ajudar a prevenir e tratar este mal que, até 2030, será uma das três principais causas de invalidez e limitações na população?

Hoje sabemos que vários fatores relacionados à alimentação aumentam o risco de Alzheimer. São os seguintes:

– Sobrepeso e obesidade;
– Altos níveis de Insulina e Açúcar no Sangue ( tanto por comer açúcar demais quanto por desenvolver Diabetes Tipo2);
– Alto consumo de calorias;
– Baixo consumo de fibras;
– Flora de bactérias intestinais em desequilíbrio;
– Baixo consumo de alimentos ricos em antioxidantes ( frutas, vegetais, especiarias, ervas, chás e alimentos naturais);
– Deficiência de Vitamina D;
– Hipercolesterolemia;
– Doenças inflamatórias;
– Sedentarismo;


– Contaminação do organismo por Alumínio e excesso do de Ferro, Zinco e Cobre;
– Baixo consumo de gorduras tipo Omega 3 ( peixes, linhaça, chia e gorduras boas) e alto consumo de gorduras tipo Omega 6 ( óleo de soja, canola, milho, girassol) e gordura saturada.

Quando há fatores genéticos que predispõem a esta doença, todos estes desequilíbrios da alimentação e estilo de vida podem ser os gatilhos para o início dos sintomas. Por isso, resolver todas estas questões citadas acima, melhorando a alimentação, incluindo os alimentos que estão faltando e excluindo os que fazem mal vai ajudar muito a afastar esta doença tão prevalente na nossa população. Que tal começar hoje? Seu cérebro agradece!

*Danielle Lodetti é nutricionista, especialista em fisiologia do exercício, nutrição estética, bioquímica aplicada à patologia, nutrição molecular e fitoterapia integrativa. Ela é sócia-proprietária da clínica Reviva Nutrição e proprietária da Reviva Sabor & Saúde.

A coluna “Comer bem, Viver melhor” é publicada no Tribuna do Ceará, às sextas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) nas segundas e quartas, às 8h45.

Publicidade

Dê sua opinião

COMER BEM, VIVER MELHOR

Danielle Lodetti: “Alimentação na prevenção e tratamento do Alzheimer”

A alimentação é uma das ferramentas mais importantes, eficientes e acessíveis que existe

Por Tribuna do Ceará em Danielle Lodetti

25 de novembro de 2016 às 14:41

Há 3 anos

Por Danielle Lodetti

Talvez todos vocês já tenham percebido o quanto eu gosto de falar sobre os cuidados com o cérebro. A alimentação é uma das ferramentas mais importantes, eficientes e acessíveis que existe.

Mas de que forma a alimentação pode ajudar a prevenir e tratar este mal que, até 2030, será uma das três principais causas de invalidez e limitações na população?

Hoje sabemos que vários fatores relacionados à alimentação aumentam o risco de Alzheimer. São os seguintes:

– Sobrepeso e obesidade;
– Altos níveis de Insulina e Açúcar no Sangue ( tanto por comer açúcar demais quanto por desenvolver Diabetes Tipo2);
– Alto consumo de calorias;
– Baixo consumo de fibras;
– Flora de bactérias intestinais em desequilíbrio;
– Baixo consumo de alimentos ricos em antioxidantes ( frutas, vegetais, especiarias, ervas, chás e alimentos naturais);
– Deficiência de Vitamina D;
– Hipercolesterolemia;
– Doenças inflamatórias;
– Sedentarismo;


– Contaminação do organismo por Alumínio e excesso do de Ferro, Zinco e Cobre;
– Baixo consumo de gorduras tipo Omega 3 ( peixes, linhaça, chia e gorduras boas) e alto consumo de gorduras tipo Omega 6 ( óleo de soja, canola, milho, girassol) e gordura saturada.

Quando há fatores genéticos que predispõem a esta doença, todos estes desequilíbrios da alimentação e estilo de vida podem ser os gatilhos para o início dos sintomas. Por isso, resolver todas estas questões citadas acima, melhorando a alimentação, incluindo os alimentos que estão faltando e excluindo os que fazem mal vai ajudar muito a afastar esta doença tão prevalente na nossa população. Que tal começar hoje? Seu cérebro agradece!

*Danielle Lodetti é nutricionista, especialista em fisiologia do exercício, nutrição estética, bioquímica aplicada à patologia, nutrição molecular e fitoterapia integrativa. Ela é sócia-proprietária da clínica Reviva Nutrição e proprietária da Reviva Sabor & Saúde.

A coluna “Comer bem, Viver melhor” é publicada no Tribuna do Ceará, às sextas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) nas segundas e quartas, às 8h45.