Rosier Alexandre: Em busca da felicidade

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Em busca da felicidade”

A felicidade existe, porém passa longe da paranoia do consumismo e da escravidão tecnológica a que somos empurrados a todo momento

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

20 de novembro de 2017 às 10:36

Há 2 anos

Este fim de semana, eu e minha esposa fomos a uma praia belíssima e pouco badalada. Além de curtir bastante o litoral cearense com suas dunas branquinhas e águas mornas, durante estes dois dias, vieram algumas reflexões que quero compartilhar com você.

A primeira delas é o problema do “efeito bando”, o fenômeno que arrasta a todos para aqueles lugares mais badalados pela mídia. Além de levar uma sobrecarga de pessoas para o mesmo ambiente e gerar alto impacto ambiental, ainda faz os preços subirem e a qualidade dos serviços caírem.

Eu gosto de estar fora do bando, principalmente na hora que quero novas ideias. Quando alguém tem uma ideia que é compartilhada e imediatamente alguém diz “que ideia boa”, ela deve ser conhecida e possivelmente não traz nada de novo. Mas se alguém disser “isso é coisa de louco”, eu acredito que tem mais chances de trazer algo impactante e especial.

A segunda reflexão é acerca da felicidade, a qual eu considero um estado de espírito que faz o coração disparar com sensações agradáveis e vontade de eternizar aquele momento. Isso parece muito simples e de fato é, mas a nossa mania de tornar complexo até o que é simples é o que complica.

Para alguns, felicidade é fazer tudo que tem vontade, para outros é comprar tudo que veem pela frente. Para outros ainda ela nem existe. Todos estes estão errados, a felicidade existe, porém passa longe da paranoia do consumismo e da escravidão tecnológica a que somos empurrados a todo momento, e mais longe ainda da convulsividade para se mostrar nas redes sociais de uma forma irreal.

A felicidade está em um momento de silêncio, de saber contemplar um pôr do sol, as ondas do mar, um bate papo com um amigo falando do fundo da alma ou de uma caminhada na praia ou quem sabe na montanha.

Por isso, a minha grande paixão pelas montanhas, momentos de imersão na minha própria alma. Não é tão fácil, mas com um pouco de esforço, podemos exercitar isso e fazê-lo sem precisar ir longe, pode ser feito onde você conseguir se concentrar em você mesmo. Este exercício nos abre a mente para pensar no que realmente é importante para nossa vida e ajuda a construir a tão desejada felicidade.

Qual é o verdadeiro patrimônio que você quer deixar para as gerações futuras? Dinheiro jamais comprará uma grama de felicidade, mas a sua alma tranquila pode te trazer isso em abundância.
Pense nisso. Hoje é o dia de ser feliz, amanhã pode ser tarde demais!

Tenha uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Em busca da felicidade”

A felicidade existe, porém passa longe da paranoia do consumismo e da escravidão tecnológica a que somos empurrados a todo momento

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

20 de novembro de 2017 às 10:36

Há 2 anos

Este fim de semana, eu e minha esposa fomos a uma praia belíssima e pouco badalada. Além de curtir bastante o litoral cearense com suas dunas branquinhas e águas mornas, durante estes dois dias, vieram algumas reflexões que quero compartilhar com você.

A primeira delas é o problema do “efeito bando”, o fenômeno que arrasta a todos para aqueles lugares mais badalados pela mídia. Além de levar uma sobrecarga de pessoas para o mesmo ambiente e gerar alto impacto ambiental, ainda faz os preços subirem e a qualidade dos serviços caírem.

Eu gosto de estar fora do bando, principalmente na hora que quero novas ideias. Quando alguém tem uma ideia que é compartilhada e imediatamente alguém diz “que ideia boa”, ela deve ser conhecida e possivelmente não traz nada de novo. Mas se alguém disser “isso é coisa de louco”, eu acredito que tem mais chances de trazer algo impactante e especial.

A segunda reflexão é acerca da felicidade, a qual eu considero um estado de espírito que faz o coração disparar com sensações agradáveis e vontade de eternizar aquele momento. Isso parece muito simples e de fato é, mas a nossa mania de tornar complexo até o que é simples é o que complica.

Para alguns, felicidade é fazer tudo que tem vontade, para outros é comprar tudo que veem pela frente. Para outros ainda ela nem existe. Todos estes estão errados, a felicidade existe, porém passa longe da paranoia do consumismo e da escravidão tecnológica a que somos empurrados a todo momento, e mais longe ainda da convulsividade para se mostrar nas redes sociais de uma forma irreal.

A felicidade está em um momento de silêncio, de saber contemplar um pôr do sol, as ondas do mar, um bate papo com um amigo falando do fundo da alma ou de uma caminhada na praia ou quem sabe na montanha.

Por isso, a minha grande paixão pelas montanhas, momentos de imersão na minha própria alma. Não é tão fácil, mas com um pouco de esforço, podemos exercitar isso e fazê-lo sem precisar ir longe, pode ser feito onde você conseguir se concentrar em você mesmo. Este exercício nos abre a mente para pensar no que realmente é importante para nossa vida e ajuda a construir a tão desejada felicidade.

Qual é o verdadeiro patrimônio que você quer deixar para as gerações futuras? Dinheiro jamais comprará uma grama de felicidade, mas a sua alma tranquila pode te trazer isso em abundância.
Pense nisso. Hoje é o dia de ser feliz, amanhã pode ser tarde demais!

Tenha uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.