Nas facções criminosas, mulheres assumem níveis de hierarquia altos

INVESTIGAÇÃO

Nas facções criminosas, mulheres assumem funções de destaque e níveis altos de hierarquia

Investigações apontam que as mulheres estão presentes desde as articulações das ações até o comando dos grupos

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

13 de julho de 2018 às 07:00

Há 12 meses
Mulheres envolvidas no crime organizado (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Mulheres envolvidas no crime organizado (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

As investigações sobre o crime organizado no Ceará apontam para uma nova realidade. Não é de hoje que as mulheres participam das chamadas facções criminosas, mas agora estão assumindo funções de destaque e níveis de hierarquia mais altos. Desde articulação das ações até o comando desses grupos.

O crescimento das facções na Grande Fortaleza e a rivalidade entre essas organizações tornaram a presença das mulheres ainda mais visível.

No Ceará, as investigações são centralizadas em uma unidade especializada da Polícia Civil, a Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas). Hoje os investigadores conseguem até mesmo traçar um perfil social e econômico das criminosas.

Durante a investigação da Chacina das Cajazeiras, uma mulher foi presa e apontada como fornecedora de munições para a facção criminosa Guardiões do Estado. Ana Karine da Silva Aquino, conhecida como “Nega do Pezão”, foi localizada menos de um mês após o crime, na comunidade Babilônia. Com ela, foram encontradas munições do mesmo calibre que as utilizadas na Chacina das Cajazeiras.

Veja mais detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.

Publicidade

Dê sua opinião

INVESTIGAÇÃO

Nas facções criminosas, mulheres assumem funções de destaque e níveis altos de hierarquia

Investigações apontam que as mulheres estão presentes desde as articulações das ações até o comando dos grupos

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

13 de julho de 2018 às 07:00

Há 12 meses
Mulheres envolvidas no crime organizado (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Mulheres envolvidas no crime organizado (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

As investigações sobre o crime organizado no Ceará apontam para uma nova realidade. Não é de hoje que as mulheres participam das chamadas facções criminosas, mas agora estão assumindo funções de destaque e níveis de hierarquia mais altos. Desde articulação das ações até o comando desses grupos.

O crescimento das facções na Grande Fortaleza e a rivalidade entre essas organizações tornaram a presença das mulheres ainda mais visível.

No Ceará, as investigações são centralizadas em uma unidade especializada da Polícia Civil, a Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas). Hoje os investigadores conseguem até mesmo traçar um perfil social e econômico das criminosas.

Durante a investigação da Chacina das Cajazeiras, uma mulher foi presa e apontada como fornecedora de munições para a facção criminosa Guardiões do Estado. Ana Karine da Silva Aquino, conhecida como “Nega do Pezão”, foi localizada menos de um mês após o crime, na comunidade Babilônia. Com ela, foram encontradas munições do mesmo calibre que as utilizadas na Chacina das Cajazeiras.

Veja mais detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.