Publicidade

Agregando valor

por Rodrigo Goyanna

A desconstrução imagética do Natal no mundo publicitário

Por rodrigogoyanna em branding, Marketing

11 de dezembro de 2019

Mal os pais conseguem respirar das compras efetuadas no Dia das Crianças e os anúncios publicitários já prenunciam a proximidade do Natal, exibindo uma infinidade de brinquedos, roupas, acessórios etc. sendo entregues às pessoas, aparentemente, felizes, numa grande confraternização em família. Essas imagens, cada vez mais comuns nos espaços midiáticos em tal época do ano, vem, gradativamente, descontruindo o conceito original desta tradição milenar.

Mas, antes mesmo de falarmos da desconstrução imagética da celebração natalina, é bom relembrar que o Natal teve início como uma festa pagã, há cerca de 7 mil anos antes do nascimento de Cristo, celebrando o solstício de inverno, a noite mais longa do hemisfério norte, marcando o fim das noites mais longas e o início dos dias mais claros e de um período propício para a colheita. E assim foi, por milhares de anos, até o século 4, quando o cristianismo foi oficializado pelo Imperador Constantino e o Natal tornou-se uma festa cristã voltada para o nascimento de Cristo, como a conhecemos hoje. Todavia, embora a tradição natalina ainda sobreviva, seu significado parece se perder cada vez mais em meio ao bombardeamento imagético publicitário.

“O Natal é um dos períodos do ano mais lucrativos para o comércio e, obviamente, os veículos midiáticos não deixariam de aproveitar tal cenário. Todavia, o que chama a atenção, ultimamente, são as estratégias cada vez mais aprimoradas para ‘encantar’ os consumidores com a ‘magia’ natalina travestida de marketing”, afirma o Prof. Dr. Jack Brandão, renomado pesquisador imagético há mais de 30 anos, com artigos publicados no Brasil e no exterior sobre o poder de influência da imagem na sociedade.

Brandão ressalta como o meio publicitário acaba influenciando, mesmo que inconscientemente, o público midiático ao trabalhar com imagens que mexem com a memória e o emocional de cada um.

“Seja na internet ou na TV, é muito comum assistirmos a vídeos comerciais de famílias, crianças, casais reunidos numa noite de Natal; todos felizes trocando presentes entre si. E, o mais interessante é que, em muitos desses comerciais, o foco no produto ou serviço oferecido é substituído, por alguns momentos, pela união e afetividade exibida na propaganda. O que é isso? Uma preocupação do marketing em valorizar o sentido original do Natal? Negativo! Trata-se de uma estratégia publicitária”, diz o professor.

O pesquisador imagético explica que quando o público se depara com imagens como as citadas por ele, anteriormente, ele acaba sendo envolvido por elas numa falsa crença de felicidade. “Sabemos que o intuito principal da propaganda é vender e que tudo não passa de uma construção, mas, no momento em que a assistimos, nos esquecemos disto, num desejo de acreditar naquilo que nos é apresentado e que pode nos remeter a uma lembrança de nossa infância, a um momento gostoso com nossos familiares, ou ainda, a um desejo de reconciliação com alguém. É o mesmo efeito gerado por muitas imagens postadas nas redes sociais com sorrisos mascarados; porém, queremos acreditar naquela felicidade construída”, diz Brandão.

Segundo o professor, tudo isso acontece porque somos seres imagéticos, totalmente influenciáveis pelo poder da imagem que, muitas vezes, ao expressar aquilo que desejamos, nos faz acreditar nelas. “Por isso as fake news podem ter uma repercussão muito maior do que uma notícia verdadeira, por exemplo, ao veicularem algo que muitos gostariam que realmente fosse verdade. O mundo comercial não se difere muito, ao apresentar tantas superficialidades”, completa o professor.

Mas, se a propaganda está focando mais nos encontros humanos do que no produto ou serviço oferecido, ela atingirá seu objetivo? Para o Prof. Jack Brandão, essa estratégia pode ser muito mais vantajosa para o comercial atingir seu intuito. “Inconscientemente, muitos associarão o momento emocionante apresentado pelo marketing com a marca que ele está divulgando, afinal quem é que não se lembra de algum comercial natalino, ou até mesmo outro, que marcou a sua vida?”, questiona o pesquisador.

Assim, Brandão ressalta como os símbolos tradicionais do Natal vão sendo substituídos pelas imagens propagandísticas, descontruindo o conceito original da celebração. “Hoje é fácil pensarmos na festividade e logo vir a nossa mente a imagem do urso polar presente no comercial da Coca Cola, a imagem de um avô com seu netinho numa propaganda de panetone, ou ainda, um casal se amando, num comercial de perfume. Ao pensarmos em todas essas imagens, já nos recordamos da marca”.

E ao falar em imagens que remetem ao Natal, é impossível não abordar um dos símbolos da festa, o Papai Noel, e que Brandão também faz questão de ressaltar que não passa de uma construção imagética. “A imagem do ‘bom velhinho’ com roupas vermelhas e um gorro na cabeça, e que nada tem a ver com a imagem de São Nicolau que presenteava os pobres e deu origem ao símbolo natalino, foi apresentada, pela primeira vez, num comercial da Coca Cola e se consagrou desde então, mostrando como a sociedade está dominada pela magia, mas não a natalina e sim a do marketing”, conclui.

Sobre o Prof. Dr. Jack Brandão:

Doutor em Literatura pela Universidade de São Paulo (USP). Diretor do Centro de Estudos Imagéticos CONDES-FOTÓS, editor da Lumen et Virtus, Revista interdisciplinar de Cultura e Imagem, pesquisador sobre a questão imagética em diversos níveis, como nas artes pictográficas, escultóricas e fotográficas.

Mais informações: condesfotosimagolab.com.br

Canal no Youtube: www.youtube.com/user/jackbran

Publicidade aqui

leia tudo sobre

A desconstrução imagética do Natal no mundo publicitário

Por rodrigogoyanna em branding, Marketing

11 de dezembro de 2019

Mal os pais conseguem respirar das compras efetuadas no Dia das Crianças e os anúncios publicitários já prenunciam a proximidade do Natal, exibindo uma infinidade de brinquedos, roupas, acessórios etc. sendo entregues às pessoas, aparentemente, felizes, numa grande confraternização em família. Essas imagens, cada vez mais comuns nos espaços midiáticos em tal época do ano, vem, gradativamente, descontruindo o conceito original desta tradição milenar.

Mas, antes mesmo de falarmos da desconstrução imagética da celebração natalina, é bom relembrar que o Natal teve início como uma festa pagã, há cerca de 7 mil anos antes do nascimento de Cristo, celebrando o solstício de inverno, a noite mais longa do hemisfério norte, marcando o fim das noites mais longas e o início dos dias mais claros e de um período propício para a colheita. E assim foi, por milhares de anos, até o século 4, quando o cristianismo foi oficializado pelo Imperador Constantino e o Natal tornou-se uma festa cristã voltada para o nascimento de Cristo, como a conhecemos hoje. Todavia, embora a tradição natalina ainda sobreviva, seu significado parece se perder cada vez mais em meio ao bombardeamento imagético publicitário.

“O Natal é um dos períodos do ano mais lucrativos para o comércio e, obviamente, os veículos midiáticos não deixariam de aproveitar tal cenário. Todavia, o que chama a atenção, ultimamente, são as estratégias cada vez mais aprimoradas para ‘encantar’ os consumidores com a ‘magia’ natalina travestida de marketing”, afirma o Prof. Dr. Jack Brandão, renomado pesquisador imagético há mais de 30 anos, com artigos publicados no Brasil e no exterior sobre o poder de influência da imagem na sociedade.

Brandão ressalta como o meio publicitário acaba influenciando, mesmo que inconscientemente, o público midiático ao trabalhar com imagens que mexem com a memória e o emocional de cada um.

“Seja na internet ou na TV, é muito comum assistirmos a vídeos comerciais de famílias, crianças, casais reunidos numa noite de Natal; todos felizes trocando presentes entre si. E, o mais interessante é que, em muitos desses comerciais, o foco no produto ou serviço oferecido é substituído, por alguns momentos, pela união e afetividade exibida na propaganda. O que é isso? Uma preocupação do marketing em valorizar o sentido original do Natal? Negativo! Trata-se de uma estratégia publicitária”, diz o professor.

O pesquisador imagético explica que quando o público se depara com imagens como as citadas por ele, anteriormente, ele acaba sendo envolvido por elas numa falsa crença de felicidade. “Sabemos que o intuito principal da propaganda é vender e que tudo não passa de uma construção, mas, no momento em que a assistimos, nos esquecemos disto, num desejo de acreditar naquilo que nos é apresentado e que pode nos remeter a uma lembrança de nossa infância, a um momento gostoso com nossos familiares, ou ainda, a um desejo de reconciliação com alguém. É o mesmo efeito gerado por muitas imagens postadas nas redes sociais com sorrisos mascarados; porém, queremos acreditar naquela felicidade construída”, diz Brandão.

Segundo o professor, tudo isso acontece porque somos seres imagéticos, totalmente influenciáveis pelo poder da imagem que, muitas vezes, ao expressar aquilo que desejamos, nos faz acreditar nelas. “Por isso as fake news podem ter uma repercussão muito maior do que uma notícia verdadeira, por exemplo, ao veicularem algo que muitos gostariam que realmente fosse verdade. O mundo comercial não se difere muito, ao apresentar tantas superficialidades”, completa o professor.

Mas, se a propaganda está focando mais nos encontros humanos do que no produto ou serviço oferecido, ela atingirá seu objetivo? Para o Prof. Jack Brandão, essa estratégia pode ser muito mais vantajosa para o comercial atingir seu intuito. “Inconscientemente, muitos associarão o momento emocionante apresentado pelo marketing com a marca que ele está divulgando, afinal quem é que não se lembra de algum comercial natalino, ou até mesmo outro, que marcou a sua vida?”, questiona o pesquisador.

Assim, Brandão ressalta como os símbolos tradicionais do Natal vão sendo substituídos pelas imagens propagandísticas, descontruindo o conceito original da celebração. “Hoje é fácil pensarmos na festividade e logo vir a nossa mente a imagem do urso polar presente no comercial da Coca Cola, a imagem de um avô com seu netinho numa propaganda de panetone, ou ainda, um casal se amando, num comercial de perfume. Ao pensarmos em todas essas imagens, já nos recordamos da marca”.

E ao falar em imagens que remetem ao Natal, é impossível não abordar um dos símbolos da festa, o Papai Noel, e que Brandão também faz questão de ressaltar que não passa de uma construção imagética. “A imagem do ‘bom velhinho’ com roupas vermelhas e um gorro na cabeça, e que nada tem a ver com a imagem de São Nicolau que presenteava os pobres e deu origem ao símbolo natalino, foi apresentada, pela primeira vez, num comercial da Coca Cola e se consagrou desde então, mostrando como a sociedade está dominada pela magia, mas não a natalina e sim a do marketing”, conclui.

Sobre o Prof. Dr. Jack Brandão:

Doutor em Literatura pela Universidade de São Paulo (USP). Diretor do Centro de Estudos Imagéticos CONDES-FOTÓS, editor da Lumen et Virtus, Revista interdisciplinar de Cultura e Imagem, pesquisador sobre a questão imagética em diversos níveis, como nas artes pictográficas, escultóricas e fotográficas.

Mais informações: condesfotosimagolab.com.br

Canal no Youtube: www.youtube.com/user/jackbran