Publicidade

Auto Blog Ceará

por Sílvio Mauro

#sustentabilidade

Ford lança modelos elétricos e híbridos no mercado europeu

Por silviomauro em Lançamento

11 de setembro de 2019

A Ford lançou sua linha de veículos elétricos e híbridos no mercado europeu. As novidades incluem o híbrido Puma EcoBoost, os híbridos plug-in Explorer e Tourneo Custom – que podem ser recarregados na tomada – e o Kuga, primeiro modelo da marca a oferecer as opções de híbrido leve, total e plug-in.

No início do ano, a Ford anunciou que todos os seus veículos novos de passageiros na Europa terão uma opção elétrica ou híbrida leve, total ou plug-in. Serão 17 modelos até 2024, sendo oito deles lançados já em 2019. Até o final de 2022, a marca prevê que os modelos elétricos e híbridos representem mais da metade de suas vendas de veículos de passageiros na região, superando os carros convencionais a gasolina e diesel, e cheguem ao marco de 1 milhão de unidades.

“A eletrificação avança rapidamente como principal tendência do mercado e estamos aumentando substancialmente as opções de modelos elétricos para os nossos consumidores”, diz Stuart Rowley, presidente da Ford Europa. “Estamos tornando a mudança para um veículo elétrico mais fácil do que nunca e esperamos que eles se tornem a maioria da nossa linha em 2022.”

Modelos elétricos lançados

– SUV médio Kuga

– Explorer Hybrid Plug-In, SUV de sete lugares

– Tourneo Custom Hybrid Plug-In, van de oito lugares

– Crossover compacto Puma EcoBoost Hybrid

– Perua Mondeo Hybrid

Em 2020, chega ao mercado também um SUV elétrico de performance inspirado no Mustang, com uma autonomia elétrica estimada de 600 km e capacidade de carga rápida.

Soluções de recarga

A disponibilidade de pontos de recarga para carros elétricos vem crescendo rapidamente na Europa. A Ford anunciou uma parceria com seis grandes empresas de energia do continente para oferecer uma nova estação de recarga doméstica e tarifas diferenciadas para os usuários de híbridos plug-in. Ela tem potência 50% maior que uma tomada comum e reduz em até um terço o tempo de recarga.

Outra novidade da marca é um aplicativo para smartphones e tablets que permite aos donos de híbridos plug-in encontrar um ponto de recarga e fazer o pagamento. Ele é oferecido em parceria com a NewMotion, a maior rede pública de recarga da Europa, com mais de 118 mil pontos em 30 países.

Publicidade

Volkswagen lança ID.3, primeiro elétrico de uma família que pretende popularizar este tipo de veículo

Por silviomauro em Lançamento

10 de setembro de 2019

 

Com tração traseira e autonomia de até 420 km, foi lançado para o mercado europeu o ID.3, veículo elétrico da Volkswagen que, segundo a montadora, é o primeiro de uma família de automóveis “para as massas”. Os modelos serão baseados na nova plataforma MEB, otimizada em torno da bateria para alcançar máxima autonomia mantendo os custos no mínimo possível.

Todos os modelos ID.3 1ST trazem uma versão de bateria mais popular, que disponibiliza um conteúdo de energia útil de 58 kWh. A versão de produção em série também oferecerá mais tarde uma opção menor de bateria, com conteúdo energético de 45 kWh e autonomia de até 330 quilômetros, assim como uma bateria maior, com 77 kWh e autonomia máxima de 550 quilômetros. Graças à sua rápida capacidade de carga, com uma tomada de 100 kW é possível recarregar o ID.3 1ST com energia suficiente para cobrir uma distância de aproximadamente 290 quilômetros (WLTP) – uma autonomia consideravelmente maior do que era possível anteriormente no segmento dos veículos compactos.

Na Alemanha, onde está disponível no mercado a partir de 2020, o preço básico do modelo de produção em série ficará abaixo de € 30.000. O Grupo Volkswagen pretende produzir mais de dez milhões de veículos elétricos ao longo dos próximos dez anos. Mais de 20 modelos estão planejados.

A propulsão elétrica do ID.3 consiste primariamente no motor síncrono com imã permanente, incluindo a eletrônica de potência e a caixa de transmissão, que foram integrados no eixo traseiro. Uma bateria plana de alta voltagem foi acomodada na parte inferior da carroceria para economizar espaço, assim como unidades auxiliares, como o compressor do ar-condicionado ou a cremalheira da direção, que foram integrados à dianteira do veículo.

A posição da bateria na parte inferior da carroceria exerce um efeito positivo para as características neutras de dirigibilidade, já que torna o centro de gravidade do ID.3 muito baixo, como nos carros de corrida. O ID.3 também se caracteriza pela distribuição de pesos ideal entre os eixos dianteiro e traseiro.

A Volkswagen WeCharge oferece aos compradores a opção de carregar seus veículos ID.3 1ST gratuitamente por um ano, desde o primeiro dia de registro do carro, até um máximo de 2.000 kWh. Isto se aplica a todas as estações de carga ligadas ao WeCharge, incluindo a rede Ionity, que soma mais de 100 mil pontos de carga em toda a Europa.

De forma geral, o ID.3 tem aproximadamente o mesmo comprimento de um Golf. Traduzindo em números, isso significa que o modelo com quatro portas tem 4.261 mm de comprimento, 1.809 mm de largura e 1.552 mm de altura, com 2.765 mm de distância entre os eixos. Segundo a norma DIN, seu peso líquido mínimo é 1.719 quilogramas e a capacidade máxima de carga fica entre 416 e 541 kg, dependendo do equipamento do veículo. Os cinco assentos do ID.3 1ST são complementados por um porta-malas com 385 litros de volume, localizado atrás da segunda fileira de bancos.

Além do mostrador no cockpit, uma nova tela de toque com dez polegadas posicionada centralmente disponibiliza ao motorista todas as informações mais importantes. O sistema ID. Light auxilia o motorista durante a navegação com uma faixa de LED e pode, por exemplo, avisar para que freie em caso de qualquer perigo. Um Sistema head-up display (opcional) também projeta todas as informações importantes diretamente no para-brisa.

Essa informação é posicionada visualmente como se estivesse entre três e dez metros à frente do veículo. Todos os controles, incluindo os localizados no volante multifuncional com ajuste elétrico, são operados através de funções de toque, através de botões sensíveis ao toque. Apenas os vidros elétricos e as luzes de alerta continuam a ser acionados por interruptores táteis. Tudo isso é suplementado por um controle vocal natural inteligente. O motorista ou os passageiros da frente podem conversar com o ID.3 simplesmente dizendo “alô, ID.”. O ID. Light indica visualmente a quem o ID.3 está respondendo no momento. Graças ao App-Connect, também é possível conectar o ID.3 a um smartphone em questão de segundos.

As funções de assistência são auxiliadas por uma câmara multifuncional instalada no para-brisa, que também pode identificar placas de trânsito. As funções de conforto e segurança do ID.3 incluem o Front Assist com Sistema de Frenagem de Emergência e Monitoramento de Pedestres, frenagem pós-colisão e sistema de manutenção de faixa Lane Assist, Assistente de Estacionamento incluindo sistema de câmera traseira e sistema de acesso sem necessidade de chave (Kessy Advanced) com maçanetas das portas iluminadas.

Graças ao sistema Park Distance Control (Controle de Distância no Estacionamento) com frenagem em manobras, o sistema evita em grande parte problemas ao estacionar. A função pode evitar colisões iminentes ou diminuir a gravidade das colisões ao efetuar uma frenagem de emergência ao manobrar no último momento possível. O sistema freia o veículo até a parada total – ao dar ré, numa faixa entre 1,5 km/h e 10 km/h e, andando para a frente, em velocidades entre 2,5 km/h e 10 km/h.

O sistema multimídia do ID.3 traz um sistema de navegação que pode ser atualizado. A função de conveniência de telefonia também inclui a recarga de smartphones por indução. O sistema de som pode ser incrementado por um pacote Beats, que oferece uma atmosfera sonora de um concerto ao vivo, utilizando oito alto-falantes e um subwoofer.

O ID.3 1ST é movimentado por um motor elétrico no eixo traseiro. Ele gera 150 kW e disponibiliza um torque máximo de 310 Nm. A bateria pode ser recarregada com uma saída máxima de carga de 11 kW (em corrente alternada) e 100 kW (corrente contínua). Com corrente contínua (CC), é possível recarregar o suficiente para cobrir uma distância de 290 quilômetros em 30 minutos.

A versão básica inclui um sistema de navegação, um rádio digital DAB+, aquecimento dos bancos e do volante, apoios de braços na dianteira, um cabo de carga Mode 2 e rodas de liga leve de 18 polegadas – comparável com o equipamento Comfort no segmento de veículos compactos.

O ID.3 1ST Plus traz adicionalmente um sistema de câmera de ré, Controlador de Velocidade de Cruzeiro Adaptativo e o sistema Kessy Advanced de acesso e partida sem chave. O interior do ID.3 1ST Plus também inclui bancos especiais, um console central (incluindo duas conexões USB-C na traseira que podem ser fechadas com uma tampa tipo persiana e incluem iluminação), assim como iluminação ambiente. No exterior, janelas escurecidas, o pacote externo Style em prata, faróis de matriz de LED, lanternas laterais, luzes de freio, indicadores de direção e conjuntos de lanternas traseiras de matriz de LED, assim como rodas de liga leve de 19 polegadas também são parte do conjunto de equipamento.

A versão topo de linha, o ID.3 1ST Max, também inclui o display head-up com realidade aumentada, o sistema de som Beats, um grande teto de vidro panorâmico deslizante inclinável para ressaltar a sensação de espaço e rodas de liga leve de 20 polegadas. O equipamento é complementado por um sistema de manutenção de faixa com Emergency Assist (assistente de emergência), telefonia conforto incluindo carga de bateria sem contato com alta voltagem, bancos conforto, assoalho do porta-malas nivelado e grandes rodas de liga leve com 20 polegadas.

Três tamanhos de bateria no lançamento da produção em série. No lançamento da produção em série, o ID.3 será oferecido com três tamanhos de baterias. O modelo ID.3 1ST edição especial é baseado na versão de bateria de médio alcance.
Ele será complementado mais adiante por uma versão básica. Sua bateria entrega um conteúdo energético útil de 45 kWh e permite uma autonomia elétrica de até 330 quilômetros (norma WLTP). A bateria pode ser recarregada com uma saída máxima de carga de 7,2 kW (em corrente alternada) e 50 kW (corrente contínua). Carga com 100 kW CC também é oferecida como opcional. O modelo básico do veículo também atinge 160 km/h de velocidade máxima.
O conteúdo útil da maior versão de bateria é 77 kWh e a autonomia com eletricidade é de até 550 km (WLTP). A bateria pode ser carregada numa fonte de corrente alternada (CA) com saída máxima de 11 kW e com até 125 kW numa fonte de energia com corrente contínua (CC).

A autonomia real em aplicações práticas varia em função de fatores como estilo de condução, velocidade, uso de equipamentos de conveniência e auxiliares, temperatura externa, número de ocupantes, peso levado no veículo e a topografia. Dependendo do perfil de uso, 80 por cento dos motoristas serão capazes de cobrir entre 230 e 330 quilômetros com a menor versão de bateria (45 kWh líquidos), entre 300 e 420 quilômetros com a versão de bateria de médio alcance (58 kWh líquidos) e entre 390 e 550 quilômetros com a bateria maior (77 kWh líquidos) sem precisar de recarga. O limite de alcance inferior, consequentemente, também cobre viagens em velocidades de estrada moderadas e viagens no inverno em baixa temperatura ambiente.

Galeria de fotos – ID.3

id4
id5
id2
id3
Publicidade

Dia do combate à poluição: saiba mais sobre os catalisadores automotivos

Por silviomauro em Serviço

14 de agosto de 2019

 

Hoje, no Brasil, é o Dia do Combate à Poluição, data para divulgação de medidas efetivas para reduzir a poluição do ar. E de acordo com o Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), organização sem fins lucrativos, autônoma e independente, que produz e dissemina conhecimento técnico-científico nas áreas de energia e clima, qualidade do ar, redução de emissões de gases de efeito estufa e mobilidade urbana, os veículos são os principais responsáveis pela poluição atmosférica nas grandes cidades. Fumaça, partículas totais em suspensão (PTS), partículas inaláveis (MP10), partículas inaláveis finas (MP2,5), dióxido de enxofre (SO2), dióxido de nitrogênio (NO2), monóxido de carbono (CO) e ozônio (O3) estão entre os principais poluentes emitidos por carros, caminhões e motos, de acordo com a entidade.

É fato que, para quem tem condições de ter um carro, é difícil deixa-lo na garagem para trocar pelo precaríssimo transporte público brasileiro. Mas é possível, pelo menos, dar uma pequena contribuição cuidando catalisador, componente responsável pela diminuição de gases emitidos pelo motor.

De acordo com a Basf, indústria alemã que fabrica vários componentes automotivos, a redução das emissões de poluentes supera os 95% com o uso do catalisador. Confira algumas informações que Vladimir Ferrari, gerente de desenvolvimento técnico de catalisadores da empresa, fornece sobre essa peça.

Como funciona o catalisador?

O catalisador é uma colmeia de cerâmica revestida por alguns componentes capazes de atuar na reação química dos hidrocarbonetos (HC), dos monóxidos de carbono (CO) e dos óxidos de nitrogênio (NOx), gases produzidos pelos motores a combustão movidos a gasolina e/ou etanol.

Os catalisadores exigem alguma manutenção?

O catalisador não exige cuidado específico. Mas é essencial fazer a manutenção adequada do veículo, respeitando as revisões, fazendo as trocas necessárias de peças e usando de combustíveis de boa qualidade – para esta última, uma dica é procurar abastecer sempre no mesmo posto de confiança, para evitar o risco de colocar combustível adulterado.

Qual é a vida útil dos catalisadores?

De acordo com a exigência das montadoras, os catalisadores têm vida útil de cinco anos ou 80 mil quilômetros. Porém, depois desse prazo, o catalisador continua tendo sua função preservada. Desde que o proprietário siga as manutenções adequadas, certamente o catalisador terá a mesma vida útil do veículo.

O catalisador diminui a potência do motor ou pode prejudicar o funcionamento do carro?

O catalisador faz parte de um conjunto de peças projetadas para o perfeito funcionamento do motor, não interferindo em sua potência ou desempenho. Se o dispositivo for removido, sim, pode desregular todo o sistema e provocar o desgaste prematuro das peças. Além disso, a remoção é considerada uma infração grave, passível de multa.

Combustíveis adulterados podem comprometer o catalisador?

O principal inimigo do bom funcionamento do catalisador é o combustível de baixa qualidade. Além de compostos inadequados (como outros líquidos mais baratos colocados apenas para aumentar o volume) poderem afetar a conversão dos gases, resíduos podem aderir à superfície do dispositivo, prejudicando a sua performance.

Outras informações sobre a redução da poluição pelos catalisadores estão disponíveis em um vídeo produzido pela Basf, no endereço https://www.youtube.com/watch?v=V371wZKDVB8

Publicidade

Dia do combate à poluição: saiba mais sobre os catalisadores automotivos

Por silviomauro em Serviço

14 de agosto de 2019

 

Hoje, no Brasil, é o Dia do Combate à Poluição, data para divulgação de medidas efetivas para reduzir a poluição do ar. E de acordo com o Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), organização sem fins lucrativos, autônoma e independente, que produz e dissemina conhecimento técnico-científico nas áreas de energia e clima, qualidade do ar, redução de emissões de gases de efeito estufa e mobilidade urbana, os veículos são os principais responsáveis pela poluição atmosférica nas grandes cidades. Fumaça, partículas totais em suspensão (PTS), partículas inaláveis (MP10), partículas inaláveis finas (MP2,5), dióxido de enxofre (SO2), dióxido de nitrogênio (NO2), monóxido de carbono (CO) e ozônio (O3) estão entre os principais poluentes emitidos por carros, caminhões e motos, de acordo com a entidade.

É fato que, para quem tem condições de ter um carro, é difícil deixa-lo na garagem para trocar pelo precaríssimo transporte público brasileiro. Mas é possível, pelo menos, dar uma pequena contribuição cuidando catalisador, componente responsável pela diminuição de gases emitidos pelo motor.

De acordo com a Basf, indústria alemã que fabrica vários componentes automotivos, a redução das emissões de poluentes supera os 95% com o uso do catalisador. Confira algumas informações que Vladimir Ferrari, gerente de desenvolvimento técnico de catalisadores da empresa, fornece sobre essa peça.

Como funciona o catalisador?

O catalisador é uma colmeia de cerâmica revestida por alguns componentes capazes de atuar na reação química dos hidrocarbonetos (HC), dos monóxidos de carbono (CO) e dos óxidos de nitrogênio (NOx), gases produzidos pelos motores a combustão movidos a gasolina e/ou etanol.

Os catalisadores exigem alguma manutenção?

O catalisador não exige cuidado específico. Mas é essencial fazer a manutenção adequada do veículo, respeitando as revisões, fazendo as trocas necessárias de peças e usando de combustíveis de boa qualidade – para esta última, uma dica é procurar abastecer sempre no mesmo posto de confiança, para evitar o risco de colocar combustível adulterado.

Qual é a vida útil dos catalisadores?

De acordo com a exigência das montadoras, os catalisadores têm vida útil de cinco anos ou 80 mil quilômetros. Porém, depois desse prazo, o catalisador continua tendo sua função preservada. Desde que o proprietário siga as manutenções adequadas, certamente o catalisador terá a mesma vida útil do veículo.

O catalisador diminui a potência do motor ou pode prejudicar o funcionamento do carro?

O catalisador faz parte de um conjunto de peças projetadas para o perfeito funcionamento do motor, não interferindo em sua potência ou desempenho. Se o dispositivo for removido, sim, pode desregular todo o sistema e provocar o desgaste prematuro das peças. Além disso, a remoção é considerada uma infração grave, passível de multa.

Combustíveis adulterados podem comprometer o catalisador?

O principal inimigo do bom funcionamento do catalisador é o combustível de baixa qualidade. Além de compostos inadequados (como outros líquidos mais baratos colocados apenas para aumentar o volume) poderem afetar a conversão dos gases, resíduos podem aderir à superfície do dispositivo, prejudicando a sua performance.

Outras informações sobre a redução da poluição pelos catalisadores estão disponíveis em um vídeo produzido pela Basf, no endereço https://www.youtube.com/watch?v=V371wZKDVB8