Arquivos Fevereiro 2020 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Fevereiro 2020

Quadro Global de Biodiversidade Pós-2020

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

27 de Fevereiro de 2020

    De 24 a 29 de fevereiro de 2020, acontece a 2ª Reunião do Grupo de Trabalho Aberto sobre o Quadro Global de Biodiversidade Pós-2020, na Sede da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em Roma, Itália.

    Na pauta de discussões, assuntos como a redução das ameaças à biodiversidade, mobilização de recursos financeiros e financiamento para promover agricultura sustentável, dentre outros.

     As negociações acontecem por assunto e as partes interessadas levam cerca de 30 minutos para fornecer seus pontos de vista sobre cada objetivo a ser discutido, o que tem permitido progresso ainda mais rápido. Ainda não se sabe se essa atitude positiva se manterá durante a semana, pois os delegados que saíram das reuniões do grupo de contatos expressaram preocupação com a rápida disseminação do coronavírus (covid 19) e se isso pode afetar a conclusão da reunião de trabalho.

Fonte: UN, 2020.

     A expectativa do Quadro Global da Biodiversidade (Biodiversity Framework – GBF) é avançar preparativos para o desenvolvimento da política global pós-2020. Espera-se que esse processo leve a adoção de um quadro global de biodiversidade pós-2020 na Conferência sobre Biodiversidade da Organização das Nações Unidas, que acontecerá em outubro de 2020, em Kunming, China.

     É preciso verificar o alcance e os resultados do Plano Estratégico de Biodiversidade 2010-2020, notadamente as Metas de Biodiversidade de Aichi, que tinham horizonte de consecução até 2020, no sentido de ampliar ações de manejo sustentável da biodiversidade. Ademais, é necessário fortalecer o Plano que contém a “Visão para a Biodiversidade em 2050”, ou seja, até 2050, a biodiversidade deve ser valorizada, conservada, restaurada e usada com sabedoria, com manutenção dos serviços ecossistêmicos, e proporcionando benefícios essenciais para todas as pessoas.

Fonte: ONU/FAO, 2020.

Publicidade

Horta em casa ou apartamento: uma boa ideia

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente

22 de Fevereiro de 2020

É possível ter horta em casa ou apartamento, em espaços reduzidos, no intuito de cultivar ervas e temperos, que podem dar beleza ao ambiente, além de promover a alimentação do dia a dia.

     A jornalista Jordanna, em entrevista com jardinista Fabrício colheu as seguintes dicas para hortas: plantar manjericão, por ocupar pouco espaço e de fácil manutenção, adaptando-se em vasos. O manjericão roxo e o manjericão branco também.

     Ainda tem-se a pimenta, que também adapta-se em vasos, a exemplo da dedo de moça e a malagueta, bem como a hortelã. Esta deve ser separada das outras plantas por seu aroma forte e a velocidade que sua raiz se espalha, podendo prejudicar o crescimento de outras plantas.

    Seguem algumas dicas para adaptar em ambientes internos:

Foto: Esdras Guimarães, 2020.

1) Palete de madeira com vários vasinhos de plantas pode conferir um ar diferente à casa, deixando o ambiente mais bonito e agradável, com horta simples, barata e criativa.

2) Latinhas reaproveitadas de leite coladas com imã na geladeira, configurando uma hortinha para pregar na lateral da geladeira.

3) Vasos em sapateira de armário, reconfigurando um móvel usado. É só escolher um local estratégico da casa.

4) Vasos coloridos, pendurados na varanda, podem dar um charme especial ao espaço.

5) Potes de vidros com hortaliças, apoiados em bandeja vintage, garantem uma reutilização dos materiais e permitem viabilizar a horta.

     É importante lembrar que é preciso cuidar bem para que as hortaliças se desenvolvam adequadamente para que se mantenham sempre vivas. O Jardinista explica que, em geral, “as hortaliças precisam de muita luz natural. Por isso, é importante escolher um local perto da janela, por exemplo, para montar sua horta. As folhas amareladas e secas enfraquecem a planta, então, é importante tirar sempre. Nunca arranque os galhos com as mãos. Utilize sempre tesouras. Algo muito importante: jamais encharque a terra, pois a rega descontrolada causa fungos”.

Publicidade

Mestrado em Tecnologia e Gestão Ambiental: processo seletivo 2020

Por Nájila Cabral em Impacto Ambiental, Meio Ambiente, Saneamento Ambiental

14 de Fevereiro de 2020

    Estão abertas as inscrições para o Mestrado Acadêmico em Tecnologia e Gestão Ambiental, do Instituto Federal do Ceará – Campus Fortaleza. O curso é recomendado pela CAPES e atua na área de Engenharias I.

Fonte: IFCE, 2020.

    O Curso tem duração prevista de 24 meses, incluindo o tempo de elaboração de dissertação de mestrado. O Curso é constituído por atividades de ensino (aulas de disciplinas, palestras e seminários), de pesquisa aplicada, de produção intelectual (acadêmica e técnica) e de inserção social, das quais o aluno nele matriculado precisa obrigatoriamente participar e cumprir de maneira efetiva, comprometendo-se a realizar todas as atividades, preferencialmente com dedicação exclusiva ao curso.

     Serão oferecidas 13 vagas para ingresso, área de concentração em Gestão e Saneamento Ambiental, nas quatro linhas de pesquisa do PGTGA. As inscrições para seleção de candidatos estarão abertas durante o período de 14 a 22 de fevereiro de 2020 e devem ser feitas no site do IFCE. O processo seletivo estará aberto a todos os portadores de diploma oficial ou reconhecido.

     Aos interessados em se inscrever, cliquem aqui.  Aos interessados em acessar o edital e saber mais sobre o processo de seleção, cliquem aqui. Para acessar os anexos, cliquem aqui.

    Fonte: IFCE, 2020.

Publicidade

Fórum Urbano Mundial e as cidades sustentáveis

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Urbanismo

09 de Fevereiro de 2020

     No período de 8 a 13 de fevereiro de 2020, dezoito mil participantes de 168 países estão reunidos em Abu Dhabi para a 10ª Sessão do Fórum Urbano Mundial (World Urban Forum – WUF), cuja temática “Cidades de Oportunidades: conectando cultura e inovação” permite a discussão e abordagem dos desafios da urbanização sustentável.

     Instituído em 2001 pelas Nações Unidas, convocado pela ONU-Habitat, o WUF tem por objetivos: sensibilizar tomadores de decisão para a urbanização sustentável; melhorar o conhecimento coletivo sobre desenvolvimento urbano sustentável por meio de debates abertos e inclusivos; e promover a colaboração e cooperação entre diferentes partes interessadas no intuito de implementação da urbanização sustentável.

    A figura mostra os eventos anteriores, seus locais de realização, temas abordados e número de participantes. No ano de 2016, a 8ª Sessão do Fórum Urbano Mundial ocorreu em paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento urbano Sustentável (Habitat III).

Fonte: WUF, 2020.

     Nessa 10ª Sessão do WUF os debates promoverão a oportunidade de comunidades multiculturais e multigeracionais em explorar o papel da cultura e inovação na implementação da Nova Agenda Urbana, no sentido de se alcançar as dimensões urbanas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Fonte: WUF, 2020.

Publicidade

Chuvas excessivas: cuidados para as plantas não morrerem

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente

05 de Fevereiro de 2020

     Algumas ações podem ser feitas para que o jardim possa ficar mais resistente aos prováveis danos causados pela chuva, tais como: realizar podas adequadas e reforçar plantas com nitrogênio, fósforo e potássio.

Foto: Jordanna, GiraSol Assessoria, 2020.

     Em jardins externos, as chuvas excessivas podem se constituir motivo de preocupação maior, pois a água em excesso pode ser prejudicial para a beleza e a saúde dos jardins. O jardinista Fabrício Pereira informa que “apesar de servir como condutor dos nutrientes que mantém a seiva alimentada, o excesso de água deixa o solo encharcado e varre os nutrientes para longe das plantas. Além disso, a umidade é campo fértil para a proliferação de bactérias e fungos, que se alimentam de folhas, flores e frutos”. Se o solo não absorve toda a água em excesso, as raízes das plantas são as primeiras a sofrerem e, em muitas vezes, isso pode ser fatal.

    Para prevenir os danos causados pela chuva em excesso seria interessante agir preparando o solo antes do plantio, aprontando o espaço de forma correta para drenagem “com tubos corrugados, específicos para drenagem manta bidim, pedra brita ou seixo de rio”. Outra opção bastante utilizada é a instalação de sombrite, tela usada em estufas, que permite a incidência de raios solares e a passagem controlada da água da chuva.

    Para os cuidados pós-chuva importante evitar regas e observar manualmente o solo e as plantas, em especial as folhas. Quando elas amarelarem ou ficarem com aspecto estranho, talvez seja necessário poda de contenção e reforço na adubação”, finaliza o jardinista.

Fonte: Jordanna, GiraSol Assessoria, 2020.

Publicidade

Chuvas excessivas: cuidados para as plantas não morrerem

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente

05 de Fevereiro de 2020

     Algumas ações podem ser feitas para que o jardim possa ficar mais resistente aos prováveis danos causados pela chuva, tais como: realizar podas adequadas e reforçar plantas com nitrogênio, fósforo e potássio.

Foto: Jordanna, GiraSol Assessoria, 2020.

     Em jardins externos, as chuvas excessivas podem se constituir motivo de preocupação maior, pois a água em excesso pode ser prejudicial para a beleza e a saúde dos jardins. O jardinista Fabrício Pereira informa que “apesar de servir como condutor dos nutrientes que mantém a seiva alimentada, o excesso de água deixa o solo encharcado e varre os nutrientes para longe das plantas. Além disso, a umidade é campo fértil para a proliferação de bactérias e fungos, que se alimentam de folhas, flores e frutos”. Se o solo não absorve toda a água em excesso, as raízes das plantas são as primeiras a sofrerem e, em muitas vezes, isso pode ser fatal.

    Para prevenir os danos causados pela chuva em excesso seria interessante agir preparando o solo antes do plantio, aprontando o espaço de forma correta para drenagem “com tubos corrugados, específicos para drenagem manta bidim, pedra brita ou seixo de rio”. Outra opção bastante utilizada é a instalação de sombrite, tela usada em estufas, que permite a incidência de raios solares e a passagem controlada da água da chuva.

    Para os cuidados pós-chuva importante evitar regas e observar manualmente o solo e as plantas, em especial as folhas. Quando elas amarelarem ou ficarem com aspecto estranho, talvez seja necessário poda de contenção e reforço na adubação”, finaliza o jardinista.

Fonte: Jordanna, GiraSol Assessoria, 2020.