Educação Ambiental Archives - Página 4 de 16 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Educação Ambiental

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e agenda pós-2015

Dando continuidade aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, “Assegurar vidas saudáveis e promover bem-estar para todos em todas as idades” é o terceiro. Mencionado ODS envolve a área da saúde e complementa as metas acordadas para os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM), cujos prazos se encerram este ano – 2015.

    Dentre as metas do ODS 3, estão:

– reduzir a taxa de mortalidade infantil abaixo de 70/1000 nascidos vivos;

– Acabar com as epidemias de AIDS, tuberculose e malária; bem como combater a hepatite e as doenças de veiculação hídrica;

– reduzir em 1/3 a mortalidade dos prematuros;

– reforçar a prevenção e o tratamento de substâncias abusivas, incluindo as drogas e o uso abusivo do álcool;

– reduzir substancialmente as mortes causadas por poluição do ar, da água e por contaminação do solo.

     Considerando o pressuposto que pessoas informadas são cidadãos cônscios de seus direitos e deveres, o ODS 4 tem como desafio “Assegurar educação inclusiva e de qualidade para todos e promover uma vida de aprendizagem”.

     Para alcançar este objetivo, dentre as metas estão:

– assegurar que todos os meninos e meninas terminem a educação primária e secundária;

– assegurar que meninos e meninas tenham acesso ao desenvolvimento infantil de qualidade, o mais cedo possível, à educação e cuidado pré-primário;

– eliminar as desigualdades de gênero na educação e assegurar acesso igual a todos os níveis de educação.

Fonte: UNEP.

Publicidade

Pesquisa de opinião para o Fundo Nacional de Meio Ambiente

      Você pode opinar sobre temas e projetos a serem financiados pelo Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA), que está com pesquisa de opinião disponível na internet, no intuito de escutar a sociedade quanto seus anseios sobre temas de projetos, eficácia das formas de financiamento, dentre outras temáticas.

     O Fundo Nacional de Meio Ambiente, criado há 25 anos, é um dos mais antigos mecanismos de apoio à Política Nacional do Meio Ambiente do Brasil.

      Esta pesquisa de opinião sobre apoio a projetos têm a pretensão de sugestões sobre linhas de fomento, e devem ser incorporadas no biênio 2015-2016.

      Recado dado, vamos participar! Para saber mais e ter acesso à pesquisa de opinião, clique aqui. 

Fonte: MMA

Publicidade

Plano de Ação em favor da proteção do Ecossistema Manguezal

          Em 29/01/2015, a Portaria no 9, do ICMBio, instituiu o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas e de Importância Socioeconômica do Ecossistema Manguezal, o chamado PAN Manguezal.

Foto: Danielly Rios

Foto: Danielly Rios

     O objetivo geral do PAN Manguezal é conservar os manguezais brasileiros, reduzindo a degradação e protegendo as espécies focais do PAN, mantendo suas áreas e usos tradicionais, a partir da integração entre as diferentes instâncias do poder público e da sociedade.

    Conforme Art. 4o, o PAN Manguezal estabelece ações de conservação para 74 (setenta e quatro) espécies, sendo 20 (vinte) espécies ameaçadas em âmbito nacional, 09 (nove) espécies ameaçadas apenas em âmbito regional e 45 (quarenta e cinco) espécies de importância socioeconômica e não ameaçadas.

     Dentre as espécies ameaçadas de extinção podem-se citar: Mero; Tubarão-lixa; Macaco-prego-do-peito-amarelo; Socó-jararaca ou Socó-boi-escuro e Peixe-boi-marinho.

     O prazo de consecução das ações previstas no PAN Manguezal é janeiro de 2020.

   Aos interessados em ter acesso ao PAN Manguezal na íntegra cliquem aqui.

Fonte: Imprensa Nacional/MMA

Publicidade

Circuito Tela Verde

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) está com inscrições abertas até amanhã, dia 31/01/2015, para a 6ª Mostra Nacional de Produção Audiovisual Independente, do Circuito Tela Verde (CTV).

    Podem participar escolas, redes de meio ambiente e educação ambiental, estruturas educadoras, entidades da sociedade civil, comunidades e produtores com vídeos (documentários, curtas, vinhetas e animações), produzidos a partir de filmadoras, câmeras digitais, celulares ou qualquer outro equipamento que capture imagem e som.

     Conforme Assessoria de Comunicação do MMA, o objetivo da mostra nacional do Tela Verde é divulgar e estimular atividades de educação ambiental, participação e mobilização social por meio da produção independente audiovisual, e atender a demanda de espaços educadores por materiais pedagógicos multimídias.

     Para saber mais e como se inscrever, acessem o sítio do MMA, aqui.

Fonte: MMA

Publicidade

Educação do Campo, Indígena e Quilombola

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Educação Ambiental, Meio Ambiente

09 de dezembro de 2014

    Na período de 08 e 09/12/2014, a Secretaria da Educação do Estado do Ceará, por meio da CODEA/Diversidade e Inclusão Educacional está realizando o II Encontro da Educação do Campo, Indígena e Quilombola: “Políticas, Culturas e Identidades”.

SEDUC_indigena_campo_quilombola_2014

     O Encontro tem por objetivo: promover uma ampla discussão sobre políticas, culturas, identidades e gestão para a educação do campo, indígena e quilombola em diálogo com os movimentos sociais, instituições governamentais e não governamentais.

     Estão presentes no Encontro, secretários municipais de educação, coordenadores e técnicos das CREDE, gestores e professores das escolas estaduais do campo, quilombolas e indígenas, representantes dos Movimentos Sociais do Campo, Indígena e Quilombola, de Instituições Públicas de Ensino Superior do Ceará, do Conselho Estadual de Educação – CEE, da União dos Conselhos Municipais de Educação – UNCME, do Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF, da Associação dos Municípios e Prefeitos do Estado do Ceará – APRECE e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação do Ceará – UNDIME-CE.

      As mesas redondas, de alto nível, tem trazido uma riqueza de debate ímpar para o “Futuro que Queremos”. Parabéns aos organizadores!

Publicidade

Educação para o Desenvolvimento Sustentável

     No período de 10 a 12 de novembro, sob os auspícios da UNESCO, houve a Conferência Mundial de Educação para o Desenvolvimento Sustentável, em Nagoya, no Japão.

     Como resultado final de mencionada Conferência tem-se a Declaração de Nagoya de Educação para o Desenvolvimento Sustentável (ESD), em que os participantes chamam por ações urgentes no sentido de fortalecer e ampliar a Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

     A Declaração baseia-se nas realizações da Década das Nações Unidas de ESD (2005-2014), bem como reconhece que “as pessoas são o centro do desenvolvimento sustentável”

     Mencionada Declaração de Nagoya realça “o potencial de ESD para capacitar os alunos a transformarem-se e transformarem a sociedade em que vivem, desenvolvendo conhecimentos, habilidades, atitudes, competências e valores necessários para abordar a cidadania global e os desafios contextuais locais do presente e do futuro, com compreensão da interconectividade dos desafios”.

     Aos interessados em ter acesso a Declaração de Nagoya de Educação para o Desenvolvimento Sustentável na íntegra, cliquem aqui. 

Fonte: ONU

Publicidade

Juventude e Meio Ambiente

     Por iniciativa do Ministério do Meio Ambiente, foi lançada a 1ª edição da Revista Juventude e Meio Ambiente, em parceria com o Conselho Nacional de Juventude, Secretaria Nacional de Juventude, como uma das ações do Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente.

    Conforme a Assessoria de Comunicação do MMA, mencionada edição é referente ao primeiro semestre de 2014. Foram recebidas 60 contribuições, das quais 24 foram selecionadas, usando como critérios a garantia da diversidade de abordagens e a fidelidade do conteúdo com o tema sugerido.

    A segunda edição está em andamento. Quem tiver interesse em participar deve enviar material até o dia 10 de novembro via e-mail juventude.meioambiente@mma.gov.br ou pelos correios. Jovens de 15 a 29 anos podem se inscrever na categoria de fotos, charges, reportagens, poemas, artigos livres e acadêmicos (apenas neste item, também podem participar adultos). O material produzido deve ser instigado pelo tema “Quais são os nossos objetivos para mudar o mundo e como mobilizar a sociedade, comprometendo o poder público local e todos os setores para com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável?”.

   Para ter acesso a revista na íntegra, cliquem aqui. 

Fonte: MMA

Publicidade

Sustentabilidade em recursos hídricos

   No período de 31 de outubro e 1º de novembro, a ONG Grupo de Interesse Ambiental (GIA) promove o Fórum Sustentabilidade em Recursos Hídricos no semiárido, no auditório do DNOCS, em Fortaleza/CE.

Fonte: GIA, 2014.

Fonte: GIA, 2014.

   Na programação pessoas renomadas na área ambiental e de recursos hídricos como o Prof. Renato Aragão, da FIEC, que deve moderar a Mesa Redonda intitulada Reuso de Água Aliado a Educação Ambiental, no dia 31/10.

   No dia seguinte, conforme a programação, estarão presentes na Mesa Redonda Recursos Hídricos e Educação Ambiental, a advogada Michele Mourão e a geóloga Tereza Farias, do CONPAM, com a moderação do engenheiro Berthyer Lima, da COGERH.

    O objetivo do Fórum é informar e debater junto com os participantes assuntos vinculados a sustentabilidade dos recursos hídricos no semiárido Cearense. O evento se destina a estudantes, profissionais e interessados em assuntos relacionados às questões socioambientais.

    A taxa de inscrição é de R$10,00 + 1 Kg de alimento não perecível. As inscrições são feitas na sede da ONG GIA.

Fonte: GIA

Publicidade

Conferência Internacional de Geoparks – 2014

    Começou hoje a 6ª Conferência Internacional de Geoparks, que se realiza no Canadá, no Stonehammer Geopark. A Conferência segue até o dia 22 de setembro.

Unesco_geoparks_2014

    Na intensa programação, temas atuais e pertinentes como: Geoparks e as mudanças climáticas; Práticas em geoturismo e geoconservação; Educação e Interpretação em Geoparks, dentre outros.

    Como um dos membros do Comitê, a brasileira Flávia Fernanda de Lima, do GGN Bureau Advisor Brazil, que foi assessora do Geopark Araripe, Ceará, em 2009-2010. Também como membros do Comitê estão os professores Nickolas Zouros, PhD (Grécia) e Guy Martini (França).

    A todos os que fazem a Rede Global de Geoparks (GGN), um excelente e profícuo trabalho!

Fonte: GGN

Publicidade

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável –parte 2

    A proposta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) tem até 2030 como horizonte temporal para consecução. São 17 as propostas dos ODS. Nesta parte, traremos quatro dos ODS (propostas) e algumas metas.

    Importante ressaltar que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável só serão votados, em plenária na ONU, em 2015; portanto, ainda se encontram em discussão com todas as partes interessadas.

1) Acabar com a pobreza em todo lugar. Dentre as metas estão: até 2030, zerar o número de pessoas que vivem na extrema pobreza e reduzir pela metade a proporção das pessoas de todas as idades que estão abaixo do nível de pobreza.

2) Acabar a fome, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável. Dentre as metas estão: até 2030 acabar com a fome e assegurar que todas as pessoas tenham acesso à adequada nutrição.

3) Alcançar vida saudável para todos. Dentre as metas estão: até 2030, acabar com a mortalidade e a morbidade maternas evitáveis; reduzir em um terço a morbidade, a mortalidade e a incapacidade por doenças não transmissíveis; reduzir pela metade o número de mortes evitáveis e de doenças provocadas por produtos químicos perigosos, pela poluição do ar (interior e exterior), pela poluição da água e do solo e outras formas de degradação ambiental.

4) Proporcionar educação de qualidade e oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Dentre as metas estão: até 2030, prover a todas as crianças acesso a educação infantil e básica de qualidade; assegurar aos meninos e meninas completar a educação primária (fundamental) e secundária (médio); integrar a educação aos programas de educação para o desenvolvimento sustentável, incluindo os direitos dos povos indígenas, direitos humanos, promovendo uma cultura de paz e não violência.

Fonte: Sustainable Development Knowledge Plataform, 2014.

Publicidade

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável –parte 2

    A proposta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) tem até 2030 como horizonte temporal para consecução. São 17 as propostas dos ODS. Nesta parte, traremos quatro dos ODS (propostas) e algumas metas.

    Importante ressaltar que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável só serão votados, em plenária na ONU, em 2015; portanto, ainda se encontram em discussão com todas as partes interessadas.

1) Acabar com a pobreza em todo lugar. Dentre as metas estão: até 2030, zerar o número de pessoas que vivem na extrema pobreza e reduzir pela metade a proporção das pessoas de todas as idades que estão abaixo do nível de pobreza.

2) Acabar a fome, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável. Dentre as metas estão: até 2030 acabar com a fome e assegurar que todas as pessoas tenham acesso à adequada nutrição.

3) Alcançar vida saudável para todos. Dentre as metas estão: até 2030, acabar com a mortalidade e a morbidade maternas evitáveis; reduzir em um terço a morbidade, a mortalidade e a incapacidade por doenças não transmissíveis; reduzir pela metade o número de mortes evitáveis e de doenças provocadas por produtos químicos perigosos, pela poluição do ar (interior e exterior), pela poluição da água e do solo e outras formas de degradação ambiental.

4) Proporcionar educação de qualidade e oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Dentre as metas estão: até 2030, prover a todas as crianças acesso a educação infantil e básica de qualidade; assegurar aos meninos e meninas completar a educação primária (fundamental) e secundária (médio); integrar a educação aos programas de educação para o desenvolvimento sustentável, incluindo os direitos dos povos indígenas, direitos humanos, promovendo uma cultura de paz e não violência.

Fonte: Sustainable Development Knowledge Plataform, 2014.