Meio Ambiente Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Meio Ambiente

Meio ambiente em tempos de pandemia

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Impacto Ambiental, Meio Ambiente

27 de Março de 2020

     O momento atual nos faz refletir sobre quem somos e onde estamos. Permite que compreendamos que nossas ações têm efeitos que alcançam tudo que nos cerca. Para toda consequência, houve uma causa.

    A natureza, nossa casa comum, hoje sofre em virtude de um vírus que avança, impiedosamente, sobre todos os espaços geográficos do Planeta. Um ser vivo que não conhece limites nem barreiras nacionais ou internacionais, que, sem nos pedir licença, está nos tirando, muitas vezes, até a paz de espírito.

Quadro Atual de Contaminação, em 27 de março de 2020.
Fonte: Johns Hopkins University, 2020.

     Ambientes insalubres são locais bem propícios à propagação e à disseminação de muitas doenças causadas por vírus e bactérias. A ausência, ou a ineficiência, do saneamento é um fator que amplia o risco. A qualidade de vida da população está intrinsicamente correlacionada à qualidade ambiental.

     Recordo que em 2015, o Papa Francisco publicou a Carta Encíclica Laudato Si, sobre o cuidado da casa comum, que não se trata de uma encíclica feita para católicos, apenas, mas para toda a humanidade, todas as religiões e todas as pessoas, mesmo as não-crentes.

     Nesta Encíclica, de maneira muito lúcida as palavras são: “contemplando o mundo, damo-nos conta de que este nível de intervenção humana, muitas vezes ao serviço da finança e do consumismo, faz com que esta terra onde vivemos se torne realmente menos rica e bela, cada vez mais limitada e cinzenta, enquanto ao mesmo tempo o desenvolvimento da tecnologia e das ofertas de consumo continua a avançar sem limites. Assim, parece que nos iludimos de poder substituir uma beleza insuprível e irrecuperável por outra criada por nós” (p. 29). “Nunca maltratamos e ferimos a nossa casa comum como nos últimos dois séculos” (p.43). “Não estamos a falar duma atitude opcional, mas duma questão essencial de justiça, pois a terra que recebemos pertence também àqueles que hão de vir” (p.122). “Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai suceder-nos, às crianças que estão a crescer?” (p.123)

    Nestes tempos de pandemia em que, cumprindo nosso sentimento humano de preservação de nossas vidas contra o inimigo invisível e poderoso, estamos reclusos em casa, que possamos parar e pensar sobre nossas ações sobre o meio ambiente, no passado, e o que esperarmos para o cenário futuro, quando essa situação se acalmar e passar.

Publicidade

Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa: 16ª edição

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

17 de Março de 2020

      A Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) está com as inscrições abertas para a indicação de nomes para concorrer ao Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa, edição 2020, sua 16ª edição.

      Os interessados em participar e indicar nomes de pessoas jurídicas devem preencher o formulário disponível aqui até o dia 27 de março.

      Conforme a assessoria de comunicação da SEMA, a premiação é anual e alternadamente homenageia uma pessoa física e/ou jurídica. O prêmio foi instituído (Decreto 27.781, de 26 de abril de 2005 ) pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga, que é presidido pela Secretaria do Meio Ambiente (SEMA). Na escolha do agraciado, conforme a assessoria de comunicação da SEMA, o Comitê analisa o histórico dos indicados de acordo com os seguintes critérios: prestação de relevantes serviços voltados à melhoria da qualidade da Caatinga; criação e implantação de projetos visando a recuperação e a conservação do bioma; e/ou publicação de trabalhos científicos e literários na defesa e promoção do mesmo

       A premiação já teve quinze edições, tendo como os ganhadores os citados na tabela abaixo:

Ano Agraciado  
2005 Patativa do Assaré Pessoa Física
2006 Associação Caatinga Pessoa Jurídica
2007 João Ambrósio Filho Pessoa Física
2008 Federação das Indústrias do Estado do Ceará – FIEC Pessoa Jurídica
2009 Luiz Francisco de Souza Pessoa Física
2010 Associação de Desenvolvimento Educacional e Cultural de Tauá: Mulheres da Caatinga Pessoa Jurídica
2011 Afrânio Gomes Fernandes Pessoa Física
2012 The Nature Conservancy Pessoa Jurídica
2013 Prof. Mauro Ferreira Lima Pessoa Física
2014 Fundação Araripe Pessoa Jurídica
2015 Antônio Renato de Lima Aragão Pessoa Física
2016 Cerâmica Torres Ltda. Pessoa Jurídica
2017 Antônio Rocha Magalhães Pessoa Física
2018 Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará Pessoa Jurídica
2019 Roberto Proença de Macedo Pessoa Física

Fonte: SEMA, 2020.

Publicidade

Avaliação de Impacto Ambiental: 5º Congresso Brasileiro

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Impacto Ambiental, Meio Ambiente

02 de Março de 2020

    O prazo para envio de resumos para o 5º Congresso Brasileiro de Avaliação de Impacto (CBAI2020) segue até 15 de março de 2020. A submissão do resumo não está vinculada ao pagamento da inscrição, porém o autor, para submeter, terá que fazer um cadastro em um sistema on line.

    Este ano o tema é “Entre opiniões e evidências: qual o papel da avaliação de impacto ambiental na sociedade?”. Em tempos de pós-verdade, em que existe forte pressão sobre os instrumentos de gestão ambiental, a exemplo do Licenciamento Ambiental e da Avaliação de Impacto Ambiental, o que nós, cidadãos, podemos e devemos fazer para sermos e/ou continuarmos como protagonistas no processo de tomada de decisão?

    O CBAI2020 é uma promoção da Associação Brasileira de Avaliação de Impacto e estará acontecendo entre os dias 5 a 9 de outubro de 2020, no Espírito Santo, na Universidade de Vila Velha. A presidente da Comissão organizadora, a Professora Titular Fernanda Veronez, do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES), informa que o evento “pretende discutir e resgatar as bases teóricas da avaliação de impacto e seu importante papel de levar informação para tomada de decisões baseadas em evidências”. Ela está bastante confiante que o evento contará “com a participação de profissionais das diversas áreas relacionadas ao meio ambiente vindos de várias partes do Brasil, alinhados na busca das melhores práticas para o campo da Avaliação de Impacto Ambiental”.

     As áreas temáticas em que os profissionais podem enviar resumos, estão descritas, a seguir:

 

– A reafirmação dos princípios e fundamentos que orientam a AIA em tempos de pós-verdade

– Métodos para identificação e predição de impactos aplicados à Avaliação de Impactos

– Boas práticas e inovações procedimentais em AIA e licenciamento ambiental

– O papel da ciência na AIA e no Licenciamento Ambiental

– Integração da AIA e instrumentos de política ambiental

– Termo de Referência para a elaboração de Estudos

– Racionalidade nas tomadas de decisão ambiental

– Regulação da AIA e do licenciamento ambiental

– Qualidade dos estudos de impacto ambiental

– Impactos sociais, culturais e sobre a saúde

– Efetividade dos sistemas de AIA no Brasil

– AIA e a conservação da biodiversidade

– Impactos cumulativos e sinérgicos

– Avaliação Ambiental Estratégica

– AIA e participação da sociedade

– Serviços ecossistêmicos e AIA

– Governança Ambiental e AIA

– Mudanças climáticas e AIA

– Integração AIA/SGA

     Aos interessados em saber mais ou fazer a sua inscrição e submeter resumo, cliquem aqui. 

Fonte: CBAI 2020

Publicidade

Quadro Global de Biodiversidade Pós-2020

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

27 de Fevereiro de 2020

    De 24 a 29 de fevereiro de 2020, acontece a 2ª Reunião do Grupo de Trabalho Aberto sobre o Quadro Global de Biodiversidade Pós-2020, na Sede da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em Roma, Itália.

    Na pauta de discussões, assuntos como a redução das ameaças à biodiversidade, mobilização de recursos financeiros e financiamento para promover agricultura sustentável, dentre outros.

     As negociações acontecem por assunto e as partes interessadas levam cerca de 30 minutos para fornecer seus pontos de vista sobre cada objetivo a ser discutido, o que tem permitido progresso ainda mais rápido. Ainda não se sabe se essa atitude positiva se manterá durante a semana, pois os delegados que saíram das reuniões do grupo de contatos expressaram preocupação com a rápida disseminação do coronavírus (covid 19) e se isso pode afetar a conclusão da reunião de trabalho.

Fonte: UN, 2020.

     A expectativa do Quadro Global da Biodiversidade (Biodiversity Framework – GBF) é avançar preparativos para o desenvolvimento da política global pós-2020. Espera-se que esse processo leve a adoção de um quadro global de biodiversidade pós-2020 na Conferência sobre Biodiversidade da Organização das Nações Unidas, que acontecerá em outubro de 2020, em Kunming, China.

     É preciso verificar o alcance e os resultados do Plano Estratégico de Biodiversidade 2010-2020, notadamente as Metas de Biodiversidade de Aichi, que tinham horizonte de consecução até 2020, no sentido de ampliar ações de manejo sustentável da biodiversidade. Ademais, é necessário fortalecer o Plano que contém a “Visão para a Biodiversidade em 2050”, ou seja, até 2050, a biodiversidade deve ser valorizada, conservada, restaurada e usada com sabedoria, com manutenção dos serviços ecossistêmicos, e proporcionando benefícios essenciais para todas as pessoas.

Fonte: ONU/FAO, 2020.

Publicidade

Horta em casa ou apartamento: uma boa ideia

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente

22 de Fevereiro de 2020

É possível ter horta em casa ou apartamento, em espaços reduzidos, no intuito de cultivar ervas e temperos, que podem dar beleza ao ambiente, além de promover a alimentação do dia a dia.

     A jornalista Jordanna, em entrevista com jardinista Fabrício colheu as seguintes dicas para hortas: plantar manjericão, por ocupar pouco espaço e de fácil manutenção, adaptando-se em vasos. O manjericão roxo e o manjericão branco também.

     Ainda tem-se a pimenta, que também adapta-se em vasos, a exemplo da dedo de moça e a malagueta, bem como a hortelã. Esta deve ser separada das outras plantas por seu aroma forte e a velocidade que sua raiz se espalha, podendo prejudicar o crescimento de outras plantas.

    Seguem algumas dicas para adaptar em ambientes internos:

Foto: Esdras Guimarães, 2020.

1) Palete de madeira com vários vasinhos de plantas pode conferir um ar diferente à casa, deixando o ambiente mais bonito e agradável, com horta simples, barata e criativa.

2) Latinhas reaproveitadas de leite coladas com imã na geladeira, configurando uma hortinha para pregar na lateral da geladeira.

3) Vasos em sapateira de armário, reconfigurando um móvel usado. É só escolher um local estratégico da casa.

4) Vasos coloridos, pendurados na varanda, podem dar um charme especial ao espaço.

5) Potes de vidros com hortaliças, apoiados em bandeja vintage, garantem uma reutilização dos materiais e permitem viabilizar a horta.

     É importante lembrar que é preciso cuidar bem para que as hortaliças se desenvolvam adequadamente para que se mantenham sempre vivas. O Jardinista explica que, em geral, “as hortaliças precisam de muita luz natural. Por isso, é importante escolher um local perto da janela, por exemplo, para montar sua horta. As folhas amareladas e secas enfraquecem a planta, então, é importante tirar sempre. Nunca arranque os galhos com as mãos. Utilize sempre tesouras. Algo muito importante: jamais encharque a terra, pois a rega descontrolada causa fungos”.

Publicidade

Mestrado em Tecnologia e Gestão Ambiental: processo seletivo 2020

Por Nájila Cabral em Impacto Ambiental, Meio Ambiente, Saneamento Ambiental

14 de Fevereiro de 2020

    Estão abertas as inscrições para o Mestrado Acadêmico em Tecnologia e Gestão Ambiental, do Instituto Federal do Ceará – Campus Fortaleza. O curso é recomendado pela CAPES e atua na área de Engenharias I.

Fonte: IFCE, 2020.

    O Curso tem duração prevista de 24 meses, incluindo o tempo de elaboração de dissertação de mestrado. O Curso é constituído por atividades de ensino (aulas de disciplinas, palestras e seminários), de pesquisa aplicada, de produção intelectual (acadêmica e técnica) e de inserção social, das quais o aluno nele matriculado precisa obrigatoriamente participar e cumprir de maneira efetiva, comprometendo-se a realizar todas as atividades, preferencialmente com dedicação exclusiva ao curso.

     Serão oferecidas 13 vagas para ingresso, área de concentração em Gestão e Saneamento Ambiental, nas quatro linhas de pesquisa do PGTGA. As inscrições para seleção de candidatos estarão abertas durante o período de 14 a 22 de fevereiro de 2020 e devem ser feitas no site do IFCE. O processo seletivo estará aberto a todos os portadores de diploma oficial ou reconhecido.

     Aos interessados em se inscrever, cliquem aqui.  Aos interessados em acessar o edital e saber mais sobre o processo de seleção, cliquem aqui. Para acessar os anexos, cliquem aqui.

    Fonte: IFCE, 2020.

Publicidade

Fórum Urbano Mundial e as cidades sustentáveis

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Urbanismo

09 de Fevereiro de 2020

     No período de 8 a 13 de fevereiro de 2020, dezoito mil participantes de 168 países estão reunidos em Abu Dhabi para a 10ª Sessão do Fórum Urbano Mundial (World Urban Forum – WUF), cuja temática “Cidades de Oportunidades: conectando cultura e inovação” permite a discussão e abordagem dos desafios da urbanização sustentável.

     Instituído em 2001 pelas Nações Unidas, convocado pela ONU-Habitat, o WUF tem por objetivos: sensibilizar tomadores de decisão para a urbanização sustentável; melhorar o conhecimento coletivo sobre desenvolvimento urbano sustentável por meio de debates abertos e inclusivos; e promover a colaboração e cooperação entre diferentes partes interessadas no intuito de implementação da urbanização sustentável.

    A figura mostra os eventos anteriores, seus locais de realização, temas abordados e número de participantes. No ano de 2016, a 8ª Sessão do Fórum Urbano Mundial ocorreu em paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento urbano Sustentável (Habitat III).

Fonte: WUF, 2020.

     Nessa 10ª Sessão do WUF os debates promoverão a oportunidade de comunidades multiculturais e multigeracionais em explorar o papel da cultura e inovação na implementação da Nova Agenda Urbana, no sentido de se alcançar as dimensões urbanas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Fonte: WUF, 2020.

Publicidade

Chuvas excessivas: cuidados para as plantas não morrerem

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente

05 de Fevereiro de 2020

     Algumas ações podem ser feitas para que o jardim possa ficar mais resistente aos prováveis danos causados pela chuva, tais como: realizar podas adequadas e reforçar plantas com nitrogênio, fósforo e potássio.

Foto: Jordanna, GiraSol Assessoria, 2020.

     Em jardins externos, as chuvas excessivas podem se constituir motivo de preocupação maior, pois a água em excesso pode ser prejudicial para a beleza e a saúde dos jardins. O jardinista Fabrício Pereira informa que “apesar de servir como condutor dos nutrientes que mantém a seiva alimentada, o excesso de água deixa o solo encharcado e varre os nutrientes para longe das plantas. Além disso, a umidade é campo fértil para a proliferação de bactérias e fungos, que se alimentam de folhas, flores e frutos”. Se o solo não absorve toda a água em excesso, as raízes das plantas são as primeiras a sofrerem e, em muitas vezes, isso pode ser fatal.

    Para prevenir os danos causados pela chuva em excesso seria interessante agir preparando o solo antes do plantio, aprontando o espaço de forma correta para drenagem “com tubos corrugados, específicos para drenagem manta bidim, pedra brita ou seixo de rio”. Outra opção bastante utilizada é a instalação de sombrite, tela usada em estufas, que permite a incidência de raios solares e a passagem controlada da água da chuva.

    Para os cuidados pós-chuva importante evitar regas e observar manualmente o solo e as plantas, em especial as folhas. Quando elas amarelarem ou ficarem com aspecto estranho, talvez seja necessário poda de contenção e reforço na adubação”, finaliza o jardinista.

Fonte: Jordanna, GiraSol Assessoria, 2020.

Publicidade

Necessidade de ações urgentes em mudanças climáticas: Fórum Econômico Mundial 2020

    No período de 21 a 24 de janeiro de 2020, líderes mundiais estiveram reunidos para o 50º Encontro Anual do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Na agenda de discussões a temática ambiental direcionou os compromissos, notadamente a questão das mudanças climáticas.

    Os jovens presentes em Davos tiveram participação importante, a exemplo de Greta Thunberg que falou aos líderes: “nossa casa continua em chamas”. No dia 23 de janeiro, o Secretário Geral da Organização as Nações Unidas (ONU), António Guterres, comentou que “o mundo está condenado diante das mudanças climáticas, a menos que os principais países industrializados reduzam suas emissões de gases de efeito estufa”.

    O esforço deve ser conjunto. Todos são responsáveis por tentar evitar que as mudanças climáticas impactem mais ainda não apenas a economia, mas a base geofísica que sustenta a vida no Planeta. O Secretário Geral da ONU observou também que é preciso que os grandes emissores de gases de efeito estufa se comprometam e ajam o mais breve possível.

    Um dos documentos finais do Fórum Econômico Mundial foi o Manifesto Davos 2020: uma proposta universal das empresas na 4ª Revolução Industrial. Dentre as diretrizes do Manifesto está: “a empresa é algo mais que uma unidade econômica geradora de riqueza. Atende às aspirações humanas e sociais no marco do sistema social em seu conjunto. O rendimento não deve ser medido tão somente como benefícios a seus acionistas, mas também em relação com o cumprimento dos objetivos sociais e ambientais”.

    Para saber mais sobre o Manifesto Davos 2020, cliquem aqui. 

Fonte: UN, 2020.

Publicidade

Programa Selo Município Verde: 13ª edição

     Estão abertas as inscrições para a 13ª edição do Programa Selo Município Verde (PSMV), programa de certificação ambiental pública do Estado do Ceará, que intenciona avaliar os municípios com relação ao seu compromisso com as premissas de sustentabilidade.

     As inscrições são gratuitas e a única exigência para inscrição é que o município tenha implementado o Conselho Municipal de Meio Ambiente. As inscrições seguem até dia 28 de fevereiro de 2020, pelo site da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), que coordena mencionado programa.

     O Programa Selo Município Verde foi instituído por meio da Lei Estadual no 13.304/2003, alterada pela Lei Estadual n 16.128/2016 (que tornou a certificação bianual), regulamentado pelos Decretos Estadual no 27.073/2003 e 27.074/2003. A avaliação segue critérios definidos e aprovados pelo Conselho Gestor do PSMV, seguindo a regulamentação e todos os dispositivos legais pertinentes a esse instrumento.

    Desde o ano passado, a SEMA disponibilizou em seu site um Manual Técnico do Programa Selo Município Verde 13ª Edição, que contém todas as informações necessárias ao entendimento e ao cumprimento dos critérios das diferentes variáveis ambientais, dispostas nos cinco eixos temáticos. Para acessar o manual, cliquem aqui.  

     Mais informações podem ser encontradas no regulamento da 13ª Edição, publicado no Diário Oficial do Estado, número 237, do dia 13 de dezembro de 2019, disponível aqui. 

     Aos municípios cearenses interessados em se inscrever, cliquem aqui. 

Fonte: SEMA, 2020.

Publicidade

Programa Selo Município Verde: 13ª edição

     Estão abertas as inscrições para a 13ª edição do Programa Selo Município Verde (PSMV), programa de certificação ambiental pública do Estado do Ceará, que intenciona avaliar os municípios com relação ao seu compromisso com as premissas de sustentabilidade.

     As inscrições são gratuitas e a única exigência para inscrição é que o município tenha implementado o Conselho Municipal de Meio Ambiente. As inscrições seguem até dia 28 de fevereiro de 2020, pelo site da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), que coordena mencionado programa.

     O Programa Selo Município Verde foi instituído por meio da Lei Estadual no 13.304/2003, alterada pela Lei Estadual n 16.128/2016 (que tornou a certificação bianual), regulamentado pelos Decretos Estadual no 27.073/2003 e 27.074/2003. A avaliação segue critérios definidos e aprovados pelo Conselho Gestor do PSMV, seguindo a regulamentação e todos os dispositivos legais pertinentes a esse instrumento.

    Desde o ano passado, a SEMA disponibilizou em seu site um Manual Técnico do Programa Selo Município Verde 13ª Edição, que contém todas as informações necessárias ao entendimento e ao cumprimento dos critérios das diferentes variáveis ambientais, dispostas nos cinco eixos temáticos. Para acessar o manual, cliquem aqui.  

     Mais informações podem ser encontradas no regulamento da 13ª Edição, publicado no Diário Oficial do Estado, número 237, do dia 13 de dezembro de 2019, disponível aqui. 

     Aos municípios cearenses interessados em se inscrever, cliquem aqui. 

Fonte: SEMA, 2020.