Estratégias para biodiversidade – resultados da COP 12 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Estratégias para biodiversidade – resultados da COP 12

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

04 de novembro de 2014

   O Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020 está chegando a sua metade dentro em breve, o que provocou a realização da 12ª Reunião da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD/COP 12) convocada para intensas negociações. Mencionada COP ocorreu no período de 06 a 17 de outubro de 2014, em Pyeongchang , República da Coreia.

    A seguir os principais resultados:

 – A revisão do Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020 revelou uma taxa insuficiente de progresso para a maior parte das Metas de Biodiversidade de Aichi . Das 53 sub-metas, 15 mostraram nenhum progresso, em virtude das pressões contínuas sobre a biodiversidade (incluindo a degradação e fragmentação de habitats, a poluição por nutrientes em excesso e pressões antropogênicas sobre os recifes de coral), bem como em virtude de causas estruturais persistentes de perda de biodiversidade (por exemplo, subsídios prejudiciais à biodiversidade).

maior esforço será ser necessário a fim de manter o cumprimento das metas até 2020. O aumento da mobilização de recursos financeiros em níveis nacionais e internacionais, a partir de uma variedade de fontes, incluindo os mecanismos de mercado e do setor privado é, extremamente, necessário.

os governos devem integrar a biodiversidade em todos seus setores, incluindo a biodiversidade em prioridades nacionais e em seus planos de desenvolvimento, procurando combater os incentivos perversos e influenciando as políticas e estratégias para melhor proteger a biodiversidade. Importante, ainda, rever a Estratégia Nacional de Biodiversidade e Planos de Ação setoriais.

– a adoção da nova terminologia “Os povos indígenas e as comunidades locais” pode ser considerada como um passo importante para a participação plena e efetiva dos povos indígenas dentro do sistema das Nações Unidas.

Fonte: IDDRI – Institut du développement durable et des relations internationales

Publicidade aqui

Estratégias para biodiversidade – resultados da COP 12

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

04 de novembro de 2014

   O Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020 está chegando a sua metade dentro em breve, o que provocou a realização da 12ª Reunião da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD/COP 12) convocada para intensas negociações. Mencionada COP ocorreu no período de 06 a 17 de outubro de 2014, em Pyeongchang , República da Coreia.

    A seguir os principais resultados:

 – A revisão do Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020 revelou uma taxa insuficiente de progresso para a maior parte das Metas de Biodiversidade de Aichi . Das 53 sub-metas, 15 mostraram nenhum progresso, em virtude das pressões contínuas sobre a biodiversidade (incluindo a degradação e fragmentação de habitats, a poluição por nutrientes em excesso e pressões antropogênicas sobre os recifes de coral), bem como em virtude de causas estruturais persistentes de perda de biodiversidade (por exemplo, subsídios prejudiciais à biodiversidade).

maior esforço será ser necessário a fim de manter o cumprimento das metas até 2020. O aumento da mobilização de recursos financeiros em níveis nacionais e internacionais, a partir de uma variedade de fontes, incluindo os mecanismos de mercado e do setor privado é, extremamente, necessário.

os governos devem integrar a biodiversidade em todos seus setores, incluindo a biodiversidade em prioridades nacionais e em seus planos de desenvolvimento, procurando combater os incentivos perversos e influenciando as políticas e estratégias para melhor proteger a biodiversidade. Importante, ainda, rever a Estratégia Nacional de Biodiversidade e Planos de Ação setoriais.

– a adoção da nova terminologia “Os povos indígenas e as comunidades locais” pode ser considerada como um passo importante para a participação plena e efetiva dos povos indígenas dentro do sistema das Nações Unidas.

Fonte: IDDRI – Institut du développement durable et des relations internationales