Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Saúde

Overnight Oats é uma opção saudável para café da manhã

Por Oswaldo Scaliotti em Saúde

06 de Maio de 2020

Conhecida como “aveia amanhecida”, a receita é rica em fibras e outros nutrientes
Cada vez mais tendência na alimentação e indicação de nutricionistas, o “Overnight Oats”, traduzido para o português como “aveia amanhecida”, é uma receita que reúne os principais ingredientes para um café da manhã nutritivo e saudável, além de ser de fácil produção.
Segundo a nutricionista e professora dos cursos de Nutrição e Gastronomia da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau Fortaleza, Lianna Cavalcante, a base da receita original deve conter aveia e leite – ou algum outro tipo de cereal (como chia) e extrato vegetal no lugar do leite (como “leite” de coco) –, amêndoas ou soja, e um complemento, como frutas, granola ou castanhas.
“É uma receita que deve ser preparada na noite anterior. Você coloca os ingredientes em um pote de vidro, deixa descansando na geladeira durante a noite e consome pela manhã do outro dia”, disse a nutricionista. Entre os benefícios, a professora da UNINASSAU ressalta que a aveia, por exemplo, é rica em fibra (beta-glucana), que ajuda a diminuir o “colesterol ruim” e, com isso, ajuda no combate de doenças cardiovasculares e aumenta a sensação de saciedade. Já o leite, é rico em proteínas e vitamina A, vitamina D, ácido fólico (vitamina B9), vitamina B12, colina, cálcio, fósforo, magnésio, selênio, que ajudam a melhorar a imunidade, e as frutas vão de acordo com o gosto de cada pessoa.
“A ideia da receita é usar a criatividade e, ao longo da semana, variar as frutas e os ingredientes. É uma refeição completa que vai ajudar na correria do dia e, além disso, você pode optar por colocar em uma bolsa térmica e consumir como lanche no meio da manhã ou antes de um treino, por exemplo”, ressalta Lianna.
Confira abaixo uma receita de Overnight Oats:
Ingredientes:
2 colheres de aveia; 1 colher de chia; 50ml de leite; Frutas de sua preferência; 1 colher de mel; Granola (opcional) e 1 recipiente de vidro com tampa.
Modo de preparo:
Misture a aveia, chia, mel e o leite. Após isso, coloque as frutas, a granola e deixe na geladeira descansando durante a noite. No outro dia, é só consumir.
Publicidade

Coronavírus: Prefeitura de Maracanaú entrega primeiros 19 leitos 

Por Oswaldo Scaliotti em Coronavírus, Saúde

20 de Abril de 2020

Covid-19 ] Até maio, Hospital Municipal de Maracanaú receberá um total de 39 leitos, sendo 15 de UTI com respiradores, 23 leitos clínicos e sala de reanimação para pacientes com Coronavírus

A Prefeitura de Maracanaú entregou oficialmente nesta segunda-feira, 20, os primeiros 19 leitos voltados para pacientes com Coronavírus (Covid-19) no Hospital Municipal Dr. João Elísio de Holanda. São 5 leitos de Unidade de Terapia Intensiva – UTI com respiradores, 13 leitos clínicos e uma sala de reanimação, todos localizados no primeiro andar do Hospital. A entrega foi prestigiada pelo prefeito Firmo Camurça, deputada estadual Fernanda Pessoa, secretário de Saúde, Torcápio Vieira, e secretária executiva de Saúde, Cristina Oliveira, entre outras autoridades.

Mais leitos – Em maio, em área próxima ao Setor de Emergência do Hospital Municipal, serão instalados mais 20 leitos, sendo 10 de UTI com respiradores e 10 clínicos. No total, o Hospital contará com 39 leitos exclusivos para pacientes com Covid-19.

Publicidade

Prefeitura de Maracanaú inaugura leitos para pacientes com Coronavírus na próxima segunda-feira, 20 de abril

Por Oswaldo Scaliotti em Coronavírus, Saúde

17 de Abril de 2020

Covid-19 ] Hospital Municipal de Maracanaú receberá um total de 38 leitos, sendo 15 de UTI com respiradores, 23 leitos clínicos e sala de reanimação para pacientes com Coronavírus

A Prefeitura de Maracanaú irá entregar na próxima segunda-feira, 20, os primeiros 18 leitos voltados para pacientes com Coronavírus (Covid-19) no Hospital Municipal Dr. João Elísio de Holanda. São 5 leitos de Unidade de Terapia Intensiva – UTI com respiradores, 13 leitos clínicos e uma sala de reanimação, todos localizados no primeiro andar do Hospital.

Mais leitos – Em maio, em área próxima ao Setor de Emergência do Hospital Municipal, serão instalados mais 20 leitos, sendo 10 de UTI com respiradores e 10 clínicos. No total, o Hospital contará com 38 leitos e uma sala de reanimação exclusiva para pacientes com Covid-19.

Publicidade

Como se exercitar no seu condomínio de maneira segura 

Por Oswaldo Scaliotti em Coronavírus, Saúde

06 de Abril de 2020

Para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) os órgãos de saúde internacionais recomendam que as pessoas mantenham-se em isolamento social, longe das atividades costumeiras dos seus cotidianos. Com isso, a rotina de várias pessoas teve que se adaptar. Agora, atividades físicas, por exemplo, devem continuar sendo feitas, porém com o máximo de cautela possível.

 

A Diagonal, referência no mercado de construção de habitações, listou quais ambientes, internos da sua residência, ou na área comum do seu condomínio, você pode utilizar para desenvolver atividades físicas de maneira segura, auxiliando na manutenção da sua rotina de atividades físicas, confira.

 

Comece em casa

O local mais ideal para se praticar exercícios físicos nesse momento é dentro da sua casa. Afinal, este é um dos únicos lugares em que você tem o controle de quem transita. De acordo com Reginaldo Parente, engenheiro, da Diagonal, o cômodo mais indicado para a prática é a sala. “Como a sala, geralmente, é o local maior da sua casa, basta afastar o sofá e a cadeiras, pronto alí você já vai ter um excelente espaço para realizar atividades em solo, aeróbicos, funcionais e de alongamento”, reforça.

 

De acordo com Júlio César, mestre em Ciências Médicas e profissional de educação física da Ayo Fitness Club, academia de referência no mercado fitness em Fortaleza, antes do início de cada prática, o recomendado é se alongar. “Você pode começar com uma alongamento para que auxilia no estiramento de boa parte das fibras musculares, além de propiciar uma amplitude maior dos movimentos, melhorando a performance em diferentes atividades físicas”, recomenda.

 

A varanda é uma boa escolha

Caso seu apartamento ou casa possua uma varanda ampla que permita sua livre circulação, ótimo. O local é excelente para a prática de atividades físicas, pois é iluminado e arejado, recomendação de local ideal segundo os órgãos internacionais de saúde. Reginaldo, frisa a importância de ambientes como esse na hora de se exercitar. “A varanda é o local ideal para todas as práticas, já que o local possui uma boa incidência de luz do sol, e é arejado, conforme as recomendações dos órgãos de saúde para evitar a proliferação do vírus” define.

 

Além dos alongamentos, Julio César, indica que treinos funcionais que trabalhem a parte aeróbica sejam feitos. “Existe uma gama de exercícios aeróbicos que podem ser feitos nesses ambientes, como pular corda, polichinelos, flexões e agachamentos. Se preferir, você também pode dançar, tudo respeitando os limites do seu corpo. Como a varanda é um espaço aberto, a prática se tornará muito mais agradável e as atividades físicas promovem a liberação de serotonina, hormônio ligado a sensação de bem estar, humor. Quando esses hormônios estão em níveis mais elevados, suprime os níveis de ansiedade e estresse, que são ocasionadas pela situação de enclausuramento. ” relata.

 

Com cautela, espaços comuns também são opção

Sabemos que os espaços comuns dos condomínios devem ser evitados caso haja aglomerações de pessoas. Porém, de acordo com o engenheiro, esses locais podem ser utilizados, com algumas restrições. “Para utilizar espaços comuns do seu condomínio como o deck, salão de festas e quadras basta estar atento a quantidade de pessoas no local e se os materiais de limpeza adequados estão ao alcance de todos. Caso não tenha uma grande incidência de pessoas e haja materiais como álcool em gel 70% e recipientes para lavar as mãos, pode ser feito o uso desses ambientes ”, indica.

 

“A prática de atividades físicas é importante porque contribui para a redução de peso e níveis de gordura corporal. Escolha um horário que não tenha ninguém, ou uma quantidade mínima de pessoas possível. Geralmente esses espaços são maiores, então neles você pode realizar corridas, saltos, alongamentos e testes de resistência. Mas é importante lembrar que a higienização é extremamente importante após o fim das atividades” finaliza Júlio César.

Publicidade

Coronavírus: Atenção à saúde mental das crianças durante a quarentena

Por Oswaldo Scaliotti em Coronavírus, Saúde

03 de Abril de 2020

Especialista alerta para sintomas de ansiedade das crianças durante o período de isolamento

Com a orientação para a continuidade do isolamento social como forma de prevenção a disseminação do Covid-19, boa parte da população mantém sua rotina alterada, e entre eles, as crianças.

Com a suspensão das aulas na rede pública e antecipação das férias na rede privada, as crianças permanecerão por pelo menos mais um mês em casa. Com tanta energia para gastar, é importante que os pais/responsáveis mantenham uma base de atividades para evitar a ociosidade.

A neuropsicóloga Liane Bastos destaca que é recomendado uma conversa sobre o assunto, “Para aliviar o estresse e a ansiedade da rotina alterada de forma repentina, é importante que se converse com os pequenos sobre os acontecimentos. Sem entrar em detalhes que possam assustá-los, é necessário que as famílias conversem, sabendo que muitas crianças já possuem capacidade de entender e reproduzir ações que ajudem no combate ao vírus, como lavar as mãos”.

Para a profissional, tentar manter uma programação de atividades, mesmo que em casa, é outra forma de evitar irritabilidades nas crianças, “Manter os horários de dormir e acordar, os costumes alimentares, envolve-los em atividades físicas como alongamento, yoga, destinar tempo para brincadeiras e estudos do dia a dia, reforça a sensação de “normalidade” e permite menores traumas sobre o assunto”, enfatiza.

Outro desafio que a neuropsicóloga destaca é conseguir usar a energia dessas crianças que não tem espaço pra correr e brinca, “Uma sugestão é utilizar aplicativos de dança, que ensinam passos ao longo do ritmo da música. Além das crianças gastarem energia, garantem uma boa diversão”.

Para as crianças que frequentam terapia ou realizam tratamento para déficit de atenção, autismo e outros, Liane ressalta que é fundamental manter o contato com o profissional de confiança, “Optar pelos atendimentos on-line é uma boa alternativa para dar continuidade ao tratamento já realizado, para que não haja interrupção na evolução desse paciente”, pontua.

Publicidade

Unimed Fortaleza disponibiliza hotsite com principais informações sobre o coronavírus

Por Oswaldo Scaliotti em Coronavírus, Saúde

27 de Março de 2020

Apesar de nos últimos dias circularem muitas informações sobre coronavírus, seja na imprensa seja nas redes sociais, muitos ainda têm dúvidas sobre o assunto. Pensando nisso, a Unimed Fortaleza lançou um hotsite (www.unimedfortaleza.com.br/coronavirus) com tudo que é preciso saber sobre a Covid-19. Na página, é possível conhecer os principais sintomas e as características da doença, as orientações sobre quando procurar atendimento médico, as informações sobre o exame de confirmação e o uso de máscaras, etc.

 

No hotsite, está disponibilizado ainda o número da Central de Atendimento Coronavírus 24h que a Unimed Fortaleza está oferecendo aos seus clientes, um teste online para avaliar se os sintomas se encaixam como caso suspeito da Covid-19, bem como vídeos com os conteúdos mais relevantes sobre o coronavírus na voz do presidente da cooperativa Dr. Elias Leite, e da infectologista Dra. Lícia Pontes, que coordena a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do Hospital Unimed.

Publicidade

Ortopedista, traumatologista e reumatologista: qual médico procurar?

Por Oswaldo Scaliotti em Saúde

02 de Janeiro de 2020

Muitas vezes, os sintomas confundem pacientes na hora de buscar atendimento médico. Dores na coluna, pescoço, pernas, joelhos, pés, mãos, braços e bacia são sinais de que algo pode estar errado no sistema locomotor.

E aí, qual especialista procurar? Saiba como distinguir quando o caso é missão para um ortopedista, reumatologista ou traumatologista.

Antes, vale entender o que é o sistema locomotor. Ele é responsável pela capacidade de sustentação e movimentação do corpo humano. É formado pelo conjunto de ossos que formam o esqueleto e o sistema muscular. Podemos considerar que os ossos são a parte passiva da estrutura do corpo; já os músculos a parte ativa, ou seja, a engrenagem que faz tudo funcionar. Tendões e ligamentos são as estruturas que unem as duas partes.

Ortopedia

Essa é a especialidade médica que cuida de lesões e alterações do funcionamento do sistema locomotor. Um ortopedista deve ser procurado em caso de dores relacionadas a movimentação em qualquer região da coluna, pescoço, membros superiores, inferiores e quadris.

Doenças crônicas como a osteopenia, causada pela perda da densidade dos ossos, inflamações decorrentes de movimentos repetitivos das mãos, braços e ombros, além de lesões musculares, causadas pela postura errada ao sentar-se e se deitar, também deverão ser tratadas pelo ortopedista.

Traumatologia

Como o nome sugere, o traumatologista é um ortopedista responsável por tratar traumas nos ossos, músculos e articulações, como fraturas e torções.

Esse especialista deve ser procurado em casos de acidentes de qualquer natureza traumática como acidentes no trabalho, domésticos, em vias públicas, lesões ocorridas na prática de esportes ou provocadas ou qualquer impacto forte.

O ortopedista traumatologista é habilitado a realizar procedimentos de imobilização, implantação de próteses, cirurgias para fixação de ossos quebrados e indicação de fisioterapias.

Reumatologia

A reumatologia trata de dores decorrentes de alterações bioquímicas, doenças autoimunes e sistêmicas, como fibromialgia, lúpus eritematoso, febre reumática, osteoporose, gota, tendinites e bursites, febre reumática, artrite e outras patologias.

É diferente da ortopedia, que cuida de lesões fisiológicas e anatômicas.

O tratamento reumatológico é exclusivamente medicamentoso, ou seja, esses especialistas não realizam cirurgias.

Como detectar?

Às vezes o paciente não consegue identificar dores musculares e ósseas decorrentes de problemas reumáticos. Nesse caso, o indicado é procurar um clínico geral ou até mesmo um ortopedista, que poderá, por meio de anamnese e exames, indicar o tratamento ou encaminhar a outro especialista.

Exames

As patologias e lesões do sistema locomotor são identificadas por meio de exames específicos. Um diagnóstico mal feito induz ao erro e, neste caso, os problemas podem se agravar ou se tornarem irreversíveis.

Para um diagnóstico correto, é muito importante que o paciente procure um centro de referência em ortopedia e reumatologia, que possua médicos confiáveis e equipamentos modernos.

A seguir, uma lista dos principais exames para detectar problemas no sistema locomotor:

  • Raio-X: um dos mais comuns, nada mais é do que uma espécie de fotografia interna da região para uma avaliação visual do médico. Em casos mais simples, esse exame é suficiente para detectar a lesão.
  • Tomografia computadorizada: é um exame mais sofisticado e moderno, que oferece imagens detalhadas para diagnósticos em casos mais complexos. A tomografia oferece uma visão de 360 graus da região, o que permite análises por vários ângulos.
  • Ressonância magnética: também é um exame de imagem, mas sem radiação. É utilizada para investigar tecidos moles, como cartilagens e músculos e diagnosticar tendinites, lesões de ligamentos e hérnias de disco. É um procedimento sofisticado, capaz de detectar condições clínicas mais complexas.
  • Densitometria óssea: esse exame detecta perda de massa óssea, possibilitando o diagnóstico, prevenção e tratamento da osteoporose, patologia comum a partir dos 50 anos. Quanto menor a densidade de cálcio dos ossos, maiores são os riscos de fraturas.
Publicidade

Quando se preocupar com a ansiedade?

Por Oswaldo Scaliotti em Saúde

05 de dezembro de 2019

Há uma epidemia de ansiedade em vários países e a Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta para um crescimento do transtorno internacionalmente. Inclusive, uma pesquisa da instituição colocou o Brasil como líder do ranking de países mais ansiosos do mundo. Atualmente quase 9.5% dos brasileiros são diagnosticados com a doença.

Entretanto, a ansiedade por si só é uma reação normal do corpo a situações estressantes. Por exemplo, uma grande viagem ou a antecipação de um discurso em público podem fazer com que qualquer um se sinta ansioso. Nesses casos, ela pode ser positiva, já que mantém o cérebro em um estado maior de alerta.

A grande questão é quando a ansiedade começa a atrapalhar o dia a dia da pessoa, impedindo-a de cumprir planos e reduzindo imensamente sua qualidade de vida. A partir desse ponto, trata-se de um transtorno de ansiedade.

O que é o transtorno de ansiedade

O transtorno de ansiedade é caracterizado por níveis excessivos de preocupação, que normalmente não correspondem à realidade. Assim, a pessoa com essa condição tem grande dificuldade em administrar seus medos e aflições, a ponto de não conseguir mais realizar atividades cotidianas, tendo sua rotina prejudicada. Os sentimentos variam de intensidade, mas costumam permanecer por alguns meses e as crises tendem a se tornar cada vez mais frequentes.

Para que haja o diagnóstico, é preciso marcar uma consulta com um psiquiatra. Só um médico da área poderá afirmar se, de fato, trata-se de um transtorno de ansiedade, já que existem diferentes maneiras que a condição se manifesta. Além disso, se houver necessidade de prescrição de medicamentos, é imprescindível que haja um acompanhamento profissional.

O tratamento psicoterápico também pode auxiliar bastante. Para isso, é preciso encontrar um terapeuta qualificado e de confiança para orientar o paciente sobre formas de controlar sua ansiedade.

Sintomas do transtorno de ansiedade

O transtorno de ansiedade é, como todos os transtornos mentais, extremamente relativo. Isso quer dizer que os sintomas e a forma com que a doença irá se manifestar dependerá de diversos fatores, desde características genéticas da pessoa à criação e hábitos adquiridos ao longo da vida.

Porém, existem alguns sintomas comuns aos quais é preciso se atentar:

 

Hipervigilância e inquietação

O transtorno de ansiedade pode fazer com que a pessoa sinta que está sempre em perigo, mesmo quando isso não é o caso.

Por isso, é comum que, em momentos de crise, muitos se sintam inquietos e muito atentos aos seus sentimentos ou a barulhos e movimentos ao seu redor.

 

Tensões e dores musculares

Por estar em constante estresse, o corpo tende a se tensionar. Por isso, é comum que músculos se enrijecem e doam um pouco.

As dores podem aparecer principalmente nas costas, pescoço e ombros.

 

Dificuldades para dormir

Também devido à intensidade das preocupações, não é raro que muitas pessoas com o transtorno tenham dificuldade para dormir, desenvolvendo quadros de insônia.

As poucas horas de sono também podem ocasionar cansaço e fadiga ao longo do dia.

 

Batimentos cardíacos acelerados

Pelo estresse, no ápice das crises, é comum que haja um aumento considerável dos batimentos cardíacos.

Em muitos casos, é possível que essa aceleração seja acompanhada de dores no peito. Por isso, às vezes, algumas pessoas que estão vivenciando uma crise de ansiedade ou de pânico pensam se tratar de um ataque cardíaco.

 

Sudorese acentuada

Por o nosso cérebro lidar com a crise de ansiedade como se estivéssemos em uma situação perigosa e de risco, muitos dos sintomas são respostas naturais do corpo ao estresse. Um exemplo é o suor acentuado.

Essa sudorese pode aparecer, principalmente, nas palmas das mãos e solas dos pés.

 

Tratamento do transtorno

Como dito anteriormente, é muito importante que, ao notar alguns desses sintomas ou outros similares, a pessoa procure um médico psiquiatra e busque acompanhamento psicológico. Entretanto, existem outras formas que podem auxiliar a controlar os níveis de ansiedade.

Uma dessas técnicas é a acupuntura. É provado que os estímulos causados pelas agulhas no corpo intensificam a liberação de hormônios e têm efeitos no sistema nervoso. Por isso, a acupuntura tem se mostrado como uma boa maneira de diminuir níveis de estresse e ansiedade.

Outra vantagem é que, diferente de tratamentos com ansiolíticos, a técnica é natural e não há grandes riscos ou efeitos colaterais. Entretanto, a acupuntura não deve substituir a medicação prescrita por um médico. Ela pode servir como uma ferramenta que, com tempo e o devido acompanhamento, pode levar à suspensão dos medicamentos ou potencializar seus efeitos.

Uma prática também muito aconselhada é a meditação. Por meio de uma rotina regrada da técnica, é possível controlar níveis altos de ansiedade. Isso porque a meditação preza pelo momento atual, focando-se no presente, sem as angústias do passado ou incertezas do futuro. Há uma concentração maior no estado do corpo, assim como na respiração. E técnicas de controle do sistema respiratório são tradicionais para auxiliar em crises de ansiedade.

Por fim, manter-se ativo fisicamente é um grande passo para diminuir os índices de estresse e ansiedade. A liberação de hormônios que ocorrem durante um exercício é essencial para manter o funcionamento pleno e saudável do cérebro. Além disso, atividades físicas promovem relaxamento dos músculos e maior elasticidade, que podem ajudar em vários sintomas físicos do transtorno de ansiedade.

Publicidade

Quando se preocupar com a ansiedade?

Por Oswaldo Scaliotti em Saúde

05 de dezembro de 2019

Há uma epidemia de ansiedade em vários países e a Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta para um crescimento do transtorno internacionalmente. Inclusive, uma pesquisa da instituição colocou o Brasil como líder do ranking de países mais ansiosos do mundo. Atualmente quase 9.5% dos brasileiros são diagnosticados com a doença.

Entretanto, a ansiedade por si só é uma reação normal do corpo a situações estressantes. Por exemplo, uma grande viagem ou a antecipação de um discurso em público podem fazer com que qualquer um se sinta ansioso. Nesses casos, ela pode ser positiva, já que mantém o cérebro em um estado maior de alerta.

A grande questão é quando a ansiedade começa a atrapalhar o dia a dia da pessoa, impedindo-a de cumprir planos e reduzindo imensamente sua qualidade de vida. A partir desse ponto, trata-se de um transtorno de ansiedade.

O que é o transtorno de ansiedade

O transtorno de ansiedade é caracterizado por níveis excessivos de preocupação, que normalmente não correspondem à realidade. Assim, a pessoa com essa condição tem grande dificuldade em administrar seus medos e aflições, a ponto de não conseguir mais realizar atividades cotidianas, tendo sua rotina prejudicada. Os sentimentos variam de intensidade, mas costumam permanecer por alguns meses e as crises tendem a se tornar cada vez mais frequentes.

Para que haja o diagnóstico, é preciso marcar uma consulta com um psiquiatra. Só um médico da área poderá afirmar se, de fato, trata-se de um transtorno de ansiedade, já que existem diferentes maneiras que a condição se manifesta. Além disso, se houver necessidade de prescrição de medicamentos, é imprescindível que haja um acompanhamento profissional.

O tratamento psicoterápico também pode auxiliar bastante. Para isso, é preciso encontrar um terapeuta qualificado e de confiança para orientar o paciente sobre formas de controlar sua ansiedade.

Sintomas do transtorno de ansiedade

O transtorno de ansiedade é, como todos os transtornos mentais, extremamente relativo. Isso quer dizer que os sintomas e a forma com que a doença irá se manifestar dependerá de diversos fatores, desde características genéticas da pessoa à criação e hábitos adquiridos ao longo da vida.

Porém, existem alguns sintomas comuns aos quais é preciso se atentar:

 

Hipervigilância e inquietação

O transtorno de ansiedade pode fazer com que a pessoa sinta que está sempre em perigo, mesmo quando isso não é o caso.

Por isso, é comum que, em momentos de crise, muitos se sintam inquietos e muito atentos aos seus sentimentos ou a barulhos e movimentos ao seu redor.

 

Tensões e dores musculares

Por estar em constante estresse, o corpo tende a se tensionar. Por isso, é comum que músculos se enrijecem e doam um pouco.

As dores podem aparecer principalmente nas costas, pescoço e ombros.

 

Dificuldades para dormir

Também devido à intensidade das preocupações, não é raro que muitas pessoas com o transtorno tenham dificuldade para dormir, desenvolvendo quadros de insônia.

As poucas horas de sono também podem ocasionar cansaço e fadiga ao longo do dia.

 

Batimentos cardíacos acelerados

Pelo estresse, no ápice das crises, é comum que haja um aumento considerável dos batimentos cardíacos.

Em muitos casos, é possível que essa aceleração seja acompanhada de dores no peito. Por isso, às vezes, algumas pessoas que estão vivenciando uma crise de ansiedade ou de pânico pensam se tratar de um ataque cardíaco.

 

Sudorese acentuada

Por o nosso cérebro lidar com a crise de ansiedade como se estivéssemos em uma situação perigosa e de risco, muitos dos sintomas são respostas naturais do corpo ao estresse. Um exemplo é o suor acentuado.

Essa sudorese pode aparecer, principalmente, nas palmas das mãos e solas dos pés.

 

Tratamento do transtorno

Como dito anteriormente, é muito importante que, ao notar alguns desses sintomas ou outros similares, a pessoa procure um médico psiquiatra e busque acompanhamento psicológico. Entretanto, existem outras formas que podem auxiliar a controlar os níveis de ansiedade.

Uma dessas técnicas é a acupuntura. É provado que os estímulos causados pelas agulhas no corpo intensificam a liberação de hormônios e têm efeitos no sistema nervoso. Por isso, a acupuntura tem se mostrado como uma boa maneira de diminuir níveis de estresse e ansiedade.

Outra vantagem é que, diferente de tratamentos com ansiolíticos, a técnica é natural e não há grandes riscos ou efeitos colaterais. Entretanto, a acupuntura não deve substituir a medicação prescrita por um médico. Ela pode servir como uma ferramenta que, com tempo e o devido acompanhamento, pode levar à suspensão dos medicamentos ou potencializar seus efeitos.

Uma prática também muito aconselhada é a meditação. Por meio de uma rotina regrada da técnica, é possível controlar níveis altos de ansiedade. Isso porque a meditação preza pelo momento atual, focando-se no presente, sem as angústias do passado ou incertezas do futuro. Há uma concentração maior no estado do corpo, assim como na respiração. E técnicas de controle do sistema respiratório são tradicionais para auxiliar em crises de ansiedade.

Por fim, manter-se ativo fisicamente é um grande passo para diminuir os índices de estresse e ansiedade. A liberação de hormônios que ocorrem durante um exercício é essencial para manter o funcionamento pleno e saudável do cérebro. Além disso, atividades físicas promovem relaxamento dos músculos e maior elasticidade, que podem ajudar em vários sintomas físicos do transtorno de ansiedade.