Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Cineteatro São Luiz

Orquestra Contemporânea Brasileira apresenta grandes compositores da música mundial

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

05 de novembro de 2019

Ernesto Nazareth foi um pianista e compositor, considerado um dos grandes nomes do maxixe ou tango brasileiro, estilo musical que surgiu no Rio de Janeiro na segunda metade século XIX. Aprendeu a tocar com sua mãe e aos 14 anos compôs sua primeira música. Suas canções farão parte do repertório do próximo concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira (OCB), regida pelo Maestro Arley França, cuja apresentação também trará outros grandes compositores da música erudita mundial, como J. S. Bach, Joseph Haydn e Mozart. O evento será realizado no dia 10 de novembro, às 10h30 min, no Cineteatro São Luiz.

Uma das atrações principais do concerto será a apresentação dos solistas convidados Nadilson Gama e Liu Man Ying, que interpretarão o Concerto em Ré Menor para dois violinos, de J. S. Bach. Integrante da OCB, Nadilson Gama foi, por quase 30 anos, violinista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo e da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Liu Man Ying é professora do curso de licenciatura em música da Universidade Federal do Ceará (UFC), doutora em Música pela ECA-USP e coordenadora da Camerata de Cordas da UFC.

Desde março, a Orquestra Contemporânea Brasileira vem se apresentando no palco do Cineteatro São Luiz através da realização de dois concertos mensais – um voltado ao público em geral e outro direcionado à formação de uma plateia infantojuvenil, constituída por estudantes de escolas do município. Os chamados concertos didáticos são um convite a mergulhar no universo da música erudita e entender mais de perto os mecanismos de funcionamento de uma orquestra. O próximo concerto didático, que é gratuito, será dia 6 de novembro, às 9 horas.

O trabalho de educação musical e de formação de plateia da Orquestra Contemporânea Brasileira se estende a outros municípios do Estado do Ceará, onde foram implementados núcleos de educação musical voltados a jovens em situação de vulnerabilidade social. O projeto conta com a parceria do poder público local em Pindoretama e Limoeiro do Norte, além de  patrocínio da EDP (Energias do Brasil) e apoio do Instituto EDP, sobretudo no núcleo de São Gonçalo do Amarante, onde são atendidos cerca de 100 crianças e jovens.

Serviço:

Concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira

Local: Cineteatro São Luiz

Data: 10 de novembro

Horário: 10h30

Valor: R$ 20,00 inteira/R$ 10,00 meia entrada

Realização: Ministério da CidadaniaSinfonia BR e AAMARTE

Apoio cultural: Cineteatro São Luiz, Instituto EDP

Patrocínio: EDP

Publicidade

Musical ‘ELZA’ celebra prêmios e indicações com apresentações no Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

25 de setembro de 2019

Foto: Leo Aversa

Visto por mais de 100 mil espectadores, espetáculo teve a aprovação irrestrita da homenageada Elza Soares
A trajetória de Elza Soares é sinônimo de resistência e reinvenção. As múltiplas facetas apresentadas ao longo de sua majestosa carreira foram o ponto de partida para o musical “Elza”, indicado ao Prêmio Bibi Ferreira, que estreou em julho de 2018 no Rio de Janeiro, passou por 15 cidades. Agora, após imenso sucesso popular e a aprovação irrestrita da homenageada, fará apresentações em Fortaleza, no Cineteatro São Luiz, nos dias 5 e 6 de outubro.
Larissa Luz, convidada para a montagem, e outras seis atrizes selecionadas em uma bateria de testes (Janamô, Lu Fogaça, Ágata Matos, Khrystal, Laís Lacorte e Verônica Bonfim) sobem ao palco para celebrar o trabalho, as nove indicações ao Prêmio Bibi Ferreira, o recém-conquistado Prêmio Shell de Melhor Música, os dois prêmios CESGRANRIO (Melhor Direção – Duda Maia e Categoria Especial pelo Elenco), quatro troféus do Prêmio Reverência (Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor Autor e Categoria Especial) e o Prêmio da APCA de Melhor Dramaturgia.
Em cena, as atrizes se dividem ao viver Elza Soares em suas mais diversas fases e interpretam outros personagens, como os familiares e amigos da cantora, além de personalidades marcantes, como Ary Barroso (1903-1964), apresentador do programa onde se apresentou pela primeira vez, e Garrincha (1933-1983), que protagonizou com ela um notório relacionamento.
Com texto inédito de Vinícius Calderoni e direção de Duda Maia, o espetáculo tem a direção musical de Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet. Além disso, o maestro Letieres Leite, da Orquestra Rumpilezz, foi o responsável pelos novos arranjos para clássicos do repertório da cantora, tais como Lama, O Meu Guri, A Carne e Se Acaso Você Chegasse. O projeto foi idealizado por Andréa Alves, da Sarau Agência, a partir de um convite da própria Elza e de seus produtores Juliano Almeida e Pedro Loureiro.
******************************
Ainda que muitos dos conhecidos episódios da vida da homenageada estejam no palco, a estrutura de Elza foge do formato convencional das biografias musicais. Se os personagens podem ser vividos por várias atrizes ao mesmo tempo, a estrutura do texto também não é necessariamente cronológica. Da mesma forma que músicas recentes (A Mulher do Fim do Mundo, a emblemática A Carne e Maria da Vila Matilde) se embaralham aos sucessos das mais de seis décadas de carreira da cantora, como Se Acaso Você Chegasse, Lama, Malandro, Lata D’Água e Cadeira Vazia.
Marcada por uma série de tragédias pessoais – a morte dos filhos e de Garrincha, a violência doméstica e a intolerância –, a jornada de Elza é contada com alegria.
“A Elza me disse: ‘sou muito alegre, viva, debochada. Não vai me fazer um musical triste, tem que ter alegria’. Isso foi ótimo, achei importante fazer o espetáculo a partir deste encontro, pois assim me deu base para saber como Elza se via e como ela gostaria de ser retratada”, conta Vinicius Calderoni, que leu e assistiu a infindáveis entrevistas que a cantora deu ao longo da vida e também pesquisou a obra de pensadoras negras, como Angela Davis e Conceição Evaristo, cujos fragmentos de textos aparecem na peça.
O espetáculo foi desenvolvido ao longo de um período em que Elza se encontra no auge de uma carreira marcada por reviravoltas e renascimentos. Ao lançar seus últimos dois discos, A Mulher do Fim do Mundo (2015) e Deus é Mulher (2018), a cantora não somente ampliou ainda mais seu repertório e sua base de fãs, como conquistou, mais uma vez, a crítica internacional, e se consolidou como uma das principais vozes da mulher negra brasileira.
Vinícius Calderoni, autor do texto, chama a atenção para a coletividade presente em todo o processo de criação da montagem. Após ter escrito as primeiras páginas, ele começou a frequentar os ensaios e estabeleceu um rico intercâmbio com Duda Maia e as sete atrizes. ‘Hoje poderia dizer que elas são coautoras e colaboradoras do texto. São sete atrizes negras e múltiplas, como a Elza é. Diante da responsabilidade enorme, eu estabeleci limites de fala para mim, por exemplo, em relação a alguns temas. Limitei a minha voz e disse que não escreveria nada, queria os relatos delas e as opiniões. Pedi a colaboração delas, das experiências vividas por uma mulher negra. Do mesmo jeito que a Duda propôs muitas coisas, as atrizes também tiveram este espaço’, conta o dramaturgo.
Tal processo colaborativo se estendeu para a música, com a participação ativa das atrizes e das musicistas nos ensaios com os diretores musicais, e o maestro Letieres Leite, que liderou algumas oficinas com o grupo no período dos ensaios. O processo gerou ainda duas canções inéditas que estão na peça: Ogum, de Pedro Luís, e Rap da Vila Vintém, de Larissa Luz. Se a escolha de Pedro Luís para a função foi referendada pela própria Elza – que gravou e escolheu um verso do compositor para nomear seu último disco –, Larissa Luz já estava envolvida com o projeto desde o seu embrião.
SOBRE A EQUIPE DE CRIAÇÃO E PRODUÇÃO
A estreia de Elza marca o encontro da dramaturgia de Vinícius Calderoni com a direção de Duda Maia, dois nomes que se destacaram no recente panorama teatral brasileiro. Pela direção de Auê (2016), estrelado pela Cia. Barca dos Corações Partidos, ela conquistou os prêmios Shell, Cesgranrio e Botequim Cultural de Melhor Direção, além dos prêmios APTR e Cesgranrio de Melhor Espetáculo e o Bibi Ferreira de Melhor Musical Nacional. Enquanto isso, Vinicius já ganhou o Prêmio Shell de Melhor Autor por Ãrrã (2015), o APCA por Os Arqueólogos (2016) e coleciona outras indicações e troféus por espetáculos da companhia Empório de Teatro Sortido, que lidera ao lado de Rafael Gomes.
Em paralelo à carreira de escritor, Vinícius é também ator e músico – ele integra a banda 5 a Seco e tem dois discos lançados. A experiência musical foi determinante no processo de criação do texto. Já Duda trouxe todo o seu trabalho corporal para o desenvolvimento da linguagem da encenação.
A sintonia entre Duda e os diretores musicais Pedro Luís, Larissa Luz (esta também em cena) e Antonia Adnet foi determinada por uma característica fundamental: a escuta e a participação das intérpretes. ‘Foi um processo de ensaios muito vivo, em que partimos do princípio que a voz não é nossa, é das atrizes. Fizemos este trabalho para elas e a partir de propostas delas também. Precisamos olhar para o grupo, para a troca’, conta Duda, ressaltando que tudo só foi possível graças à parceria com a Sarau, produtora capitaneada por Andrea Alves.
Nos últimos anos, a Sarau foi responsável montagens tais como Gonzagão – A Lenda, Ópera do Malandro, Auê e Suassuna – O Auto do Reino do Sol, da Cia. Barca dos Corações Partidos, e Gota D’Água [a seco], dirigida por Rafael Gomes e protagonizada por Laila Garin. Sempre comprometida com a cultura nacional em seus mais variados aspectos, a produtora também assina a direção do Festival Villa-Lobos e do Toca, evento que teve a primeira edição neste ano e trouxe a canção brasileira para o centro da discussão, através de shows gratuitos, oficinas e debates.
************************
Indicado ao PRÊMIO BIBI FERREIRA nas categorias: Melhor Visagismo em musicais – Uirandê de Holanda, Melhor Desenho de Luz em musicais – Renato Machado, Melhor Roteiro Original em musicais – Vinícius Calderoni, Melhor Arranjo Original em musicais – Letieres Leite, Melhor Direção Musical em musicais – Pedro Luis, Larissa Luz e Antônia Adnet, Melhor Direção em musicais: Duda Maia, Melhor Atriz em musicais: Larissa Luz, Melhor Musical Brasileiro, Melhor Musical.
Vencedor do PRÊMIO SHELL de Melhor Música (Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet)
Vencedor do PRÊMIO REVERÊNCIA nas categorias Melhor Espetáculo, Melhor Direção (Duda Maia), Melhor Autor (Vinícius Calderoni) e Especial – Arranjos de Letieres Leite
Vencedor do PRÊMIO APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) de Melhor dramaturgia (Vinícius Calderoni)
Vencedor do PRÊMIO CESGRANRIO nas categorias Melhor Direção (Duda Maia) e Categoria Especial – Elenco
FICHA TÉCNICA
Elenco: Janamô, Lu Fogaça, Ágata Matos, Khrystal, Laís Lacôrte, Verônica Bonfim e a atriz convidada Larissa Luz.
Direção: Duda Maia
Texto: Vinícius Calderoni
Direção Musical: Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet
Arranjos: Letieres Leite
Idealização e Direção de Produção: Andréa Alves
SERVIÇO
Musical ELZA
Datas: 05 e 06 de outubro de 2019
Horários: Sábado às 20h; Domingo às 18h
Local: Cineteatro São Luiz – Rua Major Facundo, 500 – Centro
Valor dos ingressos: Plateia Inferior – R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia); Plateia Superior – R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)
Vendas: na bilheteria do teatro (De terça a sábado, de 10h às 18h30. Domingos e feriados, horário sujeito a alteração, de acordo com a programação do mês) e no site www.tudus.com.br
Classificação: 14 anos
Duração: 150 minutos
Informações: 85) 3252-4138 / (85) 3252-2730
Publicidade

Francis e Olívia Hime em Encontros Musicais no Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

18 de setembro de 2019

Em “Encontros Musicais”, o pianista e compositor Francis Hime apresenta algumas de suas mais famosas canções e o processo de criação por trás delas, tocando e cantando juntamente com Olivia Hime. No formato de palestra-show, Francis dialoga com a plateia ao apresentar cada uma de suas composições, tendo como referência o livro “Trocando em miúdos as minhas canções”. De autoria do próprio Francis, o livro aborda detalhadamente o processo de criação de suas obras, tanto na música popular como na erudita. O show que também terá a participação de Marcos Lessa, Adelson Viana, Eduardo Holanda e Thiago Rocha, ocorre no dia 22 de setembro (domingo), às 18h, no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), e está com ingressos à venda por R$30 (inteira) e R$15 (meia).

Na apresentação, com direção de Flávio Marinho, Francis reproduz para o público o conteúdo dos exemplos sonoros do livro, examina as semelhanças de uma maneira muito dinâmica, interagindo com a plateia e comparando suas canções com composições de outros criadores. Assim, embora parta de um roteiro recheado com seus muitos sucessos, como Atrás da Porta, Meu Caro Amigo, Passaredo, Vai Passar, entre outras, esta interação faz com que o espetáculo também seja construído em conjunto com o público.

Sobre Francis Hime

Francis Hime assumiu o papel de um dos principais protagonistas da música popular brasileira a partir da primeira metade dos anos 60. Especialmente dotado por uma versatilidade em compor sobre vários ritmos brasileiros, escrevendo sambas, frevos, modinhas, calangos, choros, etc., Francis conta com um eclético e talentoso grupo de parceiros para suas canções, tais como: Vinicius de Moraes, Chico Buarque, Ruy Guerra, Geraldo Carneiro, Milton Nascimento, Olivia Hime, Gilberto Gil, Paulo César Pinheiro, Cacaso, Capinam, Adriana Calcanhoto, Paulinho da Viola, Lenine, Joyce, Moraes Moreira, Georges Moustaki, Livingston & Evans, Sergio Bardotti, entre outros.

A partir dos anos 80, Francis começou também a escrever peças eruditas. Em 2000, compôs a Sinfonia de Rio do Janeiro de São Sebastião, com estreia no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, tendo como solistas Lenine, Leila Pinheiro, Olivia Hime, Zé Renato e Sérgio Santos, com Francis regendo a orquestra sinfônica. O compositor regeu esta sinfonia ainda em duas outras ocasiões: em 2002, na Praia de Copacabana, para um público de mais de 20.000 pessoas, e na UNESCO, em Paris, encerrando as festividades do ano França-Brasil de 2005. Já em 2008, Francis concluiu também a partitura da “Ópera do Futebol”, ópera em 4 atos, com “libretto” de Silvana Gontijo, ainda inédita.

No campo da música popular, em 2014, Francis lançou pelo selo SESC o CD “Navega Ilumina” em comemoração aos seus cinquenta anos de carreira. Trata-se de um CD de músicas inéditas em parceria com Geraldo Carneiro, Olivia Hime, Thiago Amud,  Joana Hime, e uma letra antiga e inédita de Vinicius de Moraes que Francis achou em seus guardados, “Maria da Luz”. Em 2015, lançou pela gravadora Biscoito Fino o CD e DVD “Francis Hime 50 Anos de Música”, em comemoração aos seus 50 anos de carreira.

Serviço

Dia 22/09 (domingo), às 18h
Classificação indicativa: Livre
Duração: 90 min
Entrada: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia) – À venda na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus (https://checkout.tudus.com.br/cineteatro-sao-luiz-encontros-musicais–francis-e-olivia-hime/selecione-seus-ingressos).

Local: Palco do Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro)

Publicidade

A banda cearense Samadhi Spirit Band, de blues progressivo, faz show de lançamento do seu primeiro disco “O Mundo do Amor” no Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

11 de setembro de 2019

Os amantes do bom blues poderão conferir o show de lançamento do disco “O Mundo do Amor” da banda cearense “Samadhi Spirit Band”, no próximo dia 14 de setembro, no Cineteatro São Luiz, às 19 horas. A banda tem a frente o veterano músico Marco Aurélio Holanda, uma referência do rock e blues de Fortaleza, que faz história tocando nas bandas Íris Sativa e Gang da Cidade. Além de apresentar as 12 faixas do novo disco, a banda “Samadhi Spirit Band” receberá no palco músicos da cena local, proporcionando um grande encontro musical.

A banda “Samadhi Spirit Band” é composta pelo músico Marco Aurélio Holanda no baixo, violões e vocais, além de Joaquim Bastos na guitarra solo e Léo Henriques e Marilia Lima nos vocais. Ricardo Marinho também toca violões e baixo, enquanto Netto Sousa dá o tom na guitarra base e Léo Vasconcelos nos teclados. A bateria fica por conta de Roquenei Mota e a narração é de Paulo Calhado.

As pedras vão rolar com o bom rock da banda Iris Sativa, que também sobe ao palco com o guitarrista Gersinho, o baixista Marco Aurélio e a voz de Zezé Medeiros. Nos teclados, João Paulo e na bateria, Roquenei. A noite terá mais participações especiais: Roberto Pinheiro e Idilva Germano nos vocais e Marco Maia na guitarra.

Numa produção independente, o disco “O Mundo do Amor” foi gravado em junho de 2018 e possui 12 canções de blues progressivo, compostas por Marco Aurélio em parceria com o guitarrista Joaquim Bastos. São elas: Saber viver, Glória de Deus, Ideias da criação, Mulher, A força do amor, Aprender amar, Amor infinito, Feitos para amar, Delírios da paixão, Sonhos, Vida eterna Love.

“O amor jamais será outra coisa, mas todas as coisas um dia serão amor”. É nesta vibração do amor que Marco Aurélio Holanda descreve a atmosfera do seu novo disco. A relação dele com a música começou na infância, quando estudou piano, depois violão até começar a tocar baixo. Nos anos 80 tocou no grupo Nave, no grupo Chá de Flor e fundou com o irmão Gersinho, o grupo Iris Sativa. Chegou a acompanhar o cantor norte americano J.J.Jackson e o cantor e compositor Gerson Conrad dos Secos e Molhados. Nos anos 90 participou do grupo The Cows e fundou junto com Laerte Duarte, Juninho (neo pineu) e Celso Antoni o grupo de blues Gang da Cidade.

Serviço:

Show de lançamento do CD “O Mundo do Amor”

Data: 14 de setembro (sábado)

Local: Cineteatro São Luiz

Horário: às 19h

Ingressos – Preço: R$15,00 e R$30,00

BILHETERIA: de terça a sábado de 10 às 18h30 – Fone: 3252.4138

INTERNET: www.tudus.com.br

Publicidade

Orquestra Contemporânea Brasileira convida David Valente para concerto no Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

10 de setembro de 2019

Foto: Guilherme Silva

Imagine assistir a um concerto, cuja orquestra principal traz como convidado um instrumentista que superou desafios e aprendeu a tocar teclado e acordeon com os dedos dos pés. O músico David Valente se une à Orquestra Contemporânea Brasileira (OCB) em uma apresentação a ser realizada no dia 15 de setembro, às 10h30, no Cineteatro São Luiz. Os concertos compõem a Temporada 2019 da residência artística que a orquestra realiza no Cineteatro, equipamento da Secretaria da Cultura do Ceará (SECULT).

Tendo como conceito a integração entre música erudita e popular, a cada edição a orquestra cria novos arranjos para dialogar com instrumentistas que não compõem tradicionalmente o universo da música erudita. A primeira parte do concerto privilegiará obras da chamada “música clássica”, com destaque para composições do período Barroco escritas para orquestra de cordas. Na segunda parte, o cantor e instrumentista cearense David Valente participa do espetáculo, interpretando músicas de Frank Sinatra, Luis Miguel, Roberto Carlos e Dominguinhos.

Portador de uma deficiência físico-motora congênita (artrogripose), que o impossibilita de usar suas mãos normalmente, David Valente desenvolveu e aprimorou essas habilidades especiais com os pés, que o possibilitam escrever, digitar e tocar os instrumentos.  Com diversos CD´s e DVD´s gravados, ele tem se apresentado no Brasil e exterior, cantando e tocando sucessos da música brasileira e internacional.

Ainda no mês de setembro, no dia 18, a Orquestra Contemporânea Brasileira realizará mais um concerto didático, às 9 horas, no Cineteatro São Luiz. Esses concertos se caracterizam pela interação com o público, a maioria formada por estudantes, que têm a oportunidade de conhecer melhor as características de uma orquestra. O projeto pretende ainda ampliar o acesso à música de concerto como também formar músicos profissionais no Ceará. Nesse sentido, a orquestra tem núcleos de formação musical em Fortaleza, Pindoretama, São Gonçalo do Amarante e Limoeiro do Norte. A estratégia de educação musical tem sido patrocinada pela EDP Brasil (Energia de Portugal) e apoiada pelo Instituto EDP, organização responsável pela gestão dos investimentos socioambientais da Empresa.

A OCB é resultado de uma ação cultural do Sistema Brasileiro de Bandas e Orquestras (Sinfonia.br), em parceria com a Associação dos Amigos da Arte (AAMARTE). A direção artística é do maestro Arley França.

Serviço:

Concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira

Local: Cineteatro São Luiz

Data: 15 de setembro Horário: 10h30

Valor: R$ 20,00 inteira/R$ 10,00 meia entrada

Realização: Sinfonia BR e AAMARTE

Apoio cultural: Cineteatro São Luiz, Instituto EDP

Patrocínio: EDP

Contatos: Arley França (Maestro da OCB) 98899.1061 / Giovana de Paula (Assessora de Comunicação) 99982.0608

Publicidade

Cineteatro São Luiz recebe o espetáculo “Caio do Céu” na programação da Bienal do Livro

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

16 de agosto de 2019

 

“Caio do Céu”, da Companhia de Solos & Bem Acompanhados com Deborah Finocchiaro, é um espetáculo sobre Caio Fernando Abreu e que expõe e questiona os valores da sociedade e, principalmente, as questões da alma humana, da morte e da vida. A programação faz parte do “Curta Mais Teatro” e da “Bienal do Livro” (Bienal Fora da Bienal), acontece no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), no dia 21/8, às 19h, e está com ingressos à venda por R$20 (inteira) e R$10 (meia).

 

Caio Fernando Abreu é visceral, sincero, confessional, um biógrafo do emocional, um fotógrafo da fragmentação contemporânea, um tradutor do seu tempo. Escreveu, principalmente, sobre o tema que mais lhe despertava a imaginação: a condição humana. Caio do Céu transpõe seu universo para o palco através de crônicas, cartas, contos, poemas, textos teatrais, depoimentos, música ao vivo e projeções. Traz para a cena o próprio artista, por meio de vídeos, com trechos de suas entrevistas. O roteiro prioriza parte da obra que valoriza a vida em todos os seus aspectos, apresentando também uma face pouco conhecida do autor: um homem vibrante e solar, que se revela desperto para o milagre da existência diante da iminência da morte – muitas vezes abordada com humor, leveza e profundidade.

 

Caio Fernando Abreu (1948/1996), um dos autores mais populares da literatura nacional, foi ator, dramaturgo, jornalista e escritor. Traduzido para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano e holandês, mesmo depois de sua morte, segue conquistando uma incrível legião de fãs. Suas frases e pensamentos são compartilhados incansavelmente nas redes sociais por jovens e adultos que reconhecem a profundidade e atualidade da sua obra. A montagem é dirigida pelo experiente e premiado diretor Luís Artur Nunes, amigo pessoal de Caio.

 

Serviço

 

Espetáculo Caio do Céu (Bienal Fora da Bienal)

21/08, às 19h

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) – À venda na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus.

Publicidade

‘CARTAS PARA GONZAGUINHA – O MUSICAL’ CHEGA A FORTALEZA

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

24 de julho de 2019

Sucesso de público, espetáculo carioca homenageia o compositor com 22 atores em cena cantando repertório consagrado

Depois do sucesso de público na temporada de estreia, no Rio de Janeiro, o espetáculo “Cartas para Gonzaguinha – O Musical” desembarca em Fortaleza. O poeta do povo brasileiro é homenageado numa história que tem como pano de fundo o Brasil no fim da ditadura militar. São 22 atores em cena, que cantam as inesquecíveis canções do compositor. São três apresentações nos dias 27 e 28 de julho (sábado e domingo) no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult).

Tão carioca quanto o homenageado, a peça “Cartas para Gonzaguinha” é uma realização do Ceftem. A direção e a direção de movimento são assinadas por Rafaela Amado, e a direção musical por João Bittencourt (que é idealizador do projeto). A cantora e filha de Gonzaguinha Nanan Gonzaga é responsável pela pesquisa e participa, também, como assistente geral. O texto é de Tiago Rocha.

Para elenco e equipe de direção, levar a peça para a capital cearense é uma alegria. A tradição de Gonzaguinha e do ilustríssimo pai Luiz Gonzaga é fortemente celebrada no estado (e em todo Nordeste). Vale lembrar que Gonzagão nasceu na cidade de Exu, no sopé da Serra do Araripe, que fica bem na divisa de Pernambuco e Ceará. “Gonzaguinha fala ao coração do povo brasileiro, e nós esperamos que o público de Fortaleza se emocione e cante junto com a gente essas canções tão icônicas”, diz a diretora, Rafaela Amado.

Sobre a peça

O ano é 1981, e a retomada da democracia avança lentamente pelo país, ainda com forte repressão, principalmente à ação sindical. Numa fábrica na cidade grande, os trabalhadores se empolgam com uma pergunta posta por Gonzaguinha na grande mídia: “O que é a vida?”. As respostas mais criativas podem se tornar versos de uma nova música.

Os trabalhadores lutam para garantir o salário, e quem sabe, levar para casa um pouco mais do que só o feijão. Mas um escândalo de corrupção envolvendo o dono da fábrica desestabiliza o negócio, e traz à tona o tão temido fantasma da demissão. Cumprindo horas extras não remuneradas, os operários se articulam. Alguns vão para o olho da rua, e outros podem encontrar um destino ainda mais trágico.

Em meio a essa luta e a condições precárias de trabalho (e de vida), resiste a possibilidade de refletir sobre o que é a vida. Cada um dos trabalhadores responde, por escrito, à pergunta: “o que é a vida para você?”. Eles têm a esperança de serem escolhidos por Gonzaguinha, que sempre teve como matéria-prima de seu trabalho o ser humano em sua essência mais pura.

“Gonzaguinha era humano. Queremos trazer a simplicidade do olhar dele quando fala das pessoas do cotidiano”, pontua o diretor musical João Bittencourt.

Serviço:

‘CARTAS PARA GONZAGUINHA – O MUSICAL’ EM FORTALEZA

Dia 27/7 (sábado) – duas sessões, uma às 16h e a outra às 20h

Dia 28/7 (domingo) – sessão às 18h

Cineteatro São Luiz: Rua Major Facundo, Centro, Fortaleza (CE)

Telefone: (85) 3252-4138

Ingressos: plateia inferior – R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada) / plateia superior – R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada)

Vendas: no site www.tudus.com.br e na bilheteria do teatro

Classificação indicativa: 16 anos

Duração: 150 minutos (com intervalo de 15 minutos)

Facebook: facebook.com/cartasparagonzaguinhaomusical

Instagram: instagram.com/cartasparagonzaguinhaomusical

Publicidade

Orquestra Contemporânea Brasileira e flautista Marcelo Leite se apresentam no Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

04 de julho de 2019

A Orquestra Contemporânea Brasileira (OCB) realiza, dia 14 de julho, ás 10h30, mais uma apresentação no Cineteatro São Luiz, como parte de um projeto de residência artística durante todo ano de 2019. Uma das características do grupo, que reúne instrumentistas profissionais de vários estados do país, é montar apresentações onde a música erudita se integra a um repertório popular. Para trazer estilos musicais como samba, chorinho e baião, a orquestra receberá como solista convidado o flautista cearense Marcelo Leite.

O público irá apreciar composições de músicos eruditos como Corelli e Mozart. Na segunda parte do concerto entram em cena compositores consagrados da música brasileira, como Pixinguinha, Noel Rosa e o violinista cearense Carlinhos Crisóstomo. Este é o quinto concerto oficial da Orquestra Contemporânea Brasileira no palco principal do Cineteatro São Luiz. As apresentações têm se destacado pela presença significativa do público.

Marcelo Leite é bacharel em Música pela Universidade Estadual do Ceará. Iniciou seus estudos na Banda do Colégio Piamarta, tendo realizado apresentações em países como Itália, Alemanha, Áustria e Portugal. No ano de 2000 se apresentou juntamente com a Banda do Piamarta no Vaticano, em cerimônia presidida pelo Papa João Paulo ll. Professor de flauta e teoria musical, em 2009 lançou o CD “Marcelo Leite & Carlinhos Crisóstomo tocam Noel Rosa”.

 

Ainda neste mês de julho, a Orquestra Contemporânea Brasileira mantém a parceria com o flautista Marcelo Leite e com o acordeonista Rodolf Forte, convidado do concerto anterior, em apresentação gratuita na abertura do Festival de Música da Ibiapaba. A participação no evento, que comemora 15 anos de existência, será dia 20 de julho, às 20 horas, no município de Viçosa do Ceará.

 

A Orquestra

 

Fruto de uma ação cultural do Sistema Brasileiro de Bandas e Orquestras (Sinfonia.br), em parceria com a Associação dos Amigos da Arte (AAMARTE), a Orquestra Contemporânea Brasileira tem se destacado também pela contribuição com a formação de novos profissionais, através de três núcleos de formação musical em Fortaleza, Pindoretama e São Gonçalo do Amarante. A Empresa de Energia Elétrica (EDP) é a patrocinadora oficial da orquestra, apoiando especialmente o projeto de São Gonçalo, onde são atendidas cerca de 160 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social no Ceará.

O maestro Arley França, diretor artístico da Orquestra, é doutor em Educação, mestre e licenciado em Música, além de fundador da Orquestra de Sopros de Pindoretama. Criou mais de 40 bandas e orquestras infantojuvenis no Ceará e dirigiu concertos na Alemanha e Noruega. Orientou-se em regência em cursos realizados na Inglaterra, Itália e Estados Unidos e integra o projeto Orquestrando o Brasil, do maestro João Carlos Martins.

 

Cineteatro São Luiz

Sala com maior média de espectadores por sessão de cinema no Brasil, o Cineteatro São Luiz, em seu primeiro ciclo de gestão desde sua reabertura pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (maio de 2015 a dezembro de 2018) recebeu 602.437 espectadores em 2.667 atividades, chegando a média diária de 450 espectadores.

 

Serviço:

Concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira

Local: Cineteatro São Luiz

Data: 14 de julho

Horário: 10h30

 

Valor do ingresso: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) – sem limite de meia entrada

 

Realização: Sinfonia BR e AAMARTE

Apoio: Cineteatro São Luiz, IFCE, Holy Cow Criações, Instituto EDP, Ministério da Cidadania

Patrocínio: EDP

Publicidade

Sessão Sonora do mês de julho no Cineteatro São Luiz terá show de Artur Menezes

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

03 de julho de 2019

 

Faixa de programação que reforça a potência de Cineteatro do São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), e cria sinergia entre as duas linguagens artísticas mais populares no Brasil (o cinema e a música), a Sessão Sonora de julho ocorre no dia 07, a partir das 15h30.Com temática entre o rock e o blues, o filme a ser exibido é “Os Irmãos Cara de Pau” de John Landis, seguido do show de Artur Menezes. Os ingressos para o evento estão à venda na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus por R$30 (inteira) e R$15 (meia).

 

Filme

 

Com início às 15h30, a sessão de “Os Irmãos Cara de Pau” de John Landis ocorre em sessão única. A exibição será legendada, tem classificação indicativa de 12 anos e se trata de um renomado longa de 2h10 dos gêneros musical e ação.

 

Após deixar a cadeia, Jake (John Belushi) reencontra seu irmão Elwood (Dan Aykroyd) e juntos vão para o orfanato onde foram criados. Lá eles descobrem que o local será fechado se uma dívida de US$ 5 mil com a prefeitura não for paga. Como a freira (Kathleen Freeman) que dirige o orfanato não aceita de forma alguma dinheiro ganho desonestamente, Jake e Elwood decidem por retomar a The Blues Brothers Band, na intenção de realizar um grande show e arrecadar a quantia necessária para pagar a dívida.

 

Show

 

Artur Menezes é cearense e volta à terra natal para apresentar suas composições e interpretações que impressionam pela técnica e virtuosismo. Seu estilo é o blues moderno, mesclando-o com rock, funk, country e soul. Nos últimos anos se apresentou em festivais por todo o Brasil, EUA e países da Europa e América Latina.

 

Ganhador do prêmio de melhor guitarrista pela Blues Foundation (“Gibson/Albert King Award” for best guitarist), Artur Menezes vem trilhando sua carreira no Estados Unidos. Joe Bonamassa, cultuado músico e compositor do blues norte-americano, disse: “Art is a Superstar waiting to be discovered. Fearless player” (“Artur é um superstar esperando para ser descoberto, um músico destemido”, em tradução livre). Seu mais recente álbum, “Keep Pushing”, recebeu inúmeras excelentes críticas em vários países, inclusive fazendo parte da lista dos melhores álbuns de 2018 no site do Joe Bonamassa. Recentemente, Artur foi contratado com professor no Musicians Institute, uma das maiores e mais respeitadas escolas de música nos EUA.

 

SERVIÇO

 

Dia 07/06 | Sessão Sonora

Às 15h30 – Exibição do filme “Os irmãos Cara de Pau”

Às 18h – Show de Artur Menezes

Entradas: R$30 (inteira) e R$15 (meia)

Ingressos à venda na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus (https://checkout.tudus.com.br/cineteatro-sao-luiz-sessao-sonora-artur-menezes/selecione-seus-ingressos)

Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro)

Publicidade

25 filmes com entrada gratuita fazem parte da programação de férias do Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

27 de junho de 2019

No mês de julho, o Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), realiza o “Férias no São Luiz”, faixa de programação que alia entretenimento, cidadania e democratização de acesso, formação de público e repertórios simbólicos. Neste mês, serão exibidos 13 filmes, sendo que 9 acabaram de sair do circuito comercial de cinema, todos com foco no público infanto-juvenil e entrada gratuita. Os filmes que serão exibidos são: “Capitã Marvel”, “Aquaman”, “Bumblebee”, “Os Incríveis 2”, “Wifi Ralph – Quebrando a internet”, “O Touro Ferdinando”, “Uma Aventura Lego 2”, “Como Treinar o Seu Dragão 3”, “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, “Nasce uma Estrela” e Mostra Matrix 20 anos (com exibição dos filmes “Matrix”, “Matrix Reloaded” e “Matrix Revolutions”).


Ainda na linguagem cinema, a programação traz, em parceria com o “Cine Ceará  – Festival Ibero-americano de Cinema”, a Mostra Popular de Filmes Finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Ao todo, serão exibidos 22  filmes nas quatro categorias competitivas da mostra, duas delas nesse mês de julho; as outras duas acontecerão na primeira quinzena de agosto. A Academia Brasileira de Cinema busca, com a “Mostra Popular de Filmes Finalistas”, incentivar, promover e aproximar o público da produção audiovisual brasileira. Através do Voto Popular, o público participa nas quatro categorias.


Os filmes que serão exibidos neste mês, com entrada gratuita, na categoria Melhor Longa Metragem Estrangeiro são: “A Forma da Água”, “Bohemian Rhapsody”, “Eu, Tonya”, “Infiltrado Na Klan”, “Me Chame  Pelo Seu Nome”, “The Square – Arte Da Discórdia” e “Três Anúncios para Um Crime”. Já em Melhor Longa Metragem Ibero-Americano: “A Noiva Do Deserto”, “Alguém Como Eu”, “As Herdeiras”, “Cachorros” e “Uma Noite de 12 Anos”.


Compondo a programação do mês, os shows a serem realizados são: “Um Quarto de Lua – 25 anos” com Olímpio Rocha (Dentro do Som), Argonautas Convidam Zé Renato, “Cantigas” com Laya e Concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira que este mês recebe o flautista cearense Marcelo Leite.


A Sessão Sonora de julho, faixa de programação que une cinema e show, exibe o filme “Os Irmãos Cara de Pau” de John Landis e traz show de Artur Menezes.


O Curta São Luiz realiza uma única edição, com o músico David Valente, artista que usa os pés para tocar teclado e acordeon. “Cartas Para Gonzaguinha – O Musical” ganha três sessões e a “Visita Guiada” continua, no entanto, a edição de julho terá três horários: 9h, 10h e 11h.


Atenção: Os ingressos para as sessões gratuitas começam a ser distribuídos uma hora antes de cada sessão na bilheteria do Cineteatro, mediante apresentação de documento de identificação com foto. Cada pessoa pode retirar até 2 ingressos. Mais informações sobre ingressos neste link.

Publicidade

25 filmes com entrada gratuita fazem parte da programação de férias do Cineteatro São Luiz

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

27 de junho de 2019

No mês de julho, o Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), realiza o “Férias no São Luiz”, faixa de programação que alia entretenimento, cidadania e democratização de acesso, formação de público e repertórios simbólicos. Neste mês, serão exibidos 13 filmes, sendo que 9 acabaram de sair do circuito comercial de cinema, todos com foco no público infanto-juvenil e entrada gratuita. Os filmes que serão exibidos são: “Capitã Marvel”, “Aquaman”, “Bumblebee”, “Os Incríveis 2”, “Wifi Ralph – Quebrando a internet”, “O Touro Ferdinando”, “Uma Aventura Lego 2”, “Como Treinar o Seu Dragão 3”, “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, “Nasce uma Estrela” e Mostra Matrix 20 anos (com exibição dos filmes “Matrix”, “Matrix Reloaded” e “Matrix Revolutions”).


Ainda na linguagem cinema, a programação traz, em parceria com o “Cine Ceará  – Festival Ibero-americano de Cinema”, a Mostra Popular de Filmes Finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Ao todo, serão exibidos 22  filmes nas quatro categorias competitivas da mostra, duas delas nesse mês de julho; as outras duas acontecerão na primeira quinzena de agosto. A Academia Brasileira de Cinema busca, com a “Mostra Popular de Filmes Finalistas”, incentivar, promover e aproximar o público da produção audiovisual brasileira. Através do Voto Popular, o público participa nas quatro categorias.


Os filmes que serão exibidos neste mês, com entrada gratuita, na categoria Melhor Longa Metragem Estrangeiro são: “A Forma da Água”, “Bohemian Rhapsody”, “Eu, Tonya”, “Infiltrado Na Klan”, “Me Chame  Pelo Seu Nome”, “The Square – Arte Da Discórdia” e “Três Anúncios para Um Crime”. Já em Melhor Longa Metragem Ibero-Americano: “A Noiva Do Deserto”, “Alguém Como Eu”, “As Herdeiras”, “Cachorros” e “Uma Noite de 12 Anos”.


Compondo a programação do mês, os shows a serem realizados são: “Um Quarto de Lua – 25 anos” com Olímpio Rocha (Dentro do Som), Argonautas Convidam Zé Renato, “Cantigas” com Laya e Concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira que este mês recebe o flautista cearense Marcelo Leite.


A Sessão Sonora de julho, faixa de programação que une cinema e show, exibe o filme “Os Irmãos Cara de Pau” de John Landis e traz show de Artur Menezes.


O Curta São Luiz realiza uma única edição, com o músico David Valente, artista que usa os pés para tocar teclado e acordeon. “Cartas Para Gonzaguinha – O Musical” ganha três sessões e a “Visita Guiada” continua, no entanto, a edição de julho terá três horários: 9h, 10h e 11h.


Atenção: Os ingressos para as sessões gratuitas começam a ser distribuídos uma hora antes de cada sessão na bilheteria do Cineteatro, mediante apresentação de documento de identificação com foto. Cada pessoa pode retirar até 2 ingressos. Mais informações sobre ingressos neste link.