Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Fortaleza Brazil Stone Fair

Ceará é o terceiro do Brasil em exportação de rochas ornamentais

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

03 de Abril de 2018

As pesquisas efetivadas pelas empresas cearenses e pelos novos investidores estão tornando o Estado uma das  principais fronteiras mundiais de granitos super exóticos e quartzitos. Atualmente o Ceará comercializa cerca de 500 milhões por ano, sendo o primeiro do Nordeste.

 

Nos últimos cinco anos, o Ceará deu um grande salto no setor de rochas ornamentais passando de 12 para 45 empresas operantes no estado, entre as quais estão as maiores  exportadoras do Brasil. A concentração da maior parte dessas empresas está no Noroeste do Estado (Sobral, Massapê, Santa Quitéria, Região de Banabuiú, etc). Com o mercado em ascensão, o Estado está hoje entre os três principais do Brasil em exportação com US$ 26,6 milhões e 39,5 mil toneladas, em 2017, evidenciando tendência de crescimento. Entre as pedras do Ceará que mais fazem sucesso no mundo e são extraídas exclusivamente do solo cearense e por empresas cearenses estão a Perla Santana, a Perla Venata, a Cristalo Pink e a ônix Vision. Uma dessas pedras, a Cristalo Pink, um quartzo rosa sinônimo de luxo, brilho e riqueza será um dos grandes destaques da feira.

As exportações de rochas ornamentais foram efetuadas por 16 estados brasileiros em 2017. Apenas Espírito Santo, Minas Gerais, Ceará, Bahia e Rio Grande do Norte registraram faturamento superior a US$ 10 milhões para essas exportações. O Espírito Santo respondeu pela maior parte, 81,7% do total do faturamento, em seguida,  Minas Gerais com 11,8% e logo depois Ceará com 2,4%. O Brasil exportou rochas ornamentais para 117 países no ano de 2017. Os três principais destinos foram EUA, China e Itália, nesta ordem. Apenas para oito países as exportações superaram US$ 10 milhões.

 

No Ceará, a expectativa é que as exportações terão forte crescimento nos próximos quatro anos chegando a  US$ 200 milhões até 2021, quando o Estado será o segundo maior parque industrial e de exportações do Brasil. “Para atingirmos estes números, é fundamental que os agentes institucionais como a Agência Nacional de Mineração, a Semace e a ZPE possam exercer as suas funções com eficiência”, afirma Carlos Rubens Alencar, presidente do Sindicato da Indústria Mármores Granitos do Estado do Ceará, Simagran-CE.

O setor de rochas ornamentais é um dos qualificados como prioritários para instalação de indústrias na ZPE-Pecém. São 19 protocolos de intenções assinados e cinco projetos já estão em fase de modelagem. Em março de 2017, a Thor Granitos, historicamente a maior exportadora do Brasil em volume de CTNR, passou a atuar no Ceará. A empresa foca, agora, na zona rural de Santa Quitéria e, posteriormente, irá estruturar outra unidade na segunda etapa da ZPE. Hoje, a Thor Granitos exporta entre 450 e 550 contêineres de granito brasileiro.


Hoje, aproximadamente 45 empresas do Espírito Santo atuam no Ceará extraindo blocos de granito e quartzito, evidenciando o potencial do Estado. Por conta dos investimentos por parte dos empresariados, a região detém o segundo maior parque industrial nacional, o que pode consolidá-la como o terceiro mais importante pólo de rochas ornamentais do Brasil. “Apesar de não termos um número consolidado, podemos estimar que o mercado de empresas genuinamente cearenses, conservadoramente, comercializa através da sua capacidade produtiva atualmente instalada, algo como R$ 800 milhões anualmente”, completa Alencar.

As condições favoráveis para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais tornaram o Ceará um grande representante nas exportações, a nível nacional. Dentre os fatores estão: a caracterização tecnológica das rochas encontradas em nosso território, a diversidade de rochas, a disponibilidade de reservas minerais, a infraestrutura adequada, o potencial de mercado e a localização privilegiada do estado, que o torna a fronteira mais importante de quartizitos de cor clara e o estado com uma das melhores logística de fretes marítimos internacionais.

Atualmente a região Nordeste responde por cerca de 26% da produção brasileira. Um dos responsáveis por essa relevância foi o incremento na produção de rochas exóticas e superexóticas (granitos e quartzitos) e de rochas carbonáticas (limestones) na chapada do Apodi (Ceará e Rio Grande do Norte)

O Ceará sempre esteve na vanguarda no que diz respeito à extração de Granito. O estado foi um dos primeiros a incrementar o uso das máquinas a fio diamantado, ainda no início dos anos 90. Da região, é extraído o granito mais reverenciado nas grandes obras realizadas no Brasil, reconhecido mundialmente como Branco Ceará. Empreendimentos como o novo terminal aeroportuário de Guarulhos, em São Paulo, e os shoppings RioMar Fortaleza e Recife, além do Shopping Iguatemi de Fortaleza, utilizaram esse granito.  Mensalmente, cerca de 4 mil m³ de granitos e quartzitos, com preço de comercialização em blocos brutos (entre USD 1 mil m³ e USD 2,5 mil m³), são levados do Ceará para a região sudeste, onde são beneficiados e transformados em chapas polidas na espessura de 3cm, seguindo para os Estados Unidos.

Atualmente, o Ceará tem inovado ainda mais em tecnologia para se tornar mais competitivo. Já estão sendo instalados na região (09) nove teares multifios, maior inovação no setor de rochas ornamentais, o que comprova o momento de investimentos pelo qual o setor está atravessando.


Novidades do evento -IBRO – Instituto Brasileiro da Rocha Ornamental

 

Dentro da programação da Brazil Stone Fair, acontece na tarde do dia 19 de Abril,  o 1º Fórum de discussão, com o tema: PENSANDO O SETOR EM 2068, realizado pelo IBRO – Instituto Brasileiro da Rocha Ornamental. Será uma discussão de especialistas sobre desafios e oportunidades para o ramo de pedra natural nos próximos 50 anos.

 

O IBRO foi criado no Ceará e atuará como um fórum permanente de avaliação e planejamento do setor, tendo um papel de formulador. Inicialmente será construído um mapa estratégico para que seja possível sistematizar os avanços.

 

           Para cumprir seus objetivos, o IBRO  terá um quadro de colaboradores, composto por técnicos e empresários, que pensem “fora da caixa” e com visão de futuro, mas estará muito atento ao presente, pois há lacunas enormes que exigem ação competente dos atores institucionalizados. Este ano, o 1º Fórum já tem presenças confirmadas do alemão PETER BECKER, uma das grandes cabeças mundiais do setor, Denilson Carvalho, um dos criadores do Centro Tecnológico do Mármore e Granito do Brasil, Miguel Frazão, um dos mais importantes empresários de Portugal, David Silveira, Vice-Presidente da WONASA (entidade mundial do setor), Tales Pena Machado, Presidente do Sindirochas-ES , dentre muitos outros empresários de renome mundial.

 

Fortaleza Brazil Stone Fair 2018

 

A Fortaleza Brazil Stone Fair chega a sua 4ª edição consolidando o sucesso dos anos anteriores. O evento, que vem crescendo junto com o setor, será realizado entre os dias 18 e 20 de Abril, das 15hs às 20hs, no Centro de Eventos do Ceará, no salão Almofala, e vai contar com o dobro de expositores. Na primeira edição foram 21 empresas expondo, este ano já são mais de 40 expositores. A feira é uma exposição internacional de mármores, granitos, quartzitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos para a cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. Atualmente é um importante canal de divulgação no Brasil, no exterior e como geradora de um grande volume de negócios.

 

Um dos focos do projeto é a valorização das rochas naturais, motivo pelo qual está direcionado principalmente, aos profissionais de arquitetura, que são os responsáveis pelas especificações dos projetos. Além dos arquitetos, o evento também conta com a participação de marmoristas, atacadistas, distribuidores, importadores e exportadores de mármores e granitos, profissionais liberais que especificam e utilizam mármores e granitos em seus projetos e obras, construtoras, incorporadoras e empresas de engenharia, empresários e potenciais investidores no setor, estudantes de engenharia, arquitetura, geologia e de profissões técnicas relacionadas ao setor.

 

Promovida pelo Simagran-Ce , a Fortaleza Brazil Stone Fair tem investido forte na aproximação com os profissionais de arquitetura, de engenharia civil, pois são os grandes consumidores dos nossos produtos, através das obras civis. As construtoras -obras civis- consomem 85% do que é produzido no Estado e por isso o evento terá uma série de painéis dedicados a eles.

 


Serviço:

Fortaleza Brazil Stone Fair
18 a 20 de abril de 2018
Centro de Eventos do Ceará – Salão Almofala
www.fortalezabrazilstonefair.com

 

Publicidade

Governo lança Atlas Geológico e da Mineração do Estado do Ceará

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

02 de junho de 2017

 

O Governo do Estado do Ceará, por meio da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), lançou, na noite desta quinta-feira (1º), o Atlas Geológico e da Mineração do Estado do Ceará. A ferramenta disponibiliza informações sobre as principais riquezas minerais do Estado, bem como seus títulos legais.

 

Conforme a presidente da Adece, Nicolle Barbosa, o o trabalho permite ainda visualizar toda a infraestrutura hídrica, ferroviária, rodoviária, portos, aeroportos e linhas de transmissão de energia existentes em território cearense. “A ferramenta é bilíngue, podendo ser visualizada de forma interativa nos idiomas português e inglês”, explica.

 

Nicolle avalia ainda o Atlas como um instrumento fundamental para a atração de novos investimentos ao Estado do Ceará. “Principalmente relacionados à construção civil, agronegócio e indústria de transformação. Destaco ainda o conhecimento geológico como instrumento imprescindível para o planejamento urbano e obras de infraestrutura”, completa.

 

O trabalho é fruto de um esforço conjunto entre Adece, Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) e Secretaria Adjunta de Energia, Mineração e Telecomunicações da Secretaria de Infraestrutura do Ceará (SEINFRA). A colaboração do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), com dados do Anuário Mineral do Ceará; do Serviço Geológico do Brasil (CPRM); da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH); da Universidade Federal do Ceará (UFC); e da Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC) também serviu de embasamento para o documento.

 

Fortaleza Brazil Stone Fair

 

O lançamento do Atlas Geológico e da Mineração do Estado do Ceará aconteceu durante a abertura da Fortaleza Brazil Stone Fair. A exposição internacional acontece até o próximo sábado (3), no Centro de Eventos do Estado do Ceará, das 15 às 20 horas e traz produtos como mármores, granitos, quartzitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos para a cadeia produtiva das rochas ornamentais.

 

Um estande do Governo do Ceará no evento reúne Adece,  Porto do Pecém e Zona de Processamento de Exportação (ZPE-Ceará), importantes equipamentos para atração de novos investimentos.

Publicidade

Fortaleza Brazil Stone Fair inicia nesta quinta-feira, dia 1, com foco no setor de rochas ornamentais

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

31 de Maio de 2017

O evento, gratuito e aberto ao público, segue até dia 3 de junho, no Centro de eventos do Ceará com novidades e atrações do mercado ao Ceará

A Fortaleza Brazil Stone Fair chega a sua terceira edição nesta semana. Entre os dias 1 e 3 de junho, o público e profissionais do setor de rochas ornamentais têm a oportunidade de conferir palestras e ações relacionadas ao tema. O evento traz mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos da cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento, abrangendo toda a cadeia produtiva, indo dos produtores até os especificadores do produto (arquitetos, designers e decoradores).

Criado com o intuito de auxiliar no crescimento do setor, o evento foi criado pelo Sindicato da Indústria de Mármores Granitos do Estado do Ceará, Simagran-CE, que tem fomentado essas e outras atividades. Carlos Rubens Alencar, presidente do Sindicato, explica que é essencial promover e desenvolver o Estado, tornando-o atraente para novos empreendimentos, e, ao mesmo, gerar mecanismos para incentivar a industrialização do setor de mármores e granitos, atualmente transportados para o Espírito Santo, maior exportador do País.

Para esta edição, a feira deseja melhorar e aumentar a sinergia com os profissionais de arquitetura, indo além dos aspectos estéticos e decorativos. “Diante disso, durante o evento teremos palestras destinadas aos profissionais de engenharia e arquitetura, abordando o uso de rochas. Eles também poderão conhecer uma grande variedade de rochas exóticas ainda pouco conhecidas no Brasil”, completa Alencar.

O sucesso do primeiro evento lhe garantiu uma vaga no calendário mundial das feiras do setor. Promovido pelo o Simagran-CE, o evento visa incrementar a demanda e a valorização da pedra natural, nos mercados nacionais e internacionais.  Para tanto, a feira é divulgada nos mais variados países.

 

Novidades do evento

Pela primeira vez, Robson Braga de Andrade, Presidente da Confederação Nacional das Indústrias, estará no evento. A abertura contará com uma homenagem à Andrade. Todos os  Presidentes de federações estaduais, foram convidados por Beto Studart, Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará.

Outra novidade do evento é o lançamento do MBA em Gestão e Utilização de Rochas na Arquitetura e Construções Civis. As aulas iniciam no dia 25 de agosto na Fiec e a certificação será conferida pela Faculdade da Indústria do Paraná. O objetivo é apresentar aos alunos as funcionalidades e os usos das rochas, indo além da beleza e encontrando adequações para evitar patologias.

 

O mercado

Caracterizado por seu crescimento rápido e expressivo, o setor de rochas ornamentais do Brasil passou a ser considerado relevante em 1989. Neste ano, o país exportou cerca de USD 50 milhões. Em 2016, o número cresceu para USD 1,13 bilhão, confirmando a evolução do segmento.

Nos anos 1990, a região Nordeste iniciou a sua expansão e hoje responde por cerca de 26% da produção brasileira. Um dos responsáveis por essa relevância foi o incremento na produção de rochas exóticas e superexóticas (granitos e quatzitos) e de rochas carbonáticas (limestones) na chapada do Apodi (Ceará e Rio Grande do Norte)

Mensalmente, cerca de 4 mil m³ de granitos e quartzitos, com preço de comercialização em blocos brutos (entre USD 1 mil m³ e USD 2,5 mil m³), são levados do Ceará para a região sudeste, onde são beneficiados e transformados em chapas polidas na espessura de 3cm, seguindo para os Estados Unidos. “Se conseguirmos criar as condições para que parte deste volume seja aqui industrializado e exportado pelos portos cearenses, cerca de USD 150 milhões, aproximadamente, seriam agregados anualmente a pauta de exportação estadual”, afirma Carlos Rubens Alencar, presidente do Sindicato da Indústria Mármores Granitos do Est Ceará, Simagran-CE.

As condições favoráveis para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais tornaram o Ceará um grande representante nas exportações, a nível nacional. Dentre os fatores estão: disponibilidade de reservas minerais, infraestrutura adequada, potencial de mercado e localização privilegiada no que diz respeito à logística de fretes marítimos internacionais.

O volume de exportações já superou, segundo o Simagran, estados como Rio de Janeiro e Bahia, elevando o Ceará para a terceira colocação em números de exportação. “Devemos ainda ressaltar que o setor de rochas ornamentais é um dos qualificados como prioritários para instalação de indústrias na ZPE-Pecém. Já são 19 protocolos de intenções assinados e três projetos já estão em fase de modelagem”, diz o Presidente do Simagran-CE. Em março, a Thor Granitos, maior exportadora do Brasil em volume de CTNR, passou a atuar no Ceará. A empresa foca, agora, na zona rural de Santa Quitéria e, posteriormente, irá estruturar outra unidade na segunda etapa da ZPE. Hoje, a Thor Granitos exporta entre 450 e 550 contêineres de granito brasileiro.

Cerca de 200 empresas compõem o núcleo de marmorarias no Ceará. O parque industrial do Estado está em fase de renovação e seis teares multifios, que representam a maior inovação no setor das rochas ornamentais, já estão instalados. Na vanguarda brasileira de extração de Granito, o Estado foi um dos primeiros a incrementar o uso das máquinas a fio diamantado, ainda no início dos anos 1990.

Hoje, aproximadamente 35 empresas do Espírito Santo atuam no Ceará extraindo blocos de granito, evidenciando o potencial do Estado. Por conta dos investimentos por parte dos empresariados, a região detém o segundo maior parque industrial nacional, o que pode consolidá-la como o terceiro mais importante polo de rochas ornamentais do Brasil. “Apesar de não termos um número consolidado, podemos estimar conservadoramente que o setor comercializa através da sua capacidade produtiva atualmente instalada, algo como R$ 500 milhões anualmente”, completa Alencar.

Por conta do cenário e do impacto da feira, que na edição passada recebeu 4 mil visitantes de 14 países diferentes, o setor apresenta bons resultados. A expectativa para a edição de 2017 é um público de 10 mil pessoas. Em 2014, por exemplo, as exportações do Ceará somaram USD 16.188.226,00. No ano seguinte, a arrecadação foi de USD 19.633.836,00 e em 2016, USD 26.122.643,00, representando uma variação de 33% em relação ao ano anterior. Em 2014, eram oito investidores de fora do Estado, enquanto em 2015 o número subiu para 14 e 2016 fechou com 36 investidores, o que representa um aumento de 450%

 

Programação:

01 de junho – quinta-feira

15:30 – Palestra sobre o Estudo da Competitividade do Setor de Rochas Ornamentais no Brasil, com Reinaldo Dantas Sampaio – Presidente Abirochas

16:30 – Palestra sobre Inovações em Fachadas Ventiladas, com Paulo Giafarov- DGG

17:45 – Lançamento do Atlas Mineral do Estado do Ceará, pela Agência do Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), e lançamento do Anuário Mineral do Estado do Ceará, pelo Ministério das Minas e Energias/DNPM, com todas as informações econômicas da mineração cearense).

19h – Solenidade de abertura – Presença do Presidente da CNI- Robson Andrade

 

02 de junho – Sexta-feira

15:30 – Palestras “A vez dos Retrofit”, com o arquiteto Luiz Fiúza

16:30 – Palestra sobre Aproveitamento de resíduos de extração de granito visando aplicações tecnológicas no concreto, com Francisco Carvalho de Arruda Coelho – Eng. Civil – SECITECE

 

03 de junho – sábado

15:30 – Palestra sobre o Geopark Araripe: histórico, objetivos, parcerias e projetos para promoção da conservação do patrimônio natural e da sustentabilidade, com o professor Alamo Saraiva

16:30 – Palestra de Encerramento “O Uso de Rochas na Arquitetura e Obras Civis”, com Carlos Rubens A. Alencar, coordenador da CEE-187-ABNT

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Fortaleza Brazil Stone Fair traz toda a cadeia produtiva do setor de rochas ornamentais entre os dias 1 e 3 de junho

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

26 de Maio de 2017

A feira traz novidades e atrações do mercado ao Ceará, que deve se consolidar como o terceiro maior polo do segmento

 

Muito além de uma organização sindical, o Sindicato da Indústria de Mármores Granitos do Estado do Ceará, Simagran-CE, tem, nos últimos anos, fomentado atividades do setor. Para tanto, Carlos Rubens Alencar, presidente do Sindicato, explica que é essencial promover e desenvolver o Estado, tornando-o atraente para novos empreendimentos, e, ao mesmo, gerar mecanismos para incentivar a industrialização do setor de mármores e granitos, atualmente transportados para o Espírito Santo, maior exportador do País.

Pensando nisso, a Fortaleza Brazil Stone Fair foi criada em 2015 e chega este ano a sua terceira edição. A exposição internacional acontece entre os dias 1 e 3 de junho no Centro de Eventos do Ceará e traz mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos da cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. A feira abrange toda a cadeia produtiva, indo dos produtores até os especificadores do produto (arquitetos, designers e decoradores). Na programação, palestras e ações relacionadas ao tema.

Para esta edição, a feira deseja melhorar e aumentar a sinergia com os profissionais de arquitetura, indo além dos aspectos estéticos e decorativos. “Diante disso, durante o evento teremos palestras destinadas aos profissionais de engenharia e arquitetura, abordando o uso de rochas. Eles também poderão conhecer uma grande variedade de rochas exóticas ainda pouco conhecidas no Brasil”, completa Alencar.

O sucesso do primeiro evento lhe garantiu uma vaga no calendário mundial das feiras do setor. Promovido pelo o Simagran-CE, o evento visa incrementar a demanda e a valorização da pedra natural, nos mercados nacionais e internacionais.  Para tanto, a feira é divulgada nos mais variados países.

 

Novidades do evento

Pela primeira vez, Robson Braga de Andrade, Presidente da Confederação Nacional das Indústrias, estará no evento. A abertura contará com uma homenagem à Andrade. Todos os  Presidentes de federações estaduais, foram convidados por Beto Studart, Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará.

Outra novidade do evento é o lançamento do MBA em Gestão e Utilização de Rochas na Arquitetura e Construções Civis. As aulas iniciam no dia 25 de agosto na Fiec e a certificação será conferida pela Faculdade da Indústria do Paraná. O objetivo é apresentar aos alunos as funcionalidades e os usos das rochas, indo além da beleza e encontrando adequações para evitar patologias.

 

O mercado

Caracterizado por seu crescimento rápido e expressivo, o setor de rochas ornamentais do Brasil passou a ser considerado relevante em 1989. Neste ano, o país exportou cerca de USD 50 milhões. Em 2016, o número cresceu para USD 1,13 bilhão, confirmando a evolução do segmento.

Nos anos 1990, a região Nordeste iniciou a sua expansão e hoje responde por cerca de 26% da produção brasileira. Um dos responsáveis por essa relevância foi o incremento na produção de rochas exóticas e superexóticas (granitos e quatzitos) e de rochas carbonáticas (limestones) na chapada do Apodi (Ceará e Rio Grande do Norte)

Mensalmente, cerca de 4 mil m³ de granitos e quartzitos, com preço de comercialização em blocos brutos (entre USD 1 mil m³ e USD 2,5 mil m³), são levados do Ceará para a região sudeste, onde são beneficiados e transformados em chapas polidas na espessura de 3cm, seguindo para os Estados Unidos. “Se conseguirmos criar as condições para que parte deste volume seja aqui industrializado e exportado pelos portos cearenses, cerca de USD 150 milhões, aproximadamente, seriam agregados anualmente a pauta de exportação estadual”, afirma Carlos Rubens Alencar, presidente do Sindicato da Indústria Mármores Granitos do Est Ceará, Simagran-CE.

As condições favoráveis para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais tornaram o Ceará um grande representante nas exportações, a nível nacional. Dentre os fatores estão: disponibilidade de reservas minerais, infraestrutura adequada, potencial de mercado e localização privilegiada no que diz respeito à logística de fretes marítimos internacionais.

O volume de exportações já superou, segundo o Simagran, estados como Rio de Janeiro e Bahia, elevando o Ceará para a terceira colocação em números de exportação. “Devemos ainda ressaltar que o setor de rochas ornamentais é um dos qualificados como prioritários para instalação de indústrias na ZPE-Pecém. Já são 19 protocolos de intenções assinados e três projetos já estão em fase de modelagem”, diz o Presidente do Simagran-CE. Em março, a Thor Granitos, maior exportadora do Brasil em volume de CTNR, passou a atuar no Ceará. A empresa foca, agora, na zona rural de Santa Quitéria e, posteriormente, irá estruturar outra unidade na segunda etapa da ZPE. Hoje, a Thor Granitos exporta entre 450 e 550 contêineres de granito brasileiro.

Cerca de 200 empresas compõem o núcleo de marmorarias no Ceará. O parque industrial do Estado está em fase de renovação e seis teares multifios, que representam a maior inovação no setor das rochas ornamentais, já estão instalados. Na vanguarda brasileira de extração de Granito, o Estado foi um dos primeiros a incrementar o uso das máquinas a fio diamantado, ainda no início dos anos 1990.

Hoje, aproximadamente 35 empresas do Espírito Santo atuam no Ceará extraindo blocos de granito, evidenciando o potencial do Estado. Por conta dos investimentos por parte dos empresariados, a região detém o segundo maior parque industrial nacional, o que pode consolidá-la como o terceiro mais importante polo de rochas ornamentais do Brasil. “Apesar de não termos um número consolidado, podemos estimar conservadoramente que o setor comercializa através da sua capacidade produtiva atualmente instalada, algo como R$ 500 milhões anualmente”, completa Alencar.

Por conta do cenário e do impacto da feira, que na edição passada recebeu 4 mil visitantes de 14 países diferentes, o setor apresenta bons resultados. A expectativa para a edição de 2017 é um público de 10 mil pessoas. Em 2014, por exemplo, as exportações do Ceará somaram USD 16.188.226,00. No ano seguinte, a arrecadação foi de USD 19.633.836,00 e em 2016, USD 26.122.643,00, representando uma variação de 33% em relação ao ano anterior. Em 2014, eram oito investidores de fora do Estado, enquanto em 2015 o número subiu para 14 e 2016 fechou com 36 investidores, o que representa um aumento de 450%

 

Programação:

01 de junho – quinta-feira

15:30 – Palestra sobre o Estudo da Competitividade do Setor de Rochas Ornamentais no Brasil, com Reinaldo Dantas Sampaio – Presidente Abirochas

16:30 – Palestra sobre Inovações em Fachadas Ventiladas, com Paulo Giafarov- DGG

17:45 – Lançamento do Atlas Mineral do Estado do Ceará, pela Agência do Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), e lançamento do Anuário Mineral do Estado do Ceará, pelo Ministério das Minas e Energias/DNPM, com todas as informações econômicas da mineração cearense).

19h – Solenidade de abertura – Presença do Presidente da CNI- Robson Andrade

 

02 de junho – Sexta-feira

15:30 – Palestras “A vez dos Retrofit”, com o arquiteto Luiz Fiúza

16:30 – Palestra sobre Aproveitamento de resíduos de extração de granito visando aplicações tecnológicas no concreto, com Francisco Carvalho de Arruda Coelho – Eng. Civil – SECITECE

 

03 de junho – sábado

15:30 – Palestra sobre o Geopark Araripe: histórico, objetivos, parcerias e projetos para promoção da conservação do patrimônio natural e da sustentabilidade, com o professor Alamo Saraiva

16:30 – Palestra de Encerramento “O Uso de Rochas na Arquitetura e Obras Civis”, com Carlos Rubens A. Alencar, coordenador da CEE-187-ABNT

Publicidade

Iniciou nesta terça-feira a segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

01 de junho de 2016

Nesta terça-feira, às 20h, foi realizada a solenidade de abertura oficial da Fortaleza Brazil Stone Fair, com as participações do presidente do Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (Simagran-CE), Carlos Rubens Alencar, que promove o evento, do presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), Beto Studart, e do Assessor Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado, Antonio Balhmann, na ocasião representando o governador Camilo Santana. Estiveram presentes ainda outras personalidades da economia cearense, como o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado, Ferruccio Feitosa, e o presidente da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), Mário Lima Junior.

O presidente da FIEC, Beto Studart, grande apoiador e incentivador da Fortaleza Brazil Stone Fair, em sua fala, destacou a evolução do setor de rochas ornamentais nos últimos anos. “O sucesso da edição de 2015 e a realização da feira neste ano são provas de que quanto melhor o setor se organiza, maior é o seu avanço e mais relevante é a sua contribuição para o desenvolvimento do nosso estado”. Beto evidenciou ainda o quanto o setor é promissor no Ceará. “Desde o ano passado, a FIEC hipotecou o seu apoio ao evento, que já anunciava que viria para ficar. Hoje me alegro por estarmos mais uma vez testemunhando e estimulando a potência do setor de rochas. Já somos grandes neste ramo, mas temos chances reais de nos tornarmos ainda mais pujantes. O Ceará é o terceiro maior exportador de rochas ornamentais do Brasil e, ano a ano, registra uma curva ascendente no volume de vendas ao exterior. A atuação da nossa federação, em especial, do Simagran-CE, tem sido firme em fomentar ainda mais esse potencial do setor, que foi considerado um dos três exportadores de futuro promissor, como uma das alavancas para a nossa economia”.

Na ocasião, o Assessor Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado, Antonio Balhmann, destacou o momento importante pelo qual as rochas ornamentais atravessam no Ceará, a importância da Fortaleza Brazil Stone Fair e o envolvimento do Governador Camilo Santana que determinou o desenvolvimento do setor como uma prioridade do seu governo. “E essa prioridade não é só porque o setor é só exportador, ou porque ele é um promotor de renda, mas, muito especialmente, porque ele é um promotor de emprego, tanto na indústria, como é promove emprego inexoravelmente no interior, onde a gente busca com tanta ânsia gerar emprego, porque é lá que as necessidades se apresentam ainda mais gritantes, muito especialmente num estado como o nosso estado”, enfatizou Balhmann.

O Assessor Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado destacou ainda a importância da ZPE para o desenvolvimento do setor de rochas ornamentais, bem como da indústria cearense de uma forma geral. “O Ceará hoje abriga a ideia mais audaciosa do ponto de vista de política de desenvolvimento industrial do Brasil, pois temos aqui a ZPE, um instrumento extremamente bem localizado, com um conjunto de modais, os quais estão no seu entorno, que dão a ela a segurança de uma logística ágil, cada vez de melhor qualidade e de custo mais baixo”.

Fortaleza Brazil Stone Fair

O Centro de Eventos do Ceará (CEC) recebe, desde ontem, 31 de maio, a segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair, exposição internacional de mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos para a cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. A feira, voltada principalmente para arquitetos, designers e decoradores, vai até sexta-feira, 03 de junho, e conta com expositores e palestrantes nacionais e internacionais do setor de rochas ornamentais.

Com a feira, o Simagran-CE tem como objetivo promover o setor, que está crescendo exponencialmente nos últimos anos, e chamar atenção para o potencial produtivo do Ceará em relação às rochas ornamentais. “O nosso grande objetivo com esse evento é a valorização da pedra e a geração de demanda. Diante disto, nós estamos estabelecendo como direção fazer um trabalho muito forte junto aos arquitetos e profissionais de design e decoração, pois 85% de tudo que é produzido no mundo todo nesse setor cai nas edificações civis e nas obras públicas”, afirma o presidente do Simagran-CE, Carlos Rubens Alencar.

Os interessados em participar da Fortaleza Brazil Stone Fair, que acontece das 15h às 22h, com entrada gratuita, podem fazer credenciamento através do site do evento (http://stonefairfortaleza2016.com.br) e também no local nos dias da feira. A programação completa também está disponível no site.

SERVIÇO

Fortaleza Brazil Stone Fair

Data: De 31 de maio a 03 de junho

Horário: Das 15h às 22h

Local: Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz) – Pavilhão Leste – Portão E

Inscrições: gratuitas, previamente pelo site (http://stonefairfortaleza2016.com.br) e nos dias do evento, também no local.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair começa amanhã

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

30 de Maio de 2016

FBSF 2015 (3)

O Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (Simagran-Ce) promove, entre os dias 31 de maio e 03 de junho, a segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair, exposição internacional de mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos para a cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. A feira acontecerá no Centro de Eventos do Ceará (CEC), das 15h às 22h, e a entrada é gratuita.

Com a feira, o Simagran-Ce tem como objetivo promover o setor, que está crescendo exponencialmente nos últimos anos, e chamar atenção para o potencial produtivo do Ceará em relação às rochas ornamentais. A feira, pioneira do setor no Nordeste, tem como foco o setor produtivo, por isso a Fortaleza Brazil Stone Fair tem como público-alvo, principalmente, os especificadores do produto (arquitetos, designers e decoradores).

A feira espera receber em torno de 10 mil visitantes nos quatro dias de evento, sendo 10% desse público de outros países. O evento contará com palestras técnicas e feira com expositores nacionais e internacionais do setor de rochas ornamentais. Dentre os expositores presentes na feira estão empresas de mineração e indústrias de rochas ornamentais do Ceará, Brasil e do exterior, empresas de beneficiamento industrial de rochas ornamentais do Brasil e do exterior, fornecedores de máquinas, equipamentos e insumos, instituições de classe representativas do setor e instituições técnicas de apoio ao setor.

Os interessados em participar da Fortaleza Brazil Stone Fair podem fazer credenciamento através do site do evento (http://stonefairfortaleza2016.com.br) e também no local nos dias da feira. Confira programação completa no site.

SERVIÇO

Fortaleza Brazil Stone Fair

Data: De 31 de maio a 03 de junho

Horário: Das 15h às 22h

Local: Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz) – Pavilhão Leste – Portão E

Inscrições: gratuitas, previamente pelo site (http://stonefairfortaleza2016.com.br) e nos dias do evento, também no local.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará promove segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

25 de Maio de 2016

FBSF 2015 (2)

O evento, voltado principalmente para arquitetos, designers e decoradores,contará com expositores e palestrantes nacionais e internacionais do setor de rochas ornamentais.

Após sua primeira edição, realizada em 2015, o Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (Simagran-Ce) realiza novamente a Fortaleza Brazil Stone Fair, exposição internacional de mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos para a cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. A iniciativa visa promover o fomento das atividades do setor e chamar atenção para o potencial produtivo do Ceará no tocante às rochas ornamentais. A feira acontecerá entre os dias 31 de maio e 03 de junho, no Centro de Eventos do Ceará (CEC), e a entrada é gratuita, mediante apenas credenciamento, que está sendo feito pelo site do evento (http://stonefairfortaleza2016.com.br), mas que também poderá ser feito no local nos dias da feira.

A ideia inicial era que a feira fosse realizada de dois em dois anos, entretanto, devido ao momento de expansão pelo qual o setor de rochas ornamentais vem atravessando nos últimos anos no Ceará e, como reflexo, a atenção que o estado vem recebendo das indústrias do setor do Brasil e até mesmo estrangeiras, o Simagran-Ce optou por realizar a segunda edição já esse ano. “A Feira agora se consolida como importante canal de divulgação no Brasil e no exterior e geradora de um grande volume de negócios”, enfatiza o presidente do Simagran-Ce, Carlos Rubens Alencar.

A primeira edição da Fortaleza Brazil Stone Fair foi um grande sucesso e, em função disto, já passou a fazer parte do calendário mundial das feiras do setor. Para a edição de 2016, a divulgação começou em agosto de 2015, para todo o Brasil, e focou ainda nos EUA, Índia, Alemanha, Itália, China e Portugal, importantes mercados importadores e exportadores de rochas ornamentais.

A feira é pioneira do setor no Nordeste e, diferente de outros eventos realizados no país, principalmente no Espírito Santo, maior polo industrial do setor, que focam no setor produtivo, a Fortaleza Brazil Stone Fair tem foco bem direcionado para os especificadores do produto (arquitetos, designers e decoradores). Essa estratégia visa promover ainda mais o setor no Ceará, já que são esses profissionais que indicam o produto para seus clientes, aumentando assim a demanda por mármores, granitos, limestones, etc.

A iniciativa do Simagran-Ce, ao promover o evento, parte do contexto favorável para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais no Ceará, representadas pela disponibilidade de reservas minerais, infraestrutura adequada, potencial de mercado e localização privilegiada no que diz respeito à logística de fretes marítimos internacionais. Além disso, Fortaleza possui um potencial turístico e uma infraestrutura hoteleira de ótimo porte.

Entre os expositores estarão presentes na feira empresas de mineração e indústrias de rochas ornamentais do Ceará, Brasil e do exterior, empresas de beneficiamento industrial de rochas ornamentais do Brasil e do exterior, fornecedores de máquinas, equipamentos e insumos, instituições de classe representativas do setor e instituições técnicas de apoio ao setor.

A feira espera receber em torno de 10 mil visitantes nos quatro dias de evento entre marmoristas, atacadistas, distribuidores, importadores de mármores e granitos, profissionais liberais que especificam e utilizam mármores e granitos em seus projetos e obras, construtoras, incorporadoras e empresas de engenharia, empresários e potenciais investidores no setor e estudantes de engenharia, arquitetura, geologia e de profissões técnicas relacionadas ao setor. Desse público, a expectativa é que 10% seja de outros países.

PROGRAMAÇÃO

Palestras técnicas:

31.05 

  • 16:00 –O Uso de Rochas na Arquitetura 
    Palestrante –Carlos Rubens A. Alencar –  Coordenador da Comissão de Estudos Especiais -187-ABNT

 

01.06

  • 16:00 –  Do papel à pedra 
    Palestrante – Ludson Zampirolli  – Designer de Produto – Centro Universitário de Belas Artes de São Paulo
  • 17:30 –  O uso da tecnologia de fio diamantado em rochas 
    Palestrante – José Antonio Guidoni – Presidente do Centro dos Exportadores de Rochas (CENTROROCHAS)

         18:30 –  O mercado mundial de rochas ornamentais 

       Palestrante – Olívia Tirelo – Diretora Executiva do Centrorochas

 

02.06

  • 16:00 –  Inovações em Fachadas Aeradas 
    Palestrante – Eng. Paulo Giafarov – DGG
  • 17:00 –  A valorização das pedras naturais 
    Palestrante – Daniel Rebelo – Assimagra (Portugal)
  • 18:00 –  As normas de utilização das pedras naturais 
    Palestrante – Carlos Rubens A. Alencar –  Coordenador da Comissão de Estudos Especiais -187-ABNT

03:06

   

16:00 –  Tratamento de superfícies de rochas de revestimento 

Palestrante – Geólogo Dr. Fernando Castelo Branco Sales – UECE

 

SERVIÇO

Fortaleza Brazil Stone Fair

Data: De 31 de maio a 03 de junho

Horário: Das 15h às 22h

Local: Centro de Eventos do Ceará (Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz) – Pavilhão Leste – Portão E

Inscrições: gratuitas, previamente pelo site (http://stonefairfortaleza2016.com.br) e nos dias do evento, também no local.

Publicidade

Exportações de rochas ornamentais no Ceará devem chegar a USD 200 milhões em 2020

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

17 de Maio de 2016

Com a perspectiva de crescimento do setor, o Ceará se consolidará, num médio prazo, como o segundo mais importante polo de rochas ornamentais do Brasil.

O Estado do Ceará é atualmente a fronteira mais importante de rochas superexóticas (granitos) e quartzitos do Brasil e, devido a esta geodiversidade, já existem cerca de 26 empresas do sudeste, pesquisando e lavrando no Estado.  Estas rochas possuem dureza e aspectos estéticos decorativos diferenciados e são estas qualidades que tem atraído os referidos investidores.

Atualmente, uma parte expressiva das rochas ornamentais (granitos e quartzitos) no Ceará é extraída por empresas do Estado do Espírito Santo, transportadas para lá, onde passam por processo de beneficiamento e são exportadas, principalmente, para os Estados Unidos. Segundo o presidente do Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (SIMAGRAN – CE), Carlos Rubens A. Alencar, “Se conseguirmos criar as condições para que parte desse volume seja aqui industrializado e exportado pelos portos cearenses, cerca de USD 100 milhões, aproximadamente, já seriam atualmente agregados anualmente à pauta de exportação estadual”, enfatiza.

O setor de rochas ornamentais no Ceará, apesar de bastante recente, tem crescido exponencialmente nos últimos anos. No ano de 2015, o Ceará exportou em torno de 20 milhões de dólares. Esse ano, o setor de rochas ornamentais foi incluído entre os beneficiados com áreas para instalação de indústrias na Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE) e o fato tem trazido ainda mais otimismo para o setor. Segundo o presidente do SIMAGRAN-CE, antes da ZPE, a expectativa era que, em 2020, as exportações de rochas ornamentais pelos portos cearenses alcançassem USD 120 milhões. Com a instalação de empresas de mármores e granitos na ZPE, espera-se agora que, em 2020, o Ceará passe a exportar USD 200 milhões.

Participação do setor de rochas ornamentais nas exportações cearenses

Com o crescimento do setor de rochas ornamentais no Ceará, tem aumentado também a participação do produto nas exportações cearenses. A Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) e o Centro Internacional de Negócios (CIN), com a contribuição do Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (SIMAGRAN-CE), divulgou, esse mês, um Miniestudo Setorial de Rochas Ornamentais que fez um comparativo entre as exportações cearenses de rochas ornamentais nos quatro primeiros meses do ano em 2014, 2015 e 2016. Segundo o Miniestudo, as exportações de rochas ornamentais no estado, de janeiro a abril, que, no primeiro quadrimestre de 2014, foram na ordem de USD 3.843.659,00 e, em 2015, atingiram USD 6.038.774,00, esse ano já chegaram a USD 8.813.489,00. De 2014 para 2015, o crescimento foi de 57,1% e, de 2015 para 2016, a variação foi de 45,9%.

No tocante à participação do setor nas exportações do Ceará, no primeiro quadrimestre de 2016, as exportações de rochas ornamentais responderam por 2,81% do total exportado do estado. Em valores monetários, já foram exportados pelo Ceará de mármores e granitos 8,8 milhões de dólares. Em 2014, o setor respondia por 0,96% das exportações cearenses e, em 2015, por 1,85%, o que representou 4,5 milhões, em 2014, e 6,6 milhões, em 2015.

Essa constante evolução do mercado de rochas ornamentais no Ceará despertou o interesse da Assessoria de Assuntos Internacionais do Governo do Estado que incluiu o setor nos mercados de atuação que terão garantidos espaços na Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE), no Porto do Pecém, para a instalação de indústrias. Além do setor de rochas ornamentais, serão beneficiadas com a ZPE, indústrias dos setores calçadista, têxtil, petroquímico, metalmecânico, agroindústria e alimentos. No último dia 04 de maio, a presidente afastada Dilma Roussef, assinou Decreto que ampliou a área da ZPE em 44,7%, incorporando a área de 1.911,04 hectares aos 4.271,4 hectares iniciais, passando a contar agora com uma área total de 6.182,44 hectares.

Evolução do investimento em tecnologia no setor

O Ceará sempre esteve na vanguarda no que diz respeito à extração de Granito. O estado foi um dos primeiros a incrementar o uso das máquinas a fio diamantado, ainda no início dos anos 90. Da região, é extraído o granito mais reverenciado nas grandes obras realizadas no Brasil, reconhecido mundialmente como Branco Ceará. Empreendimentos como o novo terminal aeroportuário de Guarulhos, em São Paulo, e os shoppings RioMar Fortaleza e Recife, além do Shopping Iguatemi de Fortaleza, utilizaram esse granito.

Atualmente, o Ceará tem inovado ainda mais em tecnologia para se tornar mais competitivo. Estão sendo instalados na região (06) seis teares multifios, maior inovação no setor de rochas ornamentais, o que comprova o momento de investimentos pelo qual o setor está atravessando.

Em razão dos investimentos realizados pelo empresariado cearense, hoje, o Ceará detém o segundo maior parque industrial nacional, o que consolidará o estado, num médio prazo, como o segundo mais importante polo de rochas ornamentais do Brasil. Atualmente, de acordo com os rankings de maiores exportadores nacionais do setor, o Ceará ocupa a terceira posição, perdendo apenas para os estados do Espírito Santo, maior exportador do país, e de Minas Gerais. No entanto, as exportações do estado mineiro vêm caindo nos últimos três anos, enquanto as exportações cearenses vêm crescendo exponencialmente. Por essa razão, em médio prazo, o Ceará deve Minas Gerais no volume de exportações.

Cenário das rochas ornamentais no Brasil

Conforme informativo da Associação Brasileira das Indústrias de Rochas Ornamentais-ABIROCHAS, de janeiro de 2016, as exportações de rochas ornamentais para os EUA superaram um milhão de toneladas (1.036.261,97 t), gerando faturamento de USD 792,2 milhões em 2015. Frente a 2014, houve variação positiva de 0,32% no faturamento e 6,89% no volume físico dessas exportações. A participação das exportações para os EUA, no total do faturamento e volume físico das exportações brasileiras de rochas, evoluiu respectivamente de 61,8% e 38,1%, em 2014, para 65,5% e 44,6% em 2015.

As exportações de chapas polidas tiveram variação positiva de 6,67% em volume físico, somando 98,30% do total exportado para os EUA. As exportações de chapas para os EUA representaram, assim, 83,5% do total das exportações brasileiras de chapas, o que corresponderia a cerca de 18,9 milhões de m2 equivalentes com 2 cm de espessura. O preço médio das exportações de rochas para os EUA, também essencialmente remetido às chapas, recuou de USD 810/t em 2014, para USD 760/t em 2015. É pouco provável que essas exportações evoluam positivamente em 2016.

As exportações para a China, que é o segundo maior mercado das rochas brasileiras, recuaram de forma expressiva pelo segundo ano consecutivo, somando USD 104,4 milhões (-27,73%) e 568,4 mil toneladas (-27,87%). A participação da China, no total das exportações brasileiras de rochas, em 2015, foi de 8,6% no faturamento e de 24,5% no volume físico. O preço médio dessas exportações foi de apenas USD 180/t, mantendo o mesmo patamar de 2014. As rochas brutas perfizeram 99% do volume físico e 95% do faturamento dessas exportações para a China.

Destaca-se que, até 2013, o volume físico exportado para a China foi superior ao dos EUA e equivalia a mais de 50% do total das exportações brasileiras. Não fosse o bom desempenho brasileiro nas exportações de rochas processadas, especialmente para os EUA, teria sido mais forte o impacto da queda chinesa no desempenho brasileiro em 2014 e 2015. Assim como para os EUA, é pouco provável que as exportações de rochas para a China evoluam de forma significativa em 2016.

A Itália é o terceiro maior mercado para as exportações brasileiras de rochas, absorvendo um mix de produtos que inclui chapas de mármores e granito, produtos de ardósia e quartzitos foliados, ainda que predomine o faturamento com rochas brutas carbonáticas (6,6% do total) e silicáticas (85%). Os preços pagos e a quantidade importada pela Itália permitem concluir que este país está novamente serrando rochas brasileiras, neste caso materiais exóticos, para atendimento de obras no mercado internacional.

Fortaleza Brazil Stone Fair

No contexto de expansão do setor de rochas ornamentais nos últimos anos no Ceará, o SIMAGRAN-CE organizará, entre os dias 31 de maio e 03 de junho, a segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair. A iniciativa visa promover o fomento das atividades do setor e chamar atenção para o potencial produtivo do Ceará no tocante às rochas ornamentais.

A primeira edição realizada em 2015 foi um grande sucesso e, em função disto, já passou a fazer parte do calendário mundial das feiras do setor. Para a edição de 2016, a divulgação começou em agosto de 2015 e tem sido utilizada mídia nos EUA, Índia, Alemanha e contatos presenciais na Itália, China, EUA e Portugal, que são importantes players deste setor.

A Fortaleza Brazil Stone Fair é uma exposição internacional de mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos da cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. A feira é pioneira do setor no Nordeste e tem foco bem direcionado para os especificadores do produto (arquitetos, designers e decoradores).

A iniciativa do SIMAGRAN-CE, ao promover o evento, parte do contexto favorável para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais no Ceará, representadas pela disponibilidade de reservas minerais, infraestrutura adequada, potencial de mercado e localização privilegiada no que diz respeito à logística de fretes marítimos internacionais. Além disso, Fortaleza possui um potencial turístico e uma infraestrutura hoteleira de ótimo porte.

Publicidade

Exportações de rochas ornamentais no Ceará devem chegar a USD 200 milhões em 2020

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

17 de Maio de 2016

Com a perspectiva de crescimento do setor, o Ceará se consolidará, num médio prazo, como o segundo mais importante polo de rochas ornamentais do Brasil.

O Estado do Ceará é atualmente a fronteira mais importante de rochas superexóticas (granitos) e quartzitos do Brasil e, devido a esta geodiversidade, já existem cerca de 26 empresas do sudeste, pesquisando e lavrando no Estado.  Estas rochas possuem dureza e aspectos estéticos decorativos diferenciados e são estas qualidades que tem atraído os referidos investidores.

Atualmente, uma parte expressiva das rochas ornamentais (granitos e quartzitos) no Ceará é extraída por empresas do Estado do Espírito Santo, transportadas para lá, onde passam por processo de beneficiamento e são exportadas, principalmente, para os Estados Unidos. Segundo o presidente do Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (SIMAGRAN – CE), Carlos Rubens A. Alencar, “Se conseguirmos criar as condições para que parte desse volume seja aqui industrializado e exportado pelos portos cearenses, cerca de USD 100 milhões, aproximadamente, já seriam atualmente agregados anualmente à pauta de exportação estadual”, enfatiza.

O setor de rochas ornamentais no Ceará, apesar de bastante recente, tem crescido exponencialmente nos últimos anos. No ano de 2015, o Ceará exportou em torno de 20 milhões de dólares. Esse ano, o setor de rochas ornamentais foi incluído entre os beneficiados com áreas para instalação de indústrias na Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE) e o fato tem trazido ainda mais otimismo para o setor. Segundo o presidente do SIMAGRAN-CE, antes da ZPE, a expectativa era que, em 2020, as exportações de rochas ornamentais pelos portos cearenses alcançassem USD 120 milhões. Com a instalação de empresas de mármores e granitos na ZPE, espera-se agora que, em 2020, o Ceará passe a exportar USD 200 milhões.

Participação do setor de rochas ornamentais nas exportações cearenses

Com o crescimento do setor de rochas ornamentais no Ceará, tem aumentado também a participação do produto nas exportações cearenses. A Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) e o Centro Internacional de Negócios (CIN), com a contribuição do Sindicato das Indústrias de Mármores e Granitos do Estado do Ceará (SIMAGRAN-CE), divulgou, esse mês, um Miniestudo Setorial de Rochas Ornamentais que fez um comparativo entre as exportações cearenses de rochas ornamentais nos quatro primeiros meses do ano em 2014, 2015 e 2016. Segundo o Miniestudo, as exportações de rochas ornamentais no estado, de janeiro a abril, que, no primeiro quadrimestre de 2014, foram na ordem de USD 3.843.659,00 e, em 2015, atingiram USD 6.038.774,00, esse ano já chegaram a USD 8.813.489,00. De 2014 para 2015, o crescimento foi de 57,1% e, de 2015 para 2016, a variação foi de 45,9%.

No tocante à participação do setor nas exportações do Ceará, no primeiro quadrimestre de 2016, as exportações de rochas ornamentais responderam por 2,81% do total exportado do estado. Em valores monetários, já foram exportados pelo Ceará de mármores e granitos 8,8 milhões de dólares. Em 2014, o setor respondia por 0,96% das exportações cearenses e, em 2015, por 1,85%, o que representou 4,5 milhões, em 2014, e 6,6 milhões, em 2015.

Essa constante evolução do mercado de rochas ornamentais no Ceará despertou o interesse da Assessoria de Assuntos Internacionais do Governo do Estado que incluiu o setor nos mercados de atuação que terão garantidos espaços na Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE), no Porto do Pecém, para a instalação de indústrias. Além do setor de rochas ornamentais, serão beneficiadas com a ZPE, indústrias dos setores calçadista, têxtil, petroquímico, metalmecânico, agroindústria e alimentos. No último dia 04 de maio, a presidente afastada Dilma Roussef, assinou Decreto que ampliou a área da ZPE em 44,7%, incorporando a área de 1.911,04 hectares aos 4.271,4 hectares iniciais, passando a contar agora com uma área total de 6.182,44 hectares.

Evolução do investimento em tecnologia no setor

O Ceará sempre esteve na vanguarda no que diz respeito à extração de Granito. O estado foi um dos primeiros a incrementar o uso das máquinas a fio diamantado, ainda no início dos anos 90. Da região, é extraído o granito mais reverenciado nas grandes obras realizadas no Brasil, reconhecido mundialmente como Branco Ceará. Empreendimentos como o novo terminal aeroportuário de Guarulhos, em São Paulo, e os shoppings RioMar Fortaleza e Recife, além do Shopping Iguatemi de Fortaleza, utilizaram esse granito.

Atualmente, o Ceará tem inovado ainda mais em tecnologia para se tornar mais competitivo. Estão sendo instalados na região (06) seis teares multifios, maior inovação no setor de rochas ornamentais, o que comprova o momento de investimentos pelo qual o setor está atravessando.

Em razão dos investimentos realizados pelo empresariado cearense, hoje, o Ceará detém o segundo maior parque industrial nacional, o que consolidará o estado, num médio prazo, como o segundo mais importante polo de rochas ornamentais do Brasil. Atualmente, de acordo com os rankings de maiores exportadores nacionais do setor, o Ceará ocupa a terceira posição, perdendo apenas para os estados do Espírito Santo, maior exportador do país, e de Minas Gerais. No entanto, as exportações do estado mineiro vêm caindo nos últimos três anos, enquanto as exportações cearenses vêm crescendo exponencialmente. Por essa razão, em médio prazo, o Ceará deve Minas Gerais no volume de exportações.

Cenário das rochas ornamentais no Brasil

Conforme informativo da Associação Brasileira das Indústrias de Rochas Ornamentais-ABIROCHAS, de janeiro de 2016, as exportações de rochas ornamentais para os EUA superaram um milhão de toneladas (1.036.261,97 t), gerando faturamento de USD 792,2 milhões em 2015. Frente a 2014, houve variação positiva de 0,32% no faturamento e 6,89% no volume físico dessas exportações. A participação das exportações para os EUA, no total do faturamento e volume físico das exportações brasileiras de rochas, evoluiu respectivamente de 61,8% e 38,1%, em 2014, para 65,5% e 44,6% em 2015.

As exportações de chapas polidas tiveram variação positiva de 6,67% em volume físico, somando 98,30% do total exportado para os EUA. As exportações de chapas para os EUA representaram, assim, 83,5% do total das exportações brasileiras de chapas, o que corresponderia a cerca de 18,9 milhões de m2 equivalentes com 2 cm de espessura. O preço médio das exportações de rochas para os EUA, também essencialmente remetido às chapas, recuou de USD 810/t em 2014, para USD 760/t em 2015. É pouco provável que essas exportações evoluam positivamente em 2016.

As exportações para a China, que é o segundo maior mercado das rochas brasileiras, recuaram de forma expressiva pelo segundo ano consecutivo, somando USD 104,4 milhões (-27,73%) e 568,4 mil toneladas (-27,87%). A participação da China, no total das exportações brasileiras de rochas, em 2015, foi de 8,6% no faturamento e de 24,5% no volume físico. O preço médio dessas exportações foi de apenas USD 180/t, mantendo o mesmo patamar de 2014. As rochas brutas perfizeram 99% do volume físico e 95% do faturamento dessas exportações para a China.

Destaca-se que, até 2013, o volume físico exportado para a China foi superior ao dos EUA e equivalia a mais de 50% do total das exportações brasileiras. Não fosse o bom desempenho brasileiro nas exportações de rochas processadas, especialmente para os EUA, teria sido mais forte o impacto da queda chinesa no desempenho brasileiro em 2014 e 2015. Assim como para os EUA, é pouco provável que as exportações de rochas para a China evoluam de forma significativa em 2016.

A Itália é o terceiro maior mercado para as exportações brasileiras de rochas, absorvendo um mix de produtos que inclui chapas de mármores e granito, produtos de ardósia e quartzitos foliados, ainda que predomine o faturamento com rochas brutas carbonáticas (6,6% do total) e silicáticas (85%). Os preços pagos e a quantidade importada pela Itália permitem concluir que este país está novamente serrando rochas brasileiras, neste caso materiais exóticos, para atendimento de obras no mercado internacional.

Fortaleza Brazil Stone Fair

No contexto de expansão do setor de rochas ornamentais nos últimos anos no Ceará, o SIMAGRAN-CE organizará, entre os dias 31 de maio e 03 de junho, a segunda edição da Fortaleza Brazil Stone Fair. A iniciativa visa promover o fomento das atividades do setor e chamar atenção para o potencial produtivo do Ceará no tocante às rochas ornamentais.

A primeira edição realizada em 2015 foi um grande sucesso e, em função disto, já passou a fazer parte do calendário mundial das feiras do setor. Para a edição de 2016, a divulgação começou em agosto de 2015 e tem sido utilizada mídia nos EUA, Índia, Alemanha e contatos presenciais na Itália, China, EUA e Portugal, que são importantes players deste setor.

A Fortaleza Brazil Stone Fair é uma exposição internacional de mármores, granitos, limestones, pedras laminadas, máquinas, equipamentos e insumos da cadeia produtiva das rochas ornamentais e de revestimento. A feira é pioneira do setor no Nordeste e tem foco bem direcionado para os especificadores do produto (arquitetos, designers e decoradores).

A iniciativa do SIMAGRAN-CE, ao promover o evento, parte do contexto favorável para o desenvolvimento da indústria de rochas ornamentais no Ceará, representadas pela disponibilidade de reservas minerais, infraestrutura adequada, potencial de mercado e localização privilegiada no que diz respeito à logística de fretes marítimos internacionais. Além disso, Fortaleza possui um potencial turístico e uma infraestrutura hoteleira de ótimo porte.