Caçadores de Medula: cadastro de doadores é realizado na Dakota, em Maranguape - News Maranguape 
Publicidade

News Maranguape

por Dadynha Saturnino

Caçadores de Medula: cadastro de doadores é realizado na Dakota, em Maranguape

Por Dadynha Saturnino em Solidariedade

05 de dezembro de 2018

A Campanha Caçadores de Medula aconteceu nesta segunda (03), na fábrica de calçados Dakota Nordeste, em Maranguape. Durante todo o dia, a equipe do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (HEMOCE) esteve à disposição dos funcionários e realizou um total de 191 novos cadastros de doadores voluntários de medula óssea. Instalada em Maranguape deste 1995, a Dakota é parceira de instituições públicas e privadas desta cidade na constante realização de ações sociais junto aos seus colaboradores, desde a realização de palestras preventivas sobre os mais variados tipos de doenças em homens e mulheres como o apoio a campanhas de incentivo à valorização da vida, como esta dos Caçadores de Medula.

 

Cadastro

 

8
Caçadores de Medula na DAKOTA 1
3/9

Caçadores de Medula na DAKOTA 1

Caçadores de Medula na DAKOTA. Divulgação

18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 2
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 3
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 4
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 5
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 6
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA

 

O cadastro de doador de medula óssea pode ser feito em qualquer hemocentro do país. O voluntário deve apresentar um documento oficial com foto, preencher a ficha cadastral, assinar o Termo de Consentimento e autorizar a coleta de uma pequena amostra de sangue do braço (5ml). O doador precisa ter entre 18 e 55 anos, não ter doença infecciosa ou incapacitante, não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico.

 

 

Doação de Medula Óssea (transplante)

 

Segundo o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME), o transplante de medula óssea pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenças em diferentes estágios e faixas etárias. Além disso, o doador ideal (irmão compatível) só está disponível em cerca de 25% das famílias brasileiras – para 75% dos pacientes é necessário identificar um doador alternativo a partir dos registros de doadores voluntários, bancos públicos de sangue de cordão umbilical ou familiares parcialmente compatíveis (haploidênticos). A cada 100 mil cadastros, somente uma medula de um doador alternativo é 100% compatível com a de algum paciente que aguarda na fila do transplante. O objetivo da campanha Caçadores de Medula é aumentar o número de cadastro para aumentar as chances de compatibilidade.

 

A doação (transplante) é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação de 24 horas. A medula é retirada do interior de ossos da bacia, por meio de punções. O procedimento leva em torno de 90 minutos. A medula óssea do doador se recompõe em apenas 15 dias. Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana após a doação.

 

Há outro método de doação chamado coleta por aférese. Neste caso, o doador faz uso de uma medicação por cinco dias com o objetivo de aumentar o número de células-tronco (células mais importantes para o transplante de medula óssea) circulantes no seu sangue. Após esse período, a pessoa faz a doação por meio de uma máquina de aférese, que colhe o sangue da veia do doador, separa as células-tronco e devolve os elementos do sangue que não são necessários para o paciente. Não há necessidade de internação nem de anestesia, sendo todos os procedimentos feitos pela veia. A decisão sobre o método de doação mais adequado é exclusiva dos médicos assistentes, tanto do paciente quanto do doador, e será avaliada em cada caso.

 

Fonte: REDOME

 

 

Publicidade aqui

Caçadores de Medula: cadastro de doadores é realizado na Dakota, em Maranguape

Por Dadynha Saturnino em Solidariedade

05 de dezembro de 2018

A Campanha Caçadores de Medula aconteceu nesta segunda (03), na fábrica de calçados Dakota Nordeste, em Maranguape. Durante todo o dia, a equipe do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (HEMOCE) esteve à disposição dos funcionários e realizou um total de 191 novos cadastros de doadores voluntários de medula óssea. Instalada em Maranguape deste 1995, a Dakota é parceira de instituições públicas e privadas desta cidade na constante realização de ações sociais junto aos seus colaboradores, desde a realização de palestras preventivas sobre os mais variados tipos de doenças em homens e mulheres como o apoio a campanhas de incentivo à valorização da vida, como esta dos Caçadores de Medula.

 

Cadastro

 

8
Caçadores de Medula na DAKOTA 1
3/9

Caçadores de Medula na DAKOTA 1

Caçadores de Medula na DAKOTA. Divulgação

18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 2
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 3
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 4
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 5
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA 6
18-12-03 Caçadores de Medula DAKOTA

 

O cadastro de doador de medula óssea pode ser feito em qualquer hemocentro do país. O voluntário deve apresentar um documento oficial com foto, preencher a ficha cadastral, assinar o Termo de Consentimento e autorizar a coleta de uma pequena amostra de sangue do braço (5ml). O doador precisa ter entre 18 e 55 anos, não ter doença infecciosa ou incapacitante, não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico.

 

 

Doação de Medula Óssea (transplante)

 

Segundo o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME), o transplante de medula óssea pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenças em diferentes estágios e faixas etárias. Além disso, o doador ideal (irmão compatível) só está disponível em cerca de 25% das famílias brasileiras – para 75% dos pacientes é necessário identificar um doador alternativo a partir dos registros de doadores voluntários, bancos públicos de sangue de cordão umbilical ou familiares parcialmente compatíveis (haploidênticos). A cada 100 mil cadastros, somente uma medula de um doador alternativo é 100% compatível com a de algum paciente que aguarda na fila do transplante. O objetivo da campanha Caçadores de Medula é aumentar o número de cadastro para aumentar as chances de compatibilidade.

 

A doação (transplante) é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação de 24 horas. A medula é retirada do interior de ossos da bacia, por meio de punções. O procedimento leva em torno de 90 minutos. A medula óssea do doador se recompõe em apenas 15 dias. Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana após a doação.

 

Há outro método de doação chamado coleta por aférese. Neste caso, o doador faz uso de uma medicação por cinco dias com o objetivo de aumentar o número de células-tronco (células mais importantes para o transplante de medula óssea) circulantes no seu sangue. Após esse período, a pessoa faz a doação por meio de uma máquina de aférese, que colhe o sangue da veia do doador, separa as células-tronco e devolve os elementos do sangue que não são necessários para o paciente. Não há necessidade de internação nem de anestesia, sendo todos os procedimentos feitos pela veia. A decisão sobre o método de doação mais adequado é exclusiva dos médicos assistentes, tanto do paciente quanto do doador, e será avaliada em cada caso.

 

Fonte: REDOME