23 de julho de 2014 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

23 de julho de 2014

Adeus às armas

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

23 de julho de 2014

Ninguém desconhece que o comércio ilegal de armas impulsiona – e muito! – o aumento da violência. A confirmar essa evidência estão aí os números de crimes cometidos com o uso de armas. Como tem gente armada nesta cidade! Hoje, por exemplo, o Tribunal de Justiça está encaminhando ao Exército, para destruição, 5 mil 138 armas, fruto de apreensões feitas pela Polícia, nos últimos dois meses. Dessas, 2 mil 348 são armas de fogo; duas mil 790 são armas brancas. Quando se pergunta, porque tanta gente armada, a resposta imediata dos que acham serem elas a solução, é de que as pessoas se armam para enfrentar os bandidos que exibem armas em suas ações criminosas. Esse é o tipo de pensamento contraditório; porque parece isentar os setores da segurança, da tarefa que lhes compete, que é desarmar as pessoas. Combater a violência armada. Aliás, quem pensa que usando uma arma vá resolver o problema da violência, está completamente enganado. Porque, ao se armar, a pessoa corre o risco de se tornar criminoso, mesmo na defesa da vida. Arma é ferramenta para quem detém o poder de polícia e, ainda assim, usável apenas em casos de exceção. Até mesmo os governantes cometem equívoco, quando interessados em combater a violência, imaginam que armando a Guarda Municipal irão conseguir resultados. A violência tem raízes mais profundas. Ela se estabelece na personalidade doentia dos que não respeitam as leis, dos que se acham donos da Vida e dos que se acovardam atrás de uma arma, porque não encontram argumentos de defesa quando instados a resolver problemas pessoais. É a educação, o mecanismo apropriado para deter a insanidade dos que usam armas porque não sabem dialogar.

leia tudo sobre

Publicidade

Adeus às armas

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

23 de julho de 2014

Ninguém desconhece que o comércio ilegal de armas impulsiona – e muito! – o aumento da violência. A confirmar essa evidência estão aí os números de crimes cometidos com o uso de armas. Como tem gente armada nesta cidade! Hoje, por exemplo, o Tribunal de Justiça está encaminhando ao Exército, para destruição, 5 mil 138 armas, fruto de apreensões feitas pela Polícia, nos últimos dois meses. Dessas, 2 mil 348 são armas de fogo; duas mil 790 são armas brancas. Quando se pergunta, porque tanta gente armada, a resposta imediata dos que acham serem elas a solução, é de que as pessoas se armam para enfrentar os bandidos que exibem armas em suas ações criminosas. Esse é o tipo de pensamento contraditório; porque parece isentar os setores da segurança, da tarefa que lhes compete, que é desarmar as pessoas. Combater a violência armada. Aliás, quem pensa que usando uma arma vá resolver o problema da violência, está completamente enganado. Porque, ao se armar, a pessoa corre o risco de se tornar criminoso, mesmo na defesa da vida. Arma é ferramenta para quem detém o poder de polícia e, ainda assim, usável apenas em casos de exceção. Até mesmo os governantes cometem equívoco, quando interessados em combater a violência, imaginam que armando a Guarda Municipal irão conseguir resultados. A violência tem raízes mais profundas. Ela se estabelece na personalidade doentia dos que não respeitam as leis, dos que se acham donos da Vida e dos que se acovardam atrás de uma arma, porque não encontram argumentos de defesa quando instados a resolver problemas pessoais. É a educação, o mecanismo apropriado para deter a insanidade dos que usam armas porque não sabem dialogar.