21 de Janeiro de 2015 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

21 de Janeiro de 2015

Nessa discussão sobre segurança, vale avaliar a inteligência policial?

Por Nonato Albuquerque em SEGURANÇA

21 de Janeiro de 2015

O governo Camilo Santana herdou um tremendo abacaxi da administração Cid Gomes, que é esse da área da Segurança. Mesmo com investimentos feitos no setor ao longo dos últimos oito anos, o crescimento da violência tem dado uma dor de cabeça danada, aos que respondem pela difícil tarefa de conter os índices de violência, sempre elevados. Claro que não é culpa só da Polícia, mas como a parte mais visível no enfrentamento do problema, é sobre ela que recaem as cobranças.

Ontem, o governador se reuniu com membros do grupo de segurança, numa tentativa de avaliar os pontos que precisam ser atacados para definir as estratégias do projeto Ceará Pacífico que deseja implantar. Não vai ser fácil, até porque, ele próprio sabe que não é trabalho diminuto e que deve levar algum tempo para que surjam os resultados. No entanto, Camilo Santana age com o discernimento de quem precisa atuar com rapidez, levando-se em conta os números divulgados pelo setor. Números que muitas vezes divergem dos relatos da imprensa, acostumada a mostrar uma realidade sem disfarce.

Que existe insegurança na cidade, existe. Que há compromisso das autoridades em contrapor-se a isso, é verdade. A impressão que se tem, porém, é que esteja ocorrendo algum descompasso entre o fazer da Polícia e o comprometimento da Justiça. É aquele velho questionamento: a Polícia prende, a Justiça solta. Será que isso se deva a falhas nos processos? Pois que sejam avaliados os que respondem por isso.

Ainda há pouco, o ministro Cid Gomes revelou interesse em fazer avaliação do corpo de funcionários da sua área. Por que, então, não se buscar esse tipo de avaliação em setores como o da inteligência policial. Até para se saber se estão funcionando a contento. Fica a sugestão.

leia tudo sobre

Publicidade

Nessa discussão sobre segurança, vale avaliar a inteligência policial?

Por Nonato Albuquerque em SEGURANÇA

21 de Janeiro de 2015

O governo Camilo Santana herdou um tremendo abacaxi da administração Cid Gomes, que é esse da área da Segurança. Mesmo com investimentos feitos no setor ao longo dos últimos oito anos, o crescimento da violência tem dado uma dor de cabeça danada, aos que respondem pela difícil tarefa de conter os índices de violência, sempre elevados. Claro que não é culpa só da Polícia, mas como a parte mais visível no enfrentamento do problema, é sobre ela que recaem as cobranças.

Ontem, o governador se reuniu com membros do grupo de segurança, numa tentativa de avaliar os pontos que precisam ser atacados para definir as estratégias do projeto Ceará Pacífico que deseja implantar. Não vai ser fácil, até porque, ele próprio sabe que não é trabalho diminuto e que deve levar algum tempo para que surjam os resultados. No entanto, Camilo Santana age com o discernimento de quem precisa atuar com rapidez, levando-se em conta os números divulgados pelo setor. Números que muitas vezes divergem dos relatos da imprensa, acostumada a mostrar uma realidade sem disfarce.

Que existe insegurança na cidade, existe. Que há compromisso das autoridades em contrapor-se a isso, é verdade. A impressão que se tem, porém, é que esteja ocorrendo algum descompasso entre o fazer da Polícia e o comprometimento da Justiça. É aquele velho questionamento: a Polícia prende, a Justiça solta. Será que isso se deva a falhas nos processos? Pois que sejam avaliados os que respondem por isso.

Ainda há pouco, o ministro Cid Gomes revelou interesse em fazer avaliação do corpo de funcionários da sua área. Por que, então, não se buscar esse tipo de avaliação em setores como o da inteligência policial. Até para se saber se estão funcionando a contento. Fica a sugestão.