Warning: Use of undefined constant S3_URL - assumed 'S3_URL' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/tribu/public_html/blogs/wp-content/themes/2016_tribuna_blogs/functions.php on line 11
8 de Março de 2017 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

8 de Março de 2017

A síndrome de Eva

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

08 de Março de 2017

O bem da vida de todo mundo tem sempre a grandeza e a força do nome de uma mulher. Seja o de mãe ou da mulher amada, todos temos uma gratidão a essa figura. Mas é incrível como o desmazelo humano ainda trata a mulher como se fosse um mero objeto. Ela, contudo, tem superado essas diferenças.

Do direito ao voto à governança de uma nação, a mulher vai aos poucos dominando o mundo. E o mando das mulheres hoje é realidade em qualquer empresa. Ela é maioria nos cargos que, até então, eram exclusivos do homem. Apesar disso, ainda é grande o número de mulheres que se tornam vítimas da violência. Uma a cada três mulheres brasileiras com 16 anos ou mais foi espancada, xingada, ameaçada, agarrada, perseguida, esfaqueada, empurrada ou chutada nos últimos 12 meses.

Não sou eu que estou inventando isso; são os números da realidade. A pesquisa “Visível e Invisível: a Vitimização de Mulheres no Brasil”, realizada a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, entrevistou mulheres de todo o país e revelou: 29% delas afirmaram ter sofrido violência física, verbal ou psicológica no ano anterior.

. É incrível: se o bem da vida de todo mundo tem por trás sempre a força de um nome de mulher, como entender esse modo desumano de assim tratá-la? Preconceito. Preconceito que herdamos da síndrome de Eva, culpada secularmente por se mostrar transgressora do mando machista.

leia tudo sobre

Publicidade

A síndrome de Eva

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

08 de Março de 2017

O bem da vida de todo mundo tem sempre a grandeza e a força do nome de uma mulher. Seja o de mãe ou da mulher amada, todos temos uma gratidão a essa figura. Mas é incrível como o desmazelo humano ainda trata a mulher como se fosse um mero objeto. Ela, contudo, tem superado essas diferenças.

Do direito ao voto à governança de uma nação, a mulher vai aos poucos dominando o mundo. E o mando das mulheres hoje é realidade em qualquer empresa. Ela é maioria nos cargos que, até então, eram exclusivos do homem. Apesar disso, ainda é grande o número de mulheres que se tornam vítimas da violência. Uma a cada três mulheres brasileiras com 16 anos ou mais foi espancada, xingada, ameaçada, agarrada, perseguida, esfaqueada, empurrada ou chutada nos últimos 12 meses.

Não sou eu que estou inventando isso; são os números da realidade. A pesquisa “Visível e Invisível: a Vitimização de Mulheres no Brasil”, realizada a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, entrevistou mulheres de todo o país e revelou: 29% delas afirmaram ter sofrido violência física, verbal ou psicológica no ano anterior.

. É incrível: se o bem da vida de todo mundo tem por trás sempre a força de um nome de mulher, como entender esse modo desumano de assim tratá-la? Preconceito. Preconceito que herdamos da síndrome de Eva, culpada secularmente por se mostrar transgressora do mando machista.