18 de outubro de 2019 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

18 de outubro de 2019

Em meio à tragédia, a bonança pede passagem

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

18 de outubro de 2019

Depois da tempestade, quem é que vem mesmo? A bonança. E ela acabou se materializando em meio a tragédia do edifício Andrea.

É parte da natureza humana de ser solidária em ocasiões assim. É quandos conseguimos realmente nos unir.

Nessa hora, esquecemos as diferenças. A religião de todos é a da caridade. Disputadas partidárias se desvanecem. Contendas de toda ordem se tornam secundárias.

Em meio a catástrofes assim, ninguém repara a cor da pele ou a raça de quem está ao seu lado, voluntariando-se a um trabalho produtivo.

Por isso, há quem diga que atrás dos desastres que eventualmente ocorrem, há sempre um fio de esperança a unir gestos de ajuda.

Não se pede a identidade da pessoa, nem a doutrina que ela professa. Somos um coletivo. É hora do dizer sim; do fazer acontecer; do ser solidário.

Afinal, o bem não pede carteira de identidade; não distingue cor, não torce por um time, nem reza em uma só cartilha. Abarca – e abraça – a todos. Em favor da Vida. E a vida pede. A vida exige.

leia tudo sobre

Publicidade

Em meio à tragédia, a bonança pede passagem

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

18 de outubro de 2019

Depois da tempestade, quem é que vem mesmo? A bonança. E ela acabou se materializando em meio a tragédia do edifício Andrea.

É parte da natureza humana de ser solidária em ocasiões assim. É quandos conseguimos realmente nos unir.

Nessa hora, esquecemos as diferenças. A religião de todos é a da caridade. Disputadas partidárias se desvanecem. Contendas de toda ordem se tornam secundárias.

Em meio a catástrofes assim, ninguém repara a cor da pele ou a raça de quem está ao seu lado, voluntariando-se a um trabalho produtivo.

Por isso, há quem diga que atrás dos desastres que eventualmente ocorrem, há sempre um fio de esperança a unir gestos de ajuda.

Não se pede a identidade da pessoa, nem a doutrina que ela professa. Somos um coletivo. É hora do dizer sim; do fazer acontecer; do ser solidário.

Afinal, o bem não pede carteira de identidade; não distingue cor, não torce por um time, nem reza em uma só cartilha. Abarca – e abraça – a todos. Em favor da Vida. E a vida pede. A vida exige.