8 de dezembro de 2019 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

8 de dezembro de 2019

A sexta virou verbo e encarnou entre nós

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

08 de dezembro de 2019

A obstinação com que se fala hoje em dia da sexta feira é algo impressionante. Revela, no mínimo, um lado exultante das pessoas em relação ao lazer do fim de semana. Evidente que toda véspera de lazer é algo que suscita alegria e expectativa. Mas nunca se falou tanto da sexta como nos dias atuais.

Não sei no Aurélio já consta, mas o substantivo composto virou verbo. À exceção do domingo, nenhum outro dia da semana é tão festejado quanto ela.

Nos comerciais da TV, a garota propaganda Ivete Sangalo chega a ampliar o prazo de validade da sexta. Vara o domingo e vai por toda a semana.

Nas redes sociais, um jocoso anúncio, postado como se por uma vidente de plantão, promete trazer a sua sexta em quatro dias. O anúncio foi postado na segunda. Sendo assim, até eu faço isso, sem precisar de bola de cristal ou prática em quiromancia.

Sim, devemos à sexta o privilégio de fugir à maldição do sacrifício do ‘ganhar o pão com o suor do rosto’, como está lá nas escrituras. Tudo por causa de Adão e Eva, a gente purga até hoje isso. Devemos, também a sexta a chance de se libertar das correntes que nos aprisionam a algum chefe de trabalho indesejável.

Na verdade, quando exaltamos esse dia, mais do que o dia consagrado ao Senhor, estamos de certa forma escamoteando uma verdade que ancestralmente carregamos: a de que somos adeptos notório da santa preguiça.

Sextou, diz a apresentadora no rádio, com uma dosagem de alívio na voz, como se o trabalho fosse uma tarefa hercúlea sobre nossos ombros. Ou o inferno indesejável por cada um de nós.

Por isso, neste domingo, rezo ao Senhor Deus Tempo, que se apresse na passagem da semana e trate de nos mandar logo a santa sexta feira, pois eu também quero me juntar a esse bloco. E, carnavalescamente, sextar.

leia tudo sobre

Publicidade

Até os santos acabaram virando lixo.

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, RELIGIÃO

08 de dezembro de 2019

Para algumas pessoas, o respeito parece ter perdido o prazo de validade. A ganância pelo TER, ao invés de buscar também o SER; a busca pelo corpo perfeito e a notoriedade passageira parecem ter ofuscado o cérebro de alguns, num mundo cada vez mais individualista e pragmático.

Alguém, provavelmente de religião cristã, jogou duas imagens de nossa Senhora das Graças no rio Cocó. Jogou como lixo no rio. E frequentadores do parque acabaram se deparando com aquela visão nada comum. Imagens em perfeito estado. Podem ter sido medianeiras nos altares de alguma devoção e que, de repente, são lançadas fora. Descartadas como qualquer objeto que não serve mais.

É sinal dos tempos. Onde descartamos amizades, afetos, amores. Onde jogamos no lixo a educação. Onde, intolerantes, não se respeita o direito dos outros. Onde muitos se contaminam com o passageiro, esquecidos de que o eterno é o sentimento que não morre. Que o ideal da vida é o bem que se faz. É o aprendizado do amor e a vivência dele, com todas as suas inquietudes.

Hoje em dia, porém, até os santos acabaram virando lixo.

leia tudo sobre

Publicidade

Até os santos acabaram virando lixo.

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, RELIGIÃO

08 de dezembro de 2019

Para algumas pessoas, o respeito parece ter perdido o prazo de validade. A ganância pelo TER, ao invés de buscar também o SER; a busca pelo corpo perfeito e a notoriedade passageira parecem ter ofuscado o cérebro de alguns, num mundo cada vez mais individualista e pragmático.

Alguém, provavelmente de religião cristã, jogou duas imagens de nossa Senhora das Graças no rio Cocó. Jogou como lixo no rio. E frequentadores do parque acabaram se deparando com aquela visão nada comum. Imagens em perfeito estado. Podem ter sido medianeiras nos altares de alguma devoção e que, de repente, são lançadas fora. Descartadas como qualquer objeto que não serve mais.

É sinal dos tempos. Onde descartamos amizades, afetos, amores. Onde jogamos no lixo a educação. Onde, intolerantes, não se respeita o direito dos outros. Onde muitos se contaminam com o passageiro, esquecidos de que o eterno é o sentimento que não morre. Que o ideal da vida é o bem que se faz. É o aprendizado do amor e a vivência dele, com todas as suas inquietudes.

Hoje em dia, porém, até os santos acabaram virando lixo.