Disputa religiosa em campo doutrinário - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Disputa religiosa em campo doutrinário

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, RELIGIÃO

04 de novembro de 2019

Em pleno século XXI é difícil acreditar que disputas ideológicas por conta de religião ainda aconteçam. A gente sabe que, movidos pelo fanatismo religioso, algumas pessoas vão além da conta, defendendo suas crenças e seus credos e lançando anátemas contra outras formas de religiosidade.

Isso tem acontecido principalmente com relação a expansão das doutrinas neopentecostais, que no afã de conquistar adeptos, chegam a lançar campanhas contra as religiões de ascendência afro-brasileiras, esquecendo que a liberdade de religião é algo expresso na nossa carta constitucional.

Agora mesmo, na Vila Manoel Sátiro, um centro de difusão da doutrina codificada vem sofrendo campanha para o seu fechamento. Segundo a dirigente do Obreiros da Luz, a intolerância não está permitindo que ela siga com os trabalhos missionários do evangelho de Jesus, unicamente porque não pertencer às denominações dominantes.

É preciso lembrar que nenhuma religião salva. São as obras que oportunizam a felicidade de se atingir o progresso interior de cada fiel. E é nesse ponto que se deve a orientação de qualquer religião: do amor a Deus e ao próximo. Quem faz guerra religiosa contra qualquer crença, não aprendeu ainda sequer o ABC da cartilha do cristianismo: do amor, da bondade e da caridade.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Disputa religiosa em campo doutrinário

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, RELIGIÃO

04 de novembro de 2019

Em pleno século XXI é difícil acreditar que disputas ideológicas por conta de religião ainda aconteçam. A gente sabe que, movidos pelo fanatismo religioso, algumas pessoas vão além da conta, defendendo suas crenças e seus credos e lançando anátemas contra outras formas de religiosidade.

Isso tem acontecido principalmente com relação a expansão das doutrinas neopentecostais, que no afã de conquistar adeptos, chegam a lançar campanhas contra as religiões de ascendência afro-brasileiras, esquecendo que a liberdade de religião é algo expresso na nossa carta constitucional.

Agora mesmo, na Vila Manoel Sátiro, um centro de difusão da doutrina codificada vem sofrendo campanha para o seu fechamento. Segundo a dirigente do Obreiros da Luz, a intolerância não está permitindo que ela siga com os trabalhos missionários do evangelho de Jesus, unicamente porque não pertencer às denominações dominantes.

É preciso lembrar que nenhuma religião salva. São as obras que oportunizam a felicidade de se atingir o progresso interior de cada fiel. E é nesse ponto que se deve a orientação de qualquer religião: do amor a Deus e ao próximo. Quem faz guerra religiosa contra qualquer crença, não aprendeu ainda sequer o ABC da cartilha do cristianismo: do amor, da bondade e da caridade.