Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

E o destino fez do Super Homem um cadeirante

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

12 de setembro de 2019

https://twitter.com/..

Este setembro amarelo é o mês que se busca conscientizar sobre a questão do suicídio.

Viver é algo fascinante. O ator Christopher Reeve, aquele do Super Homem, quando ficou paraplégico quis morrer. Pediu aos médicos para que fosse feita nele a eutanásia, caso ficasse aleijado.

A mulher do ator reagiu e disse: o quê? Você não se diz o super homem? Pois supere-se.

E aqui ficou latejando na mente dele. Virou mais um cadeirante.

O tempo passou. Christopher começou a patrocinar uma pesquisa sobre células troncos e ele se colocou como cobaia do projeto.

Mas ele dizia que, um dia, ia se levantar. E a um repórter chegou a dizer que data seria.

Pois no dia que ele sinalizou, foi convidado pela ONU para entregar um prêmio ao ministro da Itália e falar de como andavam as pesquisas. Quando terminou, o repórter pediu licença e disse: Mr. Reeve, o senhor sabe que diz é hoje? É a data que o senhor disse que iria se levantar dessa cadeira.

O biógrafo de Reeve conta que os olhos azuis daquele homem de mais de 2 metros de altura brilharam intensamente e dele se ouviu a resposta que poucos souberam avaliar naquele instante: “meu filho. Eu já me levantei DENTRO DE MIM”.

Para quem pensou em se matar, levantar-se desse abismo foi uma vitória.

E alguém já refletiu: o que queria Deus dizer com um super homem CADEIRANTE?

Publicidade aqui

leia tudo sobre

E o destino fez do Super Homem um cadeirante

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

12 de setembro de 2019

https://twitter.com/..

Este setembro amarelo é o mês que se busca conscientizar sobre a questão do suicídio.

Viver é algo fascinante. O ator Christopher Reeve, aquele do Super Homem, quando ficou paraplégico quis morrer. Pediu aos médicos para que fosse feita nele a eutanásia, caso ficasse aleijado.

A mulher do ator reagiu e disse: o quê? Você não se diz o super homem? Pois supere-se.

E aqui ficou latejando na mente dele. Virou mais um cadeirante.

O tempo passou. Christopher começou a patrocinar uma pesquisa sobre células troncos e ele se colocou como cobaia do projeto.

Mas ele dizia que, um dia, ia se levantar. E a um repórter chegou a dizer que data seria.

Pois no dia que ele sinalizou, foi convidado pela ONU para entregar um prêmio ao ministro da Itália e falar de como andavam as pesquisas. Quando terminou, o repórter pediu licença e disse: Mr. Reeve, o senhor sabe que diz é hoje? É a data que o senhor disse que iria se levantar dessa cadeira.

O biógrafo de Reeve conta que os olhos azuis daquele homem de mais de 2 metros de altura brilharam intensamente e dele se ouviu a resposta que poucos souberam avaliar naquele instante: “meu filho. Eu já me levantei DENTRO DE MIM”.

Para quem pensou em se matar, levantar-se desse abismo foi uma vitória.

E alguém já refletiu: o que queria Deus dizer com um super homem CADEIRANTE?