O mal está com prazo de validade vencido - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

O mal está com prazo de validade vencido

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

10 de setembro de 2019

O crime compensa?

Claro que a resposta correta é NÃO. Mas diante de tanta ignomínia, de tanta degradação moral, de gente que faz e fica por isso mesmo, há quem pense o contrário. Que roubar, matar, corromper e fazer todo ato indigno, seja o correto.

Como entender que pessoas que tenham cometido atos espúrios, como estupros, assassinatos ou crimes de corrupção, devidamente comprovados, possam ganhar liberdade, assim sem mais nem menos?

É uma questão que a Justiça pode até entender; mas num fica a impressão de que há algo estranho no ar, além dos aviões de carreira – como dizia o Barão de Itararé?

O que dizer de políticos, cobertos de denúncias de corrupção, que roubam o dinheiro do erário público, são descobertos, vão pra cadeia e daí a pouco saem, rindo como se tivessem feito algo notável?

Na verdade, gente, isso só acontece por conta de que a Lei, para alguns, parece uma moeda de duas faces: uma feita para uns poucos – apaniguados, beneficiados pelo poder – e outra, para um tantão assim de gente, que não tem nem onde cair morto.

Num mundo sério, justo, correto – todo erro é passível de cobrança. E a quem mais for dado, mais será cobrado. Pelo menos é o que dizem a lei e os profetas.

A verdade é uma só: está havendo uma higienização da casa chamada Terra, para que se possa identificar o que é joio e o que é trigo.

Por isso, quem for bom, continue fazendo o bem. O mal está com o prazo de validade vencido.

Só não crer quem é da banda podre da humanidade.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

O mal está com prazo de validade vencido

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

10 de setembro de 2019

O crime compensa?

Claro que a resposta correta é NÃO. Mas diante de tanta ignomínia, de tanta degradação moral, de gente que faz e fica por isso mesmo, há quem pense o contrário. Que roubar, matar, corromper e fazer todo ato indigno, seja o correto.

Como entender que pessoas que tenham cometido atos espúrios, como estupros, assassinatos ou crimes de corrupção, devidamente comprovados, possam ganhar liberdade, assim sem mais nem menos?

É uma questão que a Justiça pode até entender; mas num fica a impressão de que há algo estranho no ar, além dos aviões de carreira – como dizia o Barão de Itararé?

O que dizer de políticos, cobertos de denúncias de corrupção, que roubam o dinheiro do erário público, são descobertos, vão pra cadeia e daí a pouco saem, rindo como se tivessem feito algo notável?

Na verdade, gente, isso só acontece por conta de que a Lei, para alguns, parece uma moeda de duas faces: uma feita para uns poucos – apaniguados, beneficiados pelo poder – e outra, para um tantão assim de gente, que não tem nem onde cair morto.

Num mundo sério, justo, correto – todo erro é passível de cobrança. E a quem mais for dado, mais será cobrado. Pelo menos é o que dizem a lei e os profetas.

A verdade é uma só: está havendo uma higienização da casa chamada Terra, para que se possa identificar o que é joio e o que é trigo.

Por isso, quem for bom, continue fazendo o bem. O mal está com o prazo de validade vencido.

Só não crer quem é da banda podre da humanidade.