O presente de Natal para o aniversariante - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

O presente de Natal para o aniversariante

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

19 de dezembro de 2018

Os dias que antecedem à festa do Natal marcam uma mudança no comportamento das pessoas.

Vocês têm notado que, a maioria das pessoas, age de uma forma menos convencional – são mais cordatas, trocam gentilezas, além de presentes. Demonstram melhor trato com as pessoas – como se uma energia diferente atuasse no cotidiano de todos. Eu sei que faz parte da magia do Natal, mas o que me surpreende é que isso só funcione em determinada ocasião, quando poderia ser o comum de todos.

Passada a festa, a maioria dos indivíduos retoma a sua velha rotina de sempre, pouco ou nada se interessando em modificar os hábitos não saudáveis, onde ódio, raiva, ciúme, inveja, orgulho, parecem ser os ingredientes de cada um.

Ninguém desconhece que todo esse trabalho de mudança de comportamento se deve à Educação. Educação que se recebe em família e que é complementada pelo ensino formal.

Filhos mal comportados na rua, expressam valores distorcidos que aprenderam na convivência familiar. Nesse caso, pai e mãe são modelos. Se deles não se tem exemplos de grandeza moral, não vá esperar que a rua ofereça aos jovens essa noção.

Nunca se esqueça de que a violência das ruas começa, exatamente, dentro da casa onde há ausência de bons exemplos – ou quando adultos se permitem a cometer atos condenáveis, servindo de espelho aos mais jovens.

Como seria bom se esse clima de Natal perdurasse além dos dias de dezembro! Que houvesse mais calor humano nas relações das pessoas. Respeito de uns com os outros. Que não houvesse preconceito contra os que fazem as diferenças. Que a gente não fosse tolo de achar que a religião de um é melhor que a do outro. Que buscássemos perdoar aos que, de alguma maneira, nos destrataram com uma palavra ou um gesto impensado. Que a gente moderasse a nossa língua e pensasse dez vezes antes de cometer algum ato indesejável.

Agindo assim, cumpriríamos o desejo de aperfeiçoamento do Cristo, cuja vida foi toda pautada pelos ensinamentos maiores. E como todo aniversariante merece ganhar uma lembrança, esse seria o melhor presente que pudéssemos dar a esse menino-deus, considerado o amor em pessoa que um dia passou por aqui. Pensem e faça isso.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

O presente de Natal para o aniversariante

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

19 de dezembro de 2018

Os dias que antecedem à festa do Natal marcam uma mudança no comportamento das pessoas.

Vocês têm notado que, a maioria das pessoas, age de uma forma menos convencional – são mais cordatas, trocam gentilezas, além de presentes. Demonstram melhor trato com as pessoas – como se uma energia diferente atuasse no cotidiano de todos. Eu sei que faz parte da magia do Natal, mas o que me surpreende é que isso só funcione em determinada ocasião, quando poderia ser o comum de todos.

Passada a festa, a maioria dos indivíduos retoma a sua velha rotina de sempre, pouco ou nada se interessando em modificar os hábitos não saudáveis, onde ódio, raiva, ciúme, inveja, orgulho, parecem ser os ingredientes de cada um.

Ninguém desconhece que todo esse trabalho de mudança de comportamento se deve à Educação. Educação que se recebe em família e que é complementada pelo ensino formal.

Filhos mal comportados na rua, expressam valores distorcidos que aprenderam na convivência familiar. Nesse caso, pai e mãe são modelos. Se deles não se tem exemplos de grandeza moral, não vá esperar que a rua ofereça aos jovens essa noção.

Nunca se esqueça de que a violência das ruas começa, exatamente, dentro da casa onde há ausência de bons exemplos – ou quando adultos se permitem a cometer atos condenáveis, servindo de espelho aos mais jovens.

Como seria bom se esse clima de Natal perdurasse além dos dias de dezembro! Que houvesse mais calor humano nas relações das pessoas. Respeito de uns com os outros. Que não houvesse preconceito contra os que fazem as diferenças. Que a gente não fosse tolo de achar que a religião de um é melhor que a do outro. Que buscássemos perdoar aos que, de alguma maneira, nos destrataram com uma palavra ou um gesto impensado. Que a gente moderasse a nossa língua e pensasse dez vezes antes de cometer algum ato indesejável.

Agindo assim, cumpriríamos o desejo de aperfeiçoamento do Cristo, cuja vida foi toda pautada pelos ensinamentos maiores. E como todo aniversariante merece ganhar uma lembrança, esse seria o melhor presente que pudéssemos dar a esse menino-deus, considerado o amor em pessoa que um dia passou por aqui. Pensem e faça isso.