Uma delegacia especializada em investigar desaparecidos - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Uma delegacia especializada em investigar desaparecidos

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

04 de Março de 2020

Vocês já notaram como somem pessoas numa cidade como a nossa? São crianças que desaparecem e deixam os pais aflitos. Velhos que não souberam voltar para casa devido a problemas de memória. Pessoas sequestradas por facções e até, maridos que sairam pra comprar cigarros e nunca voltaram.

O que pouca gente sabe é que, em Fortaleza, há uma delegacia especializada no trato de desaparecidos. É a 12ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa. Ela foi criada há um ano e 8 meses e investiga casos de pessoas desaparecidas.

Em casos de sumiço de pessoas, há um mito de que é necessário aguardar um tempo mínimo para comunicar a Polícia sobre o desaparecimento. Pois ela veio quebrar o paradigmas das 24 horas. Quanto mais rápido for acionada, maiores as chances de se localizar a pessoa.

Em um ano, a delegacia investigou 579 casos de desaparecimentos ocorridos em Fortaleza e Região Metropolitana de Fortaleza. Destes, 341 tratam de pessoas do sexo masculino, o que representa 58,9% das ocorrências.

Estudo mostra que a Sexta-feira é o dia que apresenta o maior número de registros. Em seguida, vem o sábado e a quinta-feira.
O dia com menor registro desse tipo de ocorrência é a terça-feira.

A maior parte dos desaparecimentos ocorre durante o dia, sendo a manhã – das 6 horas ao meio-dia – o horário de pico, com 213 registros, o que equivale a 36,8% dos casos.

A quem possa interessar, a delegacia funciona na Rua Juvenal de Carvalho, nº 1125, bairro de Fátima. E tem tido uma demanda surpreendente.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Uma delegacia especializada em investigar desaparecidos

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

04 de Março de 2020

Vocês já notaram como somem pessoas numa cidade como a nossa? São crianças que desaparecem e deixam os pais aflitos. Velhos que não souberam voltar para casa devido a problemas de memória. Pessoas sequestradas por facções e até, maridos que sairam pra comprar cigarros e nunca voltaram.

O que pouca gente sabe é que, em Fortaleza, há uma delegacia especializada no trato de desaparecidos. É a 12ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa. Ela foi criada há um ano e 8 meses e investiga casos de pessoas desaparecidas.

Em casos de sumiço de pessoas, há um mito de que é necessário aguardar um tempo mínimo para comunicar a Polícia sobre o desaparecimento. Pois ela veio quebrar o paradigmas das 24 horas. Quanto mais rápido for acionada, maiores as chances de se localizar a pessoa.

Em um ano, a delegacia investigou 579 casos de desaparecimentos ocorridos em Fortaleza e Região Metropolitana de Fortaleza. Destes, 341 tratam de pessoas do sexo masculino, o que representa 58,9% das ocorrências.

Estudo mostra que a Sexta-feira é o dia que apresenta o maior número de registros. Em seguida, vem o sábado e a quinta-feira.
O dia com menor registro desse tipo de ocorrência é a terça-feira.

A maior parte dos desaparecimentos ocorre durante o dia, sendo a manhã – das 6 horas ao meio-dia – o horário de pico, com 213 registros, o que equivale a 36,8% dos casos.

A quem possa interessar, a delegacia funciona na Rua Juvenal de Carvalho, nº 1125, bairro de Fátima. E tem tido uma demanda surpreendente.