Cine Ruliúdi: eu quase desencarnei de rir - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Cine Ruliúdi: eu quase desencarnei de rir

Por Nonato Albuquerque em CINEMA

14 de agosto de 2013

Fui ver o “Cine Ruliúdi”, do Hálder Gomes. Pô, que coisa boa, ma! Última sessão, lotada até o tampo. Saí do cinema morto de feliz. Pelo sucesso que o filme faz e porque ele é um achado desse diretor que soube juntar o lúdico do humor cearense com a capacidade arretada de contar uma história sobre o fim das salas de cinema no Ceará, de um jeito satírico. É o nosso ‘Cinema Paradiso’, com uma leitura bem cearense, além da boa direção. 
 
O filme é todo uma homenagem a esse traço bem humorado que temos, a partir de citações bem  nossas que exigiu legendas para que aqueles que não têm hábito pudessem entender o nosso ‘dialeto’. 
 
Figuraço, esse Edmilson Filho que faz o Francysgleidson. Ele já havia demonstrado isso no curta que inspirou o longa. Há presenças marcantes como a do chato – quem é o ator, Halder? -, a esposa e o Valdisney (referência a Walt Disney), além de citações a outros sucessos das salas empoeiradas do sertão – filmes de cangaço com Lampião, os italianos com Macistes e Hércules, além dos ‘spaghetti’ que mexiam com as plateias nos anos 60. 
Mas é a produção barata dos filmes chineses, que tanto marcaram a formação de Halder, a ponto de ele integrar-se de corpo às aulas de artes marciais, que é a tônica do ‘Cine Rulliúdi”, um filme que deve ter sido uma diversão para Gomes. Mais ainda para quem o assiste.
Publicidade aqui

leia tudo sobre

Cine Ruliúdi: eu quase desencarnei de rir

Por Nonato Albuquerque em CINEMA

14 de agosto de 2013

Fui ver o “Cine Ruliúdi”, do Hálder Gomes. Pô, que coisa boa, ma! Última sessão, lotada até o tampo. Saí do cinema morto de feliz. Pelo sucesso que o filme faz e porque ele é um achado desse diretor que soube juntar o lúdico do humor cearense com a capacidade arretada de contar uma história sobre o fim das salas de cinema no Ceará, de um jeito satírico. É o nosso ‘Cinema Paradiso’, com uma leitura bem cearense, além da boa direção. 
 
O filme é todo uma homenagem a esse traço bem humorado que temos, a partir de citações bem  nossas que exigiu legendas para que aqueles que não têm hábito pudessem entender o nosso ‘dialeto’. 
 
Figuraço, esse Edmilson Filho que faz o Francysgleidson. Ele já havia demonstrado isso no curta que inspirou o longa. Há presenças marcantes como a do chato – quem é o ator, Halder? -, a esposa e o Valdisney (referência a Walt Disney), além de citações a outros sucessos das salas empoeiradas do sertão – filmes de cangaço com Lampião, os italianos com Macistes e Hércules, além dos ‘spaghetti’ que mexiam com as plateias nos anos 60. 
Mas é a produção barata dos filmes chineses, que tanto marcaram a formação de Halder, a ponto de ele integrar-se de corpo às aulas de artes marciais, que é a tônica do ‘Cine Rulliúdi”, um filme que deve ter sido uma diversão para Gomes. Mais ainda para quem o assiste.