Um ano não muda as pessoas; elas que devem mudar os anos todos os dias - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Um ano não muda as pessoas; elas que devem mudar os anos todos os dias

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, ESPIRITUALIDADE

31 de dezembro de 2014

2015Adeus ano velho, feliz ano novo. A frase é surrada e bem mais antiga do que o 2014, que está indo embora deixando marcas pelo caminho. Algumas agradáveis; outras, nem tanto. Mas faz parte do show que a vida oferece.

Se, neste espaço, foi preciso ser forte para contar fatos ainda mais fortes, é que este é um planeta em transição. Uma escola de refazimento das almas e, nela, ainda não aprendemos a vivenciar o legítimo sabor de nossos melhores sentimentos.

Nós somos frutos dessa era. Estamos a amadurecer o nosso coração nessa estação de passagem. Nosso grande lavrador, que é Deus, quisera fosse sempre doce o nosso coração. Para melhoria pessoal nossa e do mundo. Somos almas de passagem por esse planeta pra nos reeducar e redimir dos nossos erros, das nossas falhas. Que no ano novo, cada um melhore a sua imagem. Ensinando amar e distribuindo amor. O que nos falta é coragem para construir o novo, não apenas nas promessas do rito de passagem do ano – como fazemos sempre nessa época -, mas cada um tomando para si, a determinação de mudar realmente. Mudar para melhor. De vencer as fraquezas da alma, livrando-se das mazelas do ódio, do desamor, da impaciência, da falta de caridade.

Quando assumirmos essa decisão de mudarmos, não vamos depender da mudança da folhinha do calendário. Na verdade, um ano não mudará pessoas, pois elas devem mudar os anos todos os dias e a si mesmas.

Que o ano que vai nascer, possa criar, sim, novos motivos para viver. Viver bem, já que esse é o bem maior que se tem. Paz e bem no ano que vem…

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Um ano não muda as pessoas; elas que devem mudar os anos todos os dias

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, ESPIRITUALIDADE

31 de dezembro de 2014

2015Adeus ano velho, feliz ano novo. A frase é surrada e bem mais antiga do que o 2014, que está indo embora deixando marcas pelo caminho. Algumas agradáveis; outras, nem tanto. Mas faz parte do show que a vida oferece.

Se, neste espaço, foi preciso ser forte para contar fatos ainda mais fortes, é que este é um planeta em transição. Uma escola de refazimento das almas e, nela, ainda não aprendemos a vivenciar o legítimo sabor de nossos melhores sentimentos.

Nós somos frutos dessa era. Estamos a amadurecer o nosso coração nessa estação de passagem. Nosso grande lavrador, que é Deus, quisera fosse sempre doce o nosso coração. Para melhoria pessoal nossa e do mundo. Somos almas de passagem por esse planeta pra nos reeducar e redimir dos nossos erros, das nossas falhas. Que no ano novo, cada um melhore a sua imagem. Ensinando amar e distribuindo amor. O que nos falta é coragem para construir o novo, não apenas nas promessas do rito de passagem do ano – como fazemos sempre nessa época -, mas cada um tomando para si, a determinação de mudar realmente. Mudar para melhor. De vencer as fraquezas da alma, livrando-se das mazelas do ódio, do desamor, da impaciência, da falta de caridade.

Quando assumirmos essa decisão de mudarmos, não vamos depender da mudança da folhinha do calendário. Na verdade, um ano não mudará pessoas, pois elas devem mudar os anos todos os dias e a si mesmas.

Que o ano que vai nascer, possa criar, sim, novos motivos para viver. Viver bem, já que esse é o bem maior que se tem. Paz e bem no ano que vem…