Cadê o frentista João Paulo? - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Cadê o frentista João Paulo?

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, JUSTIÇA, SEGURANÇA

21 de outubro de 2015

Você se lembra do caso de Elisa Samújoãopaulodio, a carioca que namorou o goleiro Bruno do Flamengo e que sumiu de forma misteriosa? E do pedreiro Amarildo, que foi levado por PMs do Rio e nunca mais foi visto? Pois o Estado do Ceará já tem um caso que se situa nessa mesma linha de pensamento. O nome dele é João Paulo Souza Rodrigues, de 20 anos, um frentista, cuja última imagem que se tem notícia foi mostrada por uma câmera de rua, registrando a abordagem feita por policiais militares.

O jovem sumiu no dia 30 de setembro passado quando ia de casa para o trabalho. Era um rapaz de bem, no dizer da família e dos amigos. Trabalhador, honesto, sem vícios, nunca se meteu em coisas que pudessem comprometê-lo e que, de repente, saiu do anonimato para as manchetes da dor cotidiana. Sumiu. Não caberia aqui dizer que o sumiço foi de forma misteriosa, porque ao determinar a prisão dos três PMs que conduziram a operação, o comando denota a preocupação da corporação em investigar o fato, ao considerar que deva ter ocorrido um ato falho dos policiais, acabando por transformar o frentista numa vítima semelhante aos casos de Elisa e do pedreiro Amarildo.

O frentista, segundo se supõe, pode ter sido alvo de latrocínio, já que a moto, na qual ele se encaminhava para o trabalho, também, nunca mais apareceu – ainda que a imagem do vídeo mostre ela sendo pilotada por um militar, depois que o frentista é jogado na viatura. Isso é outro ponto crucial nessa história, por deixar no ar a dúvida de que alguém da segurança possa estar implicado em um ato errado.

Mas o que busca a família é alguma resposta sobre João Paulo. A população começa a dividir esse vazio que a família vem sofrendo, com todos querendo um esclarecimento sobre o fato. Que fim levou o João Paulo? Onde está o frentista? Afinal, para onde os policiais o levaram que ele não chegou a lugar nenhum? Por que esse silêncio absurdo a dilacerar ainda mais a dor da família e a inquietar a todos nós, que pagamos impostos para termos serviços e não desserviços públicos. O Barra Pesada se associa às centenas de pessoas que estão se perguntando sobre o paradeiro do frentista, em busca de esclarecimento. Se foi ato falho praticado de forma errônea e criminosa por alguns de seus integrantes, que se esclareça a fim de que não pairem dúvidas sobre a instituição Polícia e que se puna exemplarmente aqueles que tentam desqualificar o trabalho da corporação. Uma resposta, ainda que dolorosa para a família, poderá dissipar a dúvida sobre o paradeiro do frentista. Afinal de contas: cadê o João Paulo?

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Cadê o frentista João Paulo?

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, JUSTIÇA, SEGURANÇA

21 de outubro de 2015

Você se lembra do caso de Elisa Samújoãopaulodio, a carioca que namorou o goleiro Bruno do Flamengo e que sumiu de forma misteriosa? E do pedreiro Amarildo, que foi levado por PMs do Rio e nunca mais foi visto? Pois o Estado do Ceará já tem um caso que se situa nessa mesma linha de pensamento. O nome dele é João Paulo Souza Rodrigues, de 20 anos, um frentista, cuja última imagem que se tem notícia foi mostrada por uma câmera de rua, registrando a abordagem feita por policiais militares.

O jovem sumiu no dia 30 de setembro passado quando ia de casa para o trabalho. Era um rapaz de bem, no dizer da família e dos amigos. Trabalhador, honesto, sem vícios, nunca se meteu em coisas que pudessem comprometê-lo e que, de repente, saiu do anonimato para as manchetes da dor cotidiana. Sumiu. Não caberia aqui dizer que o sumiço foi de forma misteriosa, porque ao determinar a prisão dos três PMs que conduziram a operação, o comando denota a preocupação da corporação em investigar o fato, ao considerar que deva ter ocorrido um ato falho dos policiais, acabando por transformar o frentista numa vítima semelhante aos casos de Elisa e do pedreiro Amarildo.

O frentista, segundo se supõe, pode ter sido alvo de latrocínio, já que a moto, na qual ele se encaminhava para o trabalho, também, nunca mais apareceu – ainda que a imagem do vídeo mostre ela sendo pilotada por um militar, depois que o frentista é jogado na viatura. Isso é outro ponto crucial nessa história, por deixar no ar a dúvida de que alguém da segurança possa estar implicado em um ato errado.

Mas o que busca a família é alguma resposta sobre João Paulo. A população começa a dividir esse vazio que a família vem sofrendo, com todos querendo um esclarecimento sobre o fato. Que fim levou o João Paulo? Onde está o frentista? Afinal, para onde os policiais o levaram que ele não chegou a lugar nenhum? Por que esse silêncio absurdo a dilacerar ainda mais a dor da família e a inquietar a todos nós, que pagamos impostos para termos serviços e não desserviços públicos. O Barra Pesada se associa às centenas de pessoas que estão se perguntando sobre o paradeiro do frentista, em busca de esclarecimento. Se foi ato falho praticado de forma errônea e criminosa por alguns de seus integrantes, que se esclareça a fim de que não pairem dúvidas sobre a instituição Polícia e que se puna exemplarmente aqueles que tentam desqualificar o trabalho da corporação. Uma resposta, ainda que dolorosa para a família, poderá dissipar a dúvida sobre o paradeiro do frentista. Afinal de contas: cadê o João Paulo?