Publicidade

MAR Jangadeiro

por Orlando Nunes

acentuação gráfica

Acentuação gráfica: GABARITO comentado

Por Orlando Nunes em Teste simulado

13 de setembro de 2014

Resolução da questão proposta no post anterior.

Atento às orientações do novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, analise a seguinte sentença: “Não há feiura em Guaíra”.

Marque a alternativa correta em relação à acentuação gráfica.

(A) Assim como em “feiura”, o vocábulo “Guaíra” não deveria receber acento gráfico.
(B) O vocábulo “Há” é acentuado graficamente pela mesma razão que “Paraná”, p. ex.
(C) O vocábulo “Não” recebe corretamente acento gráfico para indicar um fonema nasal.
(D) A frase em análise não apresenta nenhum erro relacionado à acentuação gráfica.
(E) Todas as alternativas anteriores apresentam análise adequada de acentuação gráfica.

RESPOSTA: Alternativa D

Alternativa A – errada. As vogais “i” ou “u”, quando tônicas em hiato, não são acentuadas graficamente se precedidas de ditongo decrescente (vogal + semivogal), como em “feiura”; precedidas de ditongo crescente (semivogal + vogal), como em “Guaíra” (o “a” sempre é vogal, nunca semivogal), recebem acento gráfico.

Alternativa B – errada. O vocábulo “Há” recebe acento gráfico como todo monossílabo tônico terminado em “a”, “e”,“o” (pá, pé, pó). A palavra “Paraná” recebe acento gráfico como toda oxítona terminada em “a” , “e”,“o”, “em”, “ens” (Ceará, Canindé, Mossoró, armazém, parabéns).

Alternativa C – errada. O til é um sinal gráfico que indica vogal nasal (p.ex., não), mas não é um acento gráfico. Os acentos gráficos do Português são estes três: agudo (´), circunflexo (^) e grave (`).

Alternativa D – GABARITO. Não há erro de acentuação gráfica na frase.

Alternativa E – errada. A única análise adequada (correta) encontra-se na alternativa D.

Estou no marjangadeiro@gmail.com

Até!

Publicidade

Acentuação gráfica: Não há feiura em Guaíra

Por Orlando Nunes em Teste simulado

10 de setembro de 2014

Uma questão de acentuação gráfica “bonitinha”

Atento às orientações do novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, analise a seguinte sentença: “Não há feiura em Guaíra”.

Marque a alternativa correta em relação à acentuação gráfica.

(A)   Assim como em “feiura”, o vocábulo “Guaíra” não deveria receber acento gráfico.

(B)   O vocábulo “Há” é acentuado graficamente pela mesma razão que “Paraná”, p. ex.

(C)   O vocábulo “Não” recebe corretamente acento gráfico para indicar um fonema nasal.

(D)   A frase em análise não apresenta nenhum erro relacionado à acentuação gráfica.

(E)    Todas as alternativas anteriores apresentam análise adequada de acentuação gráfica.

 

Envie sua resposta comentada para o e-mail marjangadeiro@gmail.com

GABARITO comentado no sábado, dia 13 de setembro.

Até!

leia tudo sobre

Publicidade

Destroier ou destróier? Aqui o Aulete eletrônico levou bomba!

Por Orlando Nunes em Manual

30 de agosto de 2014

O blog publica a terceira parte da série de textos relacionados às normas de padronização de escrita adotadas pelo Portal Tribuna do Ceará. O leitor vai poder continuar utilizando (que locução verbal, hein?!) o e-mail marjangadeiro@gmail para dúvidas, debates e desaforos (sempre dentro do padrão culto da língua).

ACENTUAÇÃO GRÁFICA – Ditongos “ei” e “oi” com timbre aberto

Com o novo Acordo Ortográfico, perdem o acento gráfico as palavras paroxítonas (acento tônico na penúltima sílaba) que apresentam os ditongos aberto /éi/ ou /ói/ na sílaba tônica.

Exemplos:

Alcaloide, alcateia, androide, apoia (verbo), apoio (verbo), asteroide, boia, celuloide, claraboia, colmeia, Coreia, debiloide, epopeia, estoico, estreia, geleia, heroica, ideia, jiboia, joia, odisseia, paranoia, paranoico, plateia, tramoia, etc.

Por isso estavam os vocábulos destacados (negrito) assim escritos no jornal:

“… traficantes estão usando produtos químicos mais eficientes, capazes de extrair de uma forma mais intensa o alcaloide da folha de coca”.

“A comissão de parlamentares que apoiam o governo se reúne hoje na Assembleia”.

“Operação alcateia desarticula esquema de corrupção em delegacia da Polícia Rodoviária Federal”.

Apoio o que for melhor para o país”, afirma deputado.

“Seleção de basquete vence rival de estreia”.

“Banda inglesa empolga plateia do Rock in Rio”.

Mas atenção

As palavras oxítonas (acento tônico na última sílaba) e os monossílabos tônicos que apresentam esses ditongos (com timbre aberto) não foram afetados pelas mudanças:

“Não sou herói, a equipe inteira foi muito guerreira”, declara atacante tricolor.

“Itabira é apenas uma fotografia na parede / Mas como dói”.

Outras palavras:

– papéis, tonéis, faróis, rói (roer), girassóis, etc.

Destroier ou destróier? Nesta, o muito útil Aulete eletrônico levou bomba

A palavra destróier, embora seja uma paroxítona que apresenta na sílaba tônica o ditongo /éi/ (timbre aberto), é acentuada graficamente. E NÃO se trata de exceção à nova regra do Acordo.

Nesse caso, o acento gráfico se justifica por outra regra preexistente, mais viva do que nunca:

“Todas as paroxítonas terminadas em R são acentuadas graficamente”.

Observação: A versão eletrônica do dicionário Aulete (http://www.aulete.com.br/), equivocadamente, registra “destroier”, sem acento gráfico, contrariando o texto oficial do Acordo e o registro correto do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.

O dicionário Houaiss (o melhor do mundo lusófono) e o Priberam (Portugal) registram corretamente o verbete DESTRÓIER (o mesmo que contratorpedeiro). É com acento.

Até!

Publicidade

Olimpíada de Língua Portuguesa – acentuação gráfica

Por Orlando Nunes em Gramática

28 de julho de 2012

“Ligia Silva estreia com vitória.”

Nomes próprios seguem as mesmas regras de acentuação gráfica dos nomes comuns?

Sim, o que vale para substantivos comuns vale também para os substantivos próprios.

Ligia ou Lígia?

Palavras paroxítonas (o acento tônico está na penúltima sílaba) terminadas em ditongo crescente (semivogal seguida de vogal) são acentuadas graficamente em bom português.

Assim, escreveremos Lígia, com acento.

Mas a Ligia Silva não foi (admitamos) registrada no cartório com acento gráfico. Então, em razão dessa raquetada cartorial, ela pode perder uma medalha olímpica?

Graças a Deus, não. Há uma bem-vinda tradição entre nós, brasileiros, de respeitar a grafia com a qual o cidadão foi registrado. Ou seja, a Ligia Silva tem o direito de disputar medalhas assinando a súmula da forma como seu nome foi documentado no registro de nascimento – quem manda no nome é o dono.

Agora, no jornalismo, ou o repórter pergunta ao entrevistado como é grafada sua “graça” (com acento ou sem acento), ou segue naturalmente a regra gramatical.

Vejamos agora alguns nomes de atletas olímpicos do Brasil e imaginemos que o jornal “decidiu”, educada e exemplarmente, usar as regras de acentuação gráfica da Língua Portuguesa, sem pedir “licença” ao carimbo cartorial dos mais de cinco mil municípios brasileiros.

Atletas & Acentos

Ana Cláudia Lemos – Cláudia: paroxítona terminada em ditongo.

Ana Luíza Ferrão Mello – Luíza: hiato com a vogal “i”.

Ana Sátila – Sátila: toda proparoxítona é acentuada graficamente.

André Sá: oxítona terminada em “e” / monossílabo tônico em “a”.

César Cielo – César: paroxítona terminada em “r”..

Nílson André – Nílson: paroxítona terminada em “n”.

Tamíris Liz – Tamíris: paroxítona terminada em “i(s)”.

De volta à mesa-tenista:

“Lígia (com acento) Silva estreia com vitória”.

PS: o substantivo comum “estreia”, palavra paroxítona portadora do ditongo aberto /éi/, perdeu o acento gráfico. Toda nova Andreia agora deve fazer o mesmo. Que ideia!

Publicidade

Olimpíada de Língua Portuguesa – acentuação gráfica

Por Orlando Nunes em Gramática

28 de julho de 2012

“Ligia Silva estreia com vitória.”

Nomes próprios seguem as mesmas regras de acentuação gráfica dos nomes comuns?

Sim, o que vale para substantivos comuns vale também para os substantivos próprios.

Ligia ou Lígia?

Palavras paroxítonas (o acento tônico está na penúltima sílaba) terminadas em ditongo crescente (semivogal seguida de vogal) são acentuadas graficamente em bom português.

Assim, escreveremos Lígia, com acento.

Mas a Ligia Silva não foi (admitamos) registrada no cartório com acento gráfico. Então, em razão dessa raquetada cartorial, ela pode perder uma medalha olímpica?

Graças a Deus, não. Há uma bem-vinda tradição entre nós, brasileiros, de respeitar a grafia com a qual o cidadão foi registrado. Ou seja, a Ligia Silva tem o direito de disputar medalhas assinando a súmula da forma como seu nome foi documentado no registro de nascimento – quem manda no nome é o dono.

Agora, no jornalismo, ou o repórter pergunta ao entrevistado como é grafada sua “graça” (com acento ou sem acento), ou segue naturalmente a regra gramatical.

Vejamos agora alguns nomes de atletas olímpicos do Brasil e imaginemos que o jornal “decidiu”, educada e exemplarmente, usar as regras de acentuação gráfica da Língua Portuguesa, sem pedir “licença” ao carimbo cartorial dos mais de cinco mil municípios brasileiros.

Atletas & Acentos

Ana Cláudia Lemos – Cláudia: paroxítona terminada em ditongo.

Ana Luíza Ferrão Mello – Luíza: hiato com a vogal “i”.

Ana Sátila – Sátila: toda proparoxítona é acentuada graficamente.

André Sá: oxítona terminada em “e” / monossílabo tônico em “a”.

César Cielo – César: paroxítona terminada em “r”..

Nílson André – Nílson: paroxítona terminada em “n”.

Tamíris Liz – Tamíris: paroxítona terminada em “i(s)”.

De volta à mesa-tenista:

“Lígia (com acento) Silva estreia com vitória”.

PS: o substantivo comum “estreia”, palavra paroxítona portadora do ditongo aberto /éi/, perdeu o acento gráfico. Toda nova Andreia agora deve fazer o mesmo. Que ideia!