Publicidade

MAR Jangadeiro

por Orlando Nunes

colchetes

Parênteses ou colchetes, quando usá-los?

Por Orlando Nunes em Dica

10 de Janeiro de 2015

Quando (para apresentar um ponto de vista à parte, revelar um detalhe do contexto em que se deu o fato, ou para completar uma estrutura frasal de terceiros facilitando sua compreensão pelo leitor) interferimos no curso normal de um texto, podemos recorrer aos parênteses (…) ou aos colchetes […], por exemplo.

A pergunta: Tanto faz usar parênteses como colchetes?

Uma resposta, ou um conselho:

Quando o autor do texto faz a interferência no próprio texto, aconselha-se o emprego dos parênteses para destacá-la. Exemplo:

“O direito de expressar livremente um ponto de vista é assegurado por lei (é louvável que assim seja), apesar de haver gente que defenda a mordaça à opinião alheia, se divergente.”

Os parênteses, assim, destacam intervenções ou comentários de quem escreveu todo o texto.

Entretanto, quando o autor do texto faz a intervenção (um comentário, p.ex.) no texto de outrem, aconselha-se o emprego dos colchetes. Exemplo:

“Em defesa de minha tese, recorro à Constituição: ‘… é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença’ [é lamentável que existam pessoas que combatam a ferro e fogo esse direito].”

Os colchetes, assim, separam duas canetas: quem escreveu o texto entre colchetes não foi o mesmo redator do texto apresentado aqui entre aspas simples.

Simples assim.

leia tudo sobre

Publicidade

Parênteses ou colchetes, quando usá-los?

Por Orlando Nunes em Dica

10 de Janeiro de 2015

Quando (para apresentar um ponto de vista à parte, revelar um detalhe do contexto em que se deu o fato, ou para completar uma estrutura frasal de terceiros facilitando sua compreensão pelo leitor) interferimos no curso normal de um texto, podemos recorrer aos parênteses (…) ou aos colchetes […], por exemplo.

A pergunta: Tanto faz usar parênteses como colchetes?

Uma resposta, ou um conselho:

Quando o autor do texto faz a interferência no próprio texto, aconselha-se o emprego dos parênteses para destacá-la. Exemplo:

“O direito de expressar livremente um ponto de vista é assegurado por lei (é louvável que assim seja), apesar de haver gente que defenda a mordaça à opinião alheia, se divergente.”

Os parênteses, assim, destacam intervenções ou comentários de quem escreveu todo o texto.

Entretanto, quando o autor do texto faz a intervenção (um comentário, p.ex.) no texto de outrem, aconselha-se o emprego dos colchetes. Exemplo:

“Em defesa de minha tese, recorro à Constituição: ‘… é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença’ [é lamentável que existam pessoas que combatam a ferro e fogo esse direito].”

Os colchetes, assim, separam duas canetas: quem escreveu o texto entre colchetes não foi o mesmo redator do texto apresentado aqui entre aspas simples.

Simples assim.